Pediu pra ser corno, eu atendi o amigo, fudi sua esposa na sua casa

Um colega nosso, o Juca, se machucou no trabalho e o socorri até o hospital e depois o levei até a sua casa. Lá chegando, sua esposa veio nervosa saber ao certo o que acontecera, já que já haviam avisado a ela que ele tinha sofrido um acidente e estava no hospital. Bem, foi um corte profundo na parte traseira da coxa e ele levou pontos e analgésico com sedativos para amenizar a dor. Rapidamente o acomodamos na cama do casal e ele, depois de algumas conversas adormeceu. Era por volta das 14h da tarde e sua única filha estava na escola e só iria sair as 17h. Ficamos eu e a esposa dele na sala e eu explicando o quê e como aconteceu o acidente e informando sobre os procedimentos médicos que me orientaram no hospital (medicação, curativos, novo exame local e etc..). Ao me oferecer um suco, ela se levantou e aí, mais calmo, pude observar o quanto ela era gostosa. Ela usava um vestido caseiro estampado com flores, de tecido. Sua bunda era empinada e um par de pernas bem bonitas. Ela, em si, nem tanto bonita, mas de um rosto liso e seios pequenos. Uma mulher comum, aparentando ter 1,58 e pouco menos de 50kg, branquinha e minhosinha.
Na volta ela se sentou e continuamos o papo. Entramos num assunto de casais. Falei pra ela que lá em casa minha mulher não daria muita confiança se fosse comigo, pois ela anda meio fria comigo, essas coisas, ela disse que sentia muito e que eu era muito prestativo e amigo e que o Juca nunca tinha falado de mim, mas que estava encantada e agradecida pelo meu gesto de ter levado e ficado com ele no hospital e ainda ido levá-lo em casa e passar direitinho as instruções médicas…e blá blá blá. Mas ela deixou uma brecha: disse que o Juca tinha mania de chegar toda noite em casa e beber uns vinhos e depois dormia. Na hora pensei: “ela deve estar no atraso”. Resolvi dar uma investida pra ver, e falei: “todos os dias?” E ela confirmou já sabendo do meu propósito, acrescentou que era pior nos fins de semana. Estava constatado, ela estava carente de pica.
Bem aí comecei o jogo. Pedi para usar o banheiro e lá dentro, botei o pau pra fora e comecei a alisar numa punhetinha de forma que ele ficasse duro. Guardei , sem enfiar na cueca e deixei apenas por baixo da calça. O volume era nítido. Sentei como se nada tivesse acontecido, mas ela olhava para meu pau fixamente. Durante a conversa,eu propositadamente, alisava o pau disfarçadamente. Ela sempre olhava. Não tinha mais dúvidas, era a hora. Levantei e sentei ao seu lado e pude sentir o cheiro da sua pele. Esfreguei minha perna na dela e nos olhamos fixamente. Rolou um beijo gostoso. Abaixei as alças do vestido e me pus a lamber e chupar seus peitinhos. Ela sentada e sendo chupada nos seios, apenas apertava minha piroca e se entregava aos meus carinhos. Levantei e me postei diante dela e abri o zíper. A pica escapuliu e ficou na direção da sua boca. Segurei sua cabeça e direcionei até a pica. Ela abriu a boca e começou um boquete bem gostoso. Depois tirei todo o seu vestido e ela só de calcinha. Arrastei pro lado e comecei a sugar sua boceta suculenta. Porra ela gemia e esfregava a xita na minha cara. Ela me pediu: “ me come filho da puta”. Não deixei pedir de novo. Abri as suas pernas e enfiei a piroca, socando forte e fundo. Ela gemia baixinho e rebolava para receber bem encaixada a pica na xota. Eu disse pra ela: “toma pirú sua puta safada. O Juca não te dá. Aqui tem”. Ela dizia: “Isso, me come nojento, filho da puta, fode minha xoxota. Faz ele de corno…”
Meti muito e disse: vou gozar puta…ela falou: “ tira e goza no meu peito”. Tirei, punhetei e ela só olhando pra pica com cara de safada e os jatos saíram..1..2..3..4 todos nos seus peitinhos, barrguinha…ela passou os dedos e lambeu.
Depois me ofereci para buscar a filhinha deles na escola com ela. Meu carro filmado, e enquanto esperávamos no estacionamento da escola, ela chupou mais meu pau. Me fez gozar, mas não engoliu e cuspiu pela janela.
Ao chegarmos de volta na casa deles, o Juca havia acordado e fui até o quarto conversar com ele. Ela foi cuidar da menina (banho, lanche) e depois ela disse pra menina dormir com a tia pois ela precisaria cuidar o papai. O Juca me pediu para levá-las até a casa da irmã dela. Claro que fui. Deixamos a menina lá e na volta, por volta das 7 da noite, paramos o carro dentro da garagem dele e ela veio por cima de mim. E encaixou a xoxota na piroca e começou a calvagar, fudendo como louca tirando o atraso. Estoquei sentado e ela quicando na minha pica. Gozou gostoso a vadia e depois disse: “agora vou chupar e beber esse leitinho”. Agora sim, ela chupava mais molhado e não demorou e a porra veio toda na boquinha dela e ela foi sugando e engolindo tudo até a última gota.
Passou a ser corriqueiro eu ir ate lá prestar ajuda enquanto o Juca se recuperava na cama e as fodas eram na cozinha, no banheiro…enfim fiz o Juca virar corno por falta de assistência a sua esposa.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,50 de 2 votos)
Loading...