Não resisti e chupei o pastor e ainda fui enrabada

Oi pessoal, meu nome é Carla, embora não tenha me identificado, já escrevi um conto antes sobre o que aconteceu comigo no provador da loja em que eu trabalho. Pois bem, eu achei melhor nunca contar pro meu marido Roberto, mas já fui preparando ele para que se alguma coisa acontecesse na festa de casamento do filho do prefeito de Gramado a decepção não fosse muito grande. Na hora marcada o carro da madame chegou pra levar a gente pra festa. Meu marido estava muito feliz por eu ter sido convidada, e eu bastante preocupada em como seria minha reação quando visse o marido da madame Zuleica, e olha que eu nem sequer sabia o nome dele.
Ao chegarmos à festa fomos recepcionados por uma atendente que logo sorriu pra mim e perguntou, você é a Carla, amiga da doutora Zuleica. Eu logo respondi que sim, então ela me levou para um lugar luxuoso com sofás maravilhosos e disse que eu poderia descansar ali quando tivesse cansada, já que com a barriga que tava dava pra ver que eu não podia ficar muito tempo em pé. Lá na festa todas as pessoas que me viam faziam questão de me cumprimentar, perguntavam quando o nenê estava pra nascer, alguns até pediam pra beijar minha barriga pra dar sorte, e eu solícita deixava.
Na hora do baile estavam todos dançando, então a doutora Carla foi e puxou meu marido pra dançar, ele disse que não dançava, que era evangélico, mas por insistência da madame ele foi muito sem jeito. Enquanto ele dançava vi o pastor da nossa igreja conversando com o esposo da madame, os dois pareciam muito amigos, fiquei toda nervosa achando que ele estava contando a aventura que teve na loja, já que os dois olharam pra mim e cumprimentaram com um sorriso. Depois disso o senhor da loja foi embora e o pastor veio conversar comigo…
Como eu estava sentado numa mesa, o pastor perguntou se eu não queria ir pra a outra sala de recepção que era mais confortável. Antes de responder a pergunta chegou a doutora Zuleica e me disse: Oi minha linda, eu vou roubar um pouco o seu marido para mostrar uns projetos da prefeitura sobre turismo e estamos pensando em contratá-lo, se você quiser eu mando meu motorista levá-la pra casa. O pastor antes que eu dissesse alguma coisa ele disse: Não se preocupa ele vai ficar na outra sala de recepção e eu fico fazendo companhia pra ela, quando ela quiser ir eu chamo o teu motorista.
Já na sala de recepção o pastor perguntou se eu me dava bem com o casal Douglas e Zuleica, então eu contei a história da loja sem mencionar o lado pecaminoso. Mas o pastor foi rodeando, rodeando até que deu a entender que sabia o que tinha acontecido na loja. Eu fui ficando muito nervosa com suas indiretas e sempre afirmando que não tinha acontecido nada. Até que eu resolvi e perguntei, o que você sabe? Ele me respondeu, eu sei que você tomou a iniciativa pelo que aconteceu e espero que tenha de novo comigo, vem cá vem.
Eu um pouco envergonhada sentei ao seu lado e disse, mas não sei o que o senhor está falando, ele disse você sabe sim, não tenha vergonha, aproveita, você vai ver como essa nova experiência vai ser legal. Mas pastor! eu disse, colocando a mão em sua perna, não sei do que tu estas falando, ele me respondeu: vai irmã, só um pouquinho… Há pastor isso é uma loucura, e se Roberto ficar sabendo ou então entrar aqui. Ele não vai ficar sabendo não, disse o pastor se levantando e sentando sobre uma mesa que estava em frente. E voltou a me chamar, vem cá vem irmã, só um pouquinho.
Não resisti seu chamado e fui até ele que me aguardava com as pernas aberta… Eu ainda tremendo disse: tem que ser rapidinho e abri o zíper de sua calça e logo seu pau pulou pra fora, e eu como uma bezerra gulosa comecei a mamar o pastor da minha igreja. Ele falava, ah irmã como é gostoso a sua boquinha… Quando mais ele falava mais eu queria engolir aquele pau. Enquanto eu chupava o pastor ele foi levantando meu vestido e passando a mão na minha bunda, molhava o dedo na boca e pincelava meu cuzinho virgem.
De repente sinto outra mão segurando minha bunda, tentei olhar e o pastou não deixou me mandando continuar chupando… Senti uma língua quente lambendo meu grelinho e enfiando no meu cuzinho, eu tive uma reação e mordi o pau do pastor, aí ele disse, chupa devagar irmã. Mas eu queria era engolir logo a sua porra… De repente sinto que o dono da mão de traz ajeitava seu pinto para entrar no meu cu, continuei arrebitada, seu pau foi entrando e eu rebolava, chupava, segurava o saco do pastor com uma mão e a outra me masturbava até que gozamos quase que juntos. Quando olhei pra traz vi que era o seu Douglas, que puxou meu rosto e me beijando na boca com a gala do pastor.
Eles saíram e eu fiquei só, então veio o motorista da madame dizendo que ia me levar em casa pois o meu marido iria demorar na reunião. Lá pelas duas da madrugada meu maridinho chegou, estava de cabeça baixa como que envergonhado, me disse que estava arrependido do que tinha feito na festa e a sua consciência dizia pra contar tudo e não ficar com mentiras… Então eu respondi: olha amor, se for alguma coisa que pode atrapalhar nosso casamento é melhor não dizer, omitir não é mentir. Todos nós temos os nossos segredos, vem cá vem, senta aqui na mesa. E como fiz com o pastor fui logo tirando sua calça pra chupar seu pau que embora fosse à terceira vez que chuparia uma pica parecia que eu já era viciada em boquete.
Não amor! Deixa eu tomar banho primeiro, eu respondi: eu quero é assim mesmo, e cai de boca naquele pau pela primeira vez, senti que seu pau estava cheirando um pouco de merda, na certa ele tinha comido o cu de alguém, eu nem liguei, continuei chupando e perguntando, tá gostoso maridinho tá, ele só gemia, quando vi que ele estava pra gozar eu disse, vem amor come o meu rabinho, ele é todo seu, não era isso que você sempre quis, de agora em diante nós vamos fazer 69, anal o que você quiser… Esse será o nosso segredo o pastor não pode nunca saber, tá, ele então me disse: tá bom amor, e gozou no meu cuzinho pela primeira vez.
Quem mora por esse lado e quiser uma chupadinha é só fazer um comentário e deixar o e-mail, aí eu entro em contato, mas só depois que o bebê nascer. Eu vou ter o bebê em Curitiba na casa de meus pais, quem sabe a gente não se encontra lá.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,00 de 3 votos)
Loading...