Ajudando a salvar o casamento da cunhada com marido deficiente

Sou juntado com uma mulher linda, mas a sua irmã é uma coisa fora de serie, linda de dar nervoso, onde ela passa todo mundo olha, basta entrar em um restaurante que as cabeças vão se virando para apreciar o “monumento” a beleza da espécie.

Esta minha cunhada é casada com um cara super legal e ela é seriíssima, fiel ao extremo, não olha para o lado, não sai sem alguém junto, não vai a nenhum lugar suspeito, não dá brecha para qualquer tipo de gracinha, apesar do marido ter mais de 20 anos de diferença de idade, ela hoje (2014) com 28 anos e ele com 51 anos. Ate a pouco o casamento ia muito bem e eles eram um casal exemplar mas ele teve um ataque cardíaco que o deixou de cama por meses, depois deste ataque ele engordou muito o que levou para uma diabetes altíssima, as complicações de saúde não param de acontecer é raro o mês que ele não tenha um problema, para piorar a situação a depressão justificada baixou sobre ele e é obrigado a tomar remédios psicotrópicos que o deixa meio abobado, não preciso dizer que eles estão sem vida sexual, zero total.

Minha cunhada apesar de não ter mais o marido como homem não saia com ninguém, assim disse minha esposa que alem de irmã é a melhor amiga dela e são confidentes nos mínimos detalhes e a minha cunhada disse que se negava trair o marido mesmo tendo “razão” para tal.

O tempo foi passando e a falta de sexo para uma mulher tão nova foram aparecendo e ela foi ficando nervosa e irritada mais a cada dia, até o ponto que ficou histérica e comprovou que a falta de sexo leva muitas mulheres a esta “doença” e gerou a brincadeira popular que mulher briguenta é por falta de sexo. Chegou no ponto que a família estava toda brigando com ela e contra ela, a onde ela chegava era briga na certa, um melhor olhar ela já vinha perguntar o que estava olhando e por mais que qualquer um de nos dissesse que não tinha olhado/falado/feito nada ela já saia na gritaria. Um dia minha cunhada reconheceu que não estava bem e resolveu procurar um medico e recebeu a resposta que ela teria que tomar remédios ou teria que ter um mínimo de sexo na vida. Tomar remédios ela não queria de forma alguma porque era “geração saúde” e alem disso não queria ficar igual o marido com cara de boba. Assim o problema continuou.

Um dia minha esposa me chamou e disse se eu não faria uma “coisa” e pulando palavras, gaguejando e eu sem entender nada fui juntado as partes e no final acabou conseguindo dizer que a irmã e ela pensaram em uma solução, afinal a irmã não queria trair o marido de forma alguma e que o marido tinha sido o único homem que ela tinha transado na vida, mas tinha se convencido que ele não iria melhorar das doenças e do estado psicológico e nunca voltaria a ser como era antes e que elas duas pensaram em contratar um garoto de programa, mas a minha cunhado tinha rejeitado completamente alem do que tinha medo de chantagem, doença e roubo então resolveu arrumar um amante e quando esta ideia estava começado a ser aceita uma amiga em comum contou que tinha arrumado um amante e que o cara se apaixonou e ficou perseguindo e deu a maior encrenca.

Moral da historia, a solução que elas encontraram era ela transar com alguém que não iria chantagea-la, passar uma doença, se apaixonar e que esta pessoa era eu. Aquela frase caiu feito uma bomba na minha cabeça, e pensei rápido que se eu saísse sorrindo, rindo, comemorando a minha esposa iria ficar doida de ciúmes, então eu disse que era um absurdo, que nunca iria transar com uma mulher que não fosse minha esposa, alem do mais iria desunir a família e blablabla e completei ainda com um toque de mestre dizendo que a irmã dela era meio feinha e não nunca tinha sentido o mínimo tesão por ela. Minha esposa abriu um sorriso de melancia e começou dizendo que já tinha resolvido tudo, que elas iriam me amarrar na cama para que não houvesse contato meu com a minha cunhada, ela viria e sentaria no meu pau e mexeria naquele vai e vem e gozaria como já era o jeito de gozar com o marido e sairia e iria embora. Que tinha que ter pena da irmã dela que estava ficando louca e quase perdendo o emprego e não teria como se sustentar por conta do marido doente que não mais trabalhava e blablabla. Com cara de chateado concordei em “emprestar” meu pau para ela minha cunhada se acalmar.

Marcaram um dia logo depois da menstruação por ser os dias que mais ela ficava com tesão e para não engravidar caso eu gozasse, se bem que eu deveria usar camizinha. É bem verdade que ficou combinado que eu não iria gozar e nem “aproveitar” da transa era apenas e somente para ajudar a minha cunhada e apenas uma vez por mês se desse certo e o restante do mês ela se viraria com um consolo e se masturbando.

No dia marcado eu estava um pilha de tesão e não podia dar na cara, fiquei tranquilo como se fosse a coisa mais normal do mundo e minha esposa me levou para nosso quarto, me amarrou na cama com umas fitas de cetim e tapou meus olhos com uma lenço e fiquei lá deitadinho, pelado e minha mulher disse para eu respeitar o combinado e que ela iria sair de casa e voltaria em uma hora para que a irmã não ficasse inibida/preocupada e acabar não gozando e relaxando.

Deu uns minutinhos abriu a porta do quarto e pude escutar os passos e a respiração profunda da minha cunhada, ela parecia que estava chorando e ficou ali parada, acho que me olhando, passou mais um tempo escutei um barulho de como se ela estivesse tirando a roupa, ela veio para a cama e sem nada de alisar, chupar, nada de nada, sentou por cima de mim colocou o pau na xana, sem camisinha, e sentou ate o pau tocar no fundo dela e chorando começou a mexer no vai e vem e a xana dela estava muito melada a ponto de sentir escorrer o melado pelas minhas bolas e mexeu mais um pouco e gozou gemendo e chorando ao mesmo tempo e eu nem consegui curtir nadinha de nada. Ela foi no banheiro e escutei o chuverinho da ducha intima ela se lavando, se vestiu, foi do meu lado e soltou uma das minhas mão e saiu apressada e só ouvi a porta do apartamento bater.

Em mais uns 45 minutos chegou minha esposa e perguntou como tinha sido e contem que não tinha sido, ela entrou sentou, gozou em 2 minutos e foi embora. Minha esposa disse que ela estava desesperada para gozar metendo e que era normal e perguntou se eu tinha gostado, eu respondi que não tinha o que gostar porque para mim não tive prazer alguma afinal não tinha visto o corpo dela, não tinha sentido e não tinha gozado. Minha esposa disse vamos para o quarto que vou “agradecer” você por ter ajudado minha Irmã e eu doido de tesão por ter comido a minha cunhada, mas não podia transparecer e fizemos sexo como sempre e gozei muito só imaginado que era na xana da minha cunhada.

Passado um mês eu mega ansioso para chegar o dia novamente e sem poder perguntar nada para minha esposa, cada reunião de almoço em família que via minha cunhada ficava doido a ponto de fazer uma besteira, mas tinha que manter a pose e não estragar tudo. Minha esposa ficava com o olho o tempo todo em mim para ver se eu olhava, piscava, falava qualquer coisa, mas eu ignorava completamente minha cunhada como se fosse transparente.

Passado uns dias minha esposa veio e me disse que iríamos repetir no dia seguinte e eu me fazendo de idiota disse “repetir o que?” ela disse que o plano tinha dado certo que minha cunhada estava muito mais tranquila e que eu não tinha dado nenhuma dica que tinha me “grudado”a ela e ela não tinha se “envolvido”.

No dia seguinte já me preparei, banho tomado, perfume, barba feita e minha esposa perguntando para que tudo aquilo e eu dizendo que eu não queria que ela passasse vergonha e a irmã pegasse o marido dela (eu) todo zuado.

O celular de minha esposa tocou avisando que ela estava subindo e fui para o quarto e ela mais uma vez me amarrou e mais uma vez recomendou para eu me comportar. Deu um tempinho e ouvi elas conversando e minha cunhada que parecia feliz e sem aquele jeito de enterro que foi da primeira vez e minha cunhada entrou no quarto e desta vez sem chorar, ouvi ela tirando a roupa e desta vez estava perfumada e sentou do lado da cama, pegou meu pau e bateu uma subida e decida e sentou em cima enfiando o pau na xana que estava super melada e ficou metendo e metendo e não gozou como na primeira vez em 2 minutos e sentia que quando ela começava a gemer mais forte ela mesmo parava para durar mais tempo, depois ela continuou por cima mas mudou de posição sentando em cima do meu pau, mas de frente para os meus pés, meteu um pouco e viu que não dava muito certo e voltou para a posição ela de frente e depois de uns 30 minutos ela disse baixinho que não aguentava mais e como eu estava na mesma situação afinal metendo a 30 minutos sem gozar e alem do que comendo aquela gata lindíssima e para piorar era minha cunhada e quem não tem tesão pela cunhada não é mesmo? Ela começou a gemer mais alto e a mexer e quando ela começou a gozar eu também gozei junto enchendo a xana dela de porra. Ela começou a rir desta vez relaxada e calma, deitou do meu lado e ficou um pouco e se levantou e disse “isso faz toda a diferença na vida de uma mulher”. Eu não respondi e fiquei caladinho e ela foi no banheiro se lavou e ouvi ela falando sozinho “que delicia ter gozo dentro de mim novamente…”. Saindo do quarto soltou o laço de uma das mãos e disse muito obrigado e foi embora. Me soltei e me lavei e fui ver tv para disfarçar. Minha mulher chegou logo em seguida e veio com as mesma perguntas e respondi igual que foi aquilo da outra vez que ela sentou mexeu e gozou e foi embora e ai veio um probleminha, disse vamos para o quarto que eu vou lhe recompensar, eu tinha acabado de gozar como nunca gozei na minha vida, mas se negasse fogo ai seria o fim da brincadeira e por sorte estava ainda com o tesão da transa com a minha cunhada e chupei longamente minha esposa para dar um tempo para me recuperar e depois comi minha esposa sem problema.

Nas reuniões dos domingos todo mundo comentando que minha cunhada tinha mudado, estava alegre, calma, tranquila como sempre tinha sido e ela disse que estava tomando um remédio natural que era um milagre, todos perguntavam qual era e ela não dizia e só pensava que era nada mais que um pau grande e porra dentro dela.

E lá veio o terceiro mês e mais uma vez a historia se repetiu e veio minha cunhada sentou no canto da cama pegou no meu pau mexeu um pouco para conferir se estava duro, sentou por cima e tentou encaixa, mas ela não estava mega melada como das outras duas vezes e ela desceu e deu uma chupada no meu pau e quando senti a boca dela soltei um gemido de tesão louco e ela vendo que eu gostei, parou um pouco e voltou a chupar e ficou chupando e como chupava gostoso e eu não aguentei e gozei na boca dela um monte só imaginado aquela mulher me chupando e ela não cuspiu, pelo som vi que engoliu o que me deu mais tesão e ela disse “…e agora e eu? “ eu falei pela primeira vez e eu disse que ela sentasse na minha boca que eu iria chupa-la até me recuperar, ela disse que isso não tinha sido combinado e ela não sabia se podia ou não, eu disse que se ela pode me chupar eu poderia chupa-la também, ela disse “mas que coisa mais sem graça…” e como não tinha jeito acabou que ela sentou na minha boca e pude fazer o que sei fazer de melhor. Suguei a xana dela e comecei a chupar com vontade e pelo jeito ela nunca tinha recebido uma chupada bem feita o marido com certeza era do tipo feito gato bebendo leite no pires, só dava umas lambidinha, mas quando comecei a chupar de verdade ela começou a dizer “o que é isso ? o que é isso? “ e ficou louca e eu sentindo o gozo dela descer pela minha língua foi uma delicia e em alguns minutos ela gozou forte, gemendo alto e caio do lado e disse que nunca tinha gozado daquela forma e tão gostoso.

Meu pau já estava duro, obviamente, e eu disse para ela sentar em cima do meu pau e ela disse que não é este o combinado é apenas para eu gozar e ir embora, mas ela pensou e pensou e segurou o pau e viu que estava duro e sem dizer nada ela sentou e colocou o pau dentro dela e ficou metendo e depois de uns 15 minutos ela começou a gemer novamente e disse “vou gozar você vai vir junto? …” e eu fui me concentrando e gozei junto com ela e desta vez ela saiu duplamente feliz.

Ela mais uma vez levantou e foi no banheiro se lavou e começou a se arruma e disse mais uma vez que estava agradecida e se eu quisesse alguma coisa ela estaria me devendo, se referindo ao trabalho dela de dentista, eu disse que queria sim e ela disse o que? Eu respondi dizendo que queria vê-la nua e ela parou de falar e disse que isso não podia, no combinado você nunca a veria nua, implorei e ela foi até a cama tirou meu tapa olho, e foi tirando a roupa que já havia vestido e pude ver aquela mulher linda, maravilhosa, exuberante e parou na minha frente nua e pedi para chupar os seios dela e ela veio e colocou na minha boca um bico e ia indo embora e eu disse que o outro iria ficar com inveja e ela colocou o outro bico na minha boca e desamarrou uma das mão e foi de embora de uma vez. Antes de sair disse “obrigado … eu fico vazando você (saindo porro sua) por 2 a 3 dias … me sinto mulher…”

Mais uma vez minha esposa chegou perguntou como tinha sido e eu respondi o mesmo e pela ultima vez sabia que a minha cunhada estava ajudando a mentir que não tinha acontecido nada demais alem de uma entradinha uma mexida e uma gozada. Só que desta vez complicou porque tinha gozado na boca da minha cunha e na xana dela então foram duas gozadas e minha mulher queria me agradecer dando uma trepada para me ajudar a “aliviar”. E tive que me desdobrar para não fazer feio.

No domingo no almoço da família a minha cunhada estava realmente contente voltou complemente ao que era antes, linda, sorridente, simpática e era o retrato da felicidade e eu olhava para ela com o maior cuidado do mundo e relembrava ela nua e como ela conseguia ser mais linda ainda pelada, é isso mesmo, tem mulheres que de roupa são lindas mas quando tira não é tudo aquelo ou até enganam muito. Mas uma coisa me intrigou, uma hora que eu estava olhando ela percebeu e me olhou de volta dentro dos meus olhos, coisa de mulher apaixonada que não liga para os outros ao redor, feito em filme e fiquei tentando identificar o olhar e naqueles 30 segundos que ela não desviou o olhar, por sorte minha mulher estava longe na cozinha.

Mais um mês e chegou o dia e repeti a rotina, reclamando que teria que comer a “feiuda” da minha cunhada e que não ganhava nada com isso e blablabla e minha mulher me adulando para continuar ajudando a irmã dela que estava melhorando a olhos vistos. Mais uma vez tocou o celular a minha esposa me mandou para o quarto e me amarrou e fiquei ali deitado e ela saiu mandando eu manter o combinado e o sermão de sempre.

Minha cunhada entrou e o cheiro dela era inconfundível e tirou a roupa e sentou do lado da cama e começou a me chupar com calma e delicadeza e com uma das mão soltou o laço da fita que me prendia, livrei minha mão e depois a outra e como ela estava me chupando puxei-a para o 69 e ela veio e pela primeira vez senti a pele dela na minha mão que era de pura seda e ficamos ali em uma delicia de chupada dupla e coloquei o dedo na xana e outro no cuzinho dela e fui chupando e ela foi caminhado para o gozo e quando ela ia gozar parei e virei ela de frente e meti na xana dela melada e inchada e pela primeira vez a vi de frente e caímos em um beijo de língua e metia nela e chupava a boca dela e fomos metendo sem desgrudar a boca ate que ela foi querendo gozar e eu não deixei e ela implorou que eu deixasse que a ultima tinha passado um mês e meti com força e ela gozou gemendo alto que me deu um mega tesão mas consegui aguentar firme.

Minha cunhada não acalmou depois de ter acabado de gozar e continuou na pilha, virei ela de 4 e meti e percebi que ela adorava dar de 4 e meti sem dó só vendo a xana com o meu pau dentro, que visão que eu estava tendo aquela mulher lindíssima metendo sem piedade comigo. Cai de lado agarrado com ela feito conchinha e fiquei metendo, estiquei a mão e peguei o gel lubrificante e coloquei na minha mão e fui passando no cuzinho dela e ela ficou tensa, tirei o pau da xana e fui tentando colocar no cuzinho dela e ela disse que não porque doía, nem dei bola para a reclamação dela e continuei metendo bem de vagar, quando o cuzinho já tinha ficado mais aberto coloquei mais gel e voltei a meter e quando a cabeça do pau entrou tirei a mão de traz e comecei a masturbar a xana dela enfiando o dedo e comecei a comer a xana e o cuzinho ao mesmo tempo, a xana com os dedos e o cuzinho com o pau e ela foi a loucura e gemia alto e estava para gozar e como eu não queria dei um tapinha na cara dela e ela ficou paralisada e eu pensei agora ela vai estressar e acabou a transa, mas não ela ficou parada e eu dei mais um e mais um e ela foi gemendo ritmado com os tapas e mexendo e não consegui mais bater nela e ela disse “me bate para eu gozar …” me ajeitei rapidamente, segurei ela forte e sincronizei a metida no cuzinho dela com os tapas e como um coisa doida ela respirava e mexia ao compasso dos tapas e gozou sem para e dizia “eu não paro … eu não consigo parar de gozar…” e ficou meio doida e relaxou terminando o gozo mais longo que eu já tinha visto e com certeza o melhor e mais intenso gozo da vida dela e para não ficar na mão meti mais um pouco e gozei no cuzinho dela.

Ficamos deitados e para ela olhar a hora e quando vimos a “nossa” uma hora já tinha passado, pulamos da cama, ela correu para o banheiro e se vestiu e eu corri arrumar a cama mas estava na cara que ali tinha tido uma “luta ferros” e não uma metidinha e uma gozadinha, estava todo suado o lençol e fiquei sem saber o que fazer e tirei o lençol e troquei e peguei um alfinete e furei meu dedo do pé e sujei o outro lençol de sangue e fiquei lá deitado.

Minha cunhada saiu e minha esposa entrou foi assim por um triz que não nos pega, e perguntou mais uma vez como tinha sido disse que como sempre mais ela ainda estava com um pouco de menstruação e sujou o outro lençol e eu tinha trocado, ela fez uma cara de to nem ai e me chamou para recompensar do sacrifício de ter transado com a irmã para ajuda-la.

No domingo a minha cunhada não parava de me olhar com aquele ar de mulher apaixonada e eu correndo dela e disse para minha esposa que estava com uma forte dor de estomago que iria para casa e que ela podia ficar e fui embora e quando o elevador estava começado a fechar a porta minha cunhada entrou também e perguntou quando nos iríamos nos encontrar novamente, tentei me fazer de bobo dizendo que no mês que vem, mas ela disse que não e que queria terminar nossa ultima transa que para nos dois uma hora de transa era muito pouco. Fiquei de ligar para ela, mas não liguei e ela começou a ligar e parou no mês seguinte perguntei se teria mesmo que transar com a Irmã dela e lá veio minha esposa dizer que ela estava ótima, que tinha parado com os histerismos e blablabla, e eu já vendo que aquilo iria dar uma tremenda de uma zebra.

No dia do mês o mesmo esquema, minha esposa saiu e minha cunhada veio e conversou mais centrada que realmente não tinha nada haver nos continuarmos transando que ela estava confundindo as coisas e que ela amava a irmã (minha esposas) e que aquela seria a ultima transa de nos dois, e mais uma vez comi a minha cunhada como força, chupei, comi o cuzinho dela e ela gozou feito uma doida desesperada, tomei o cuidado de tirar o lençol, de não estourar a hora e nos despedimos com um beijo apaixonado.

No mês seguinte minha esposa disse que minha cunhada não queria mais e que iria dar um outro jeito e depois me contou que ela arrumou um amante, depois contou que o amante não tinha dado conta, depois disse que tinha arrumado outro e também nada. Um dia a minha esposa veio me pedir para voltar a deixar a minha cunhada gozar uma vez por mês comigo, naquele esquema de meter e nada mais, eu disse que não e não queria. Depois de uns dias minha esposa voltou a carga pedindo para eu reconsiderar e atender ao pedido e acabei cedendo.

Chegou o dia e veio minha cunhada e como sempre elas repetiram o procedimento, ela entrou e conversei porque ela insiste se já tinha conseguido sair com outros caras e ela disse que nenhum batia e comia o cuzinho dela e paramos de falar e voltamos a transar uma vez por mês e cada transa era melhor e melhor e minha cunhada virou a mais perfeita das mulheres pois alem de ser lindíssima era perfeita na cama não me negando nada. No meio do mês saímos para um motel e ficávamos metendo por 2 horas sem tirar o pau de dentro dela, era uma putaria sem tamanho.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,67 de 3 votos)
Loading...