# #

Meu enteado – 1ª parte

2608 palavras | 3 |4.07

Desligo o celular, reticente. Acabo de falar com meu companheiro, com quem vivo há 12 anos; ele está fora, na plataforma de petróleo onde passa quinze dias, por mês, trabalhando. Nos últimos meses esse período de ausência e afastamento tem sido mais do que providencial para nós dois… Eu acho!
Me viro na cama, tento encontrar alguma posição confortável, mas não consigo: amanha eu e o Maurício vamos completar mais um ano de vida em comum e pelo que temos passado nos últimos meses, não sei se essa data, nesse momento, mereça uma comemoração. Estamos cada vez mais distante um do outro, seja física ou emocionalmente, e a única coisa que vem nos mantendo unidos é o sexo, porém não o praticamos juntos, pelo menos não entre nós dois, afinal, sempre recorremos a um terceiro, e sempre a alguém muito mais novo, e durante o ato em si não nos tocamos, não nos beijamos, sequer trocamos olhares a não ser aqueles carregado de certa volúpia pelo terceiro travesseiro que está em nossa cama, e acabamos, assim, agindo como dois homens maduros patéticos, compartilhando um corpo jovem, como se quisesse encontrar em algum desses “meninos” a solução para os nossos problemas.

Me chamo Fernando, tenho 46 anos e meu companheiro, 52. Apesar de estarmos juntos a mais de uma década e por mais que eu ainda faça algum esforço para ser agradável e tolerante, não sou muito bem visto dentro da família do Maurício: carrego a alcunha de destruidor de lares, afinal, o seduzi, trazendo-o para o “lado negro da força”, fazendo-o deixar para trás um casamento tradicional… A infelicidade que permeava a união do meu companheiro, somada ao seu desespero em sair do armário, onde permanecia trancado a fim de satisfazer a família e a sociedade, não pagaram essa conta no frigir dos ovos.
Não preciso nem dizer o quão traumática foi a separação do Maurício. Sua ex apelou de todas as formas para tornar a vida dele __ a nossa vida __ um verdadeiro inferno, chegando mesmo a colocar em cheque, de maneira sórdida e pejorativa, a virilidade dele, não se importando de gritar isso aos quatro ventos para quem quer que fosse, pouco se lixando para a exposição que a atingia também; por fim, constatando a hombridade com que o ex marido atravessava toda as suas investidas, a digníssima deu sua cartada final ao tentar lhe tirar o único filho que tiveram, Matheus, na época um menino de oito anos covardemente lançado no meio de uma tempestade avassaladora, cruel. Ainda bem que, apesar do divórcio litigioso, Maurício conseguiu manter a guarda compartilhada de Matheus, algo que ele jamais suportaria perder.
Nesses doze anos de convivência acabamos criando nossos laços familiares, onde aprendi a considerar e a tratar o pequeno Matheus como a um filho, apesar de nunca ter tentado gerar o meu próprio rebento. Mesmo contra todo o preconceito, atualmente velado, ao qual eu e o pai dele sofremos, conseguimos ser e manter nossa unidade, aliás, acabei ganhando a confiança do rapaz __ sim, hoje o garotinho de oito, nove anos, se tornou um galalão prestes a chegar a casa dos 20 __, e já perdi a conta de quantas e quantas vezes precisei dar conselhos e ouvir suas dúvidas e ansiedades em alguns assuntos que ele não se via nem um pouco a vontade em dividir com o pai.

Me viro novamente na cama e tento fechar os olhos, mas não consigo. Afirmo e reafirmo que a ausência quinzenal de Maurício, durante essa turbulência pela qual estamos passando, é mais que providencial. Não saberia o que fazer, amanhã, ao ter que encarar a obrigação de comemorar nosso aniversário… Provavelmente sairíamos à caça, para, mais uma vez, dividirmos a virilidade de um moleque, nos deliciando com a disposição da garotada em ser nosso macho alfa e assim continuar empurrando com a barriga a decisão do que fazer com o que sobrou do nosso relacionamento.
Aliás, não me lembro exatamente quando começou essa condescendência entre mim e o Maurício, porém não temos do que reclamar dessa nossa peculiar válvula de escape. A garotada que encontramos pelo caminho está pro que der e vier. Não se fazem de rogada e nos fodem com suas pikas, que mais parecem feitas de concreto ao invés de músculos. Só tivemos até hoje, no meio de toda essa folgança, duas reclamações, das quais não encaramos como destrutivas, afinal, fomos chamados de insaciáveis e tarados, um elogio para se levantar o ego de qualquer homem que tenha atravessado os seus quarenta anos, porque, segundo as estatísticas, depois dessa idade, o desejo e o desempenho do sexo masculino tendem a ir ladeira a baixo… Quem chegou a essa conclusão deveria ver a batalha épica travada entre mim e o meu companheiro quando estamos diante a uma espada latejante e em riste, disposto a conquistá-la a qualquer preço.
Bem, não vai me ajudar em nada ficar aqui, deitado, refletindo sobre o que vem acontecendo na minha vida ultimamente. Vou fechar os olhos e tentar dormir a todo custo. Preciso. Devo. Necessito…

Acordo um tanto sobressaltado com um barulho de porta sendo batida e em seguida algum móvel sendo arrastado. Uma cadeira, provavelmente. Me apoio sobre os cotovelos sobre a cama, desconfiado, assustado até. Será que meu apartamento está sendo invadido? Minha cabeça começa a fervilhar. Meu coração dispara e eu não sei o que fazer: levanto e encaro o que está acontecendo fora do meu quarto ou fico aqui e disco para a polícia pedindo socorro? Não preciso tomar qualquer uma dessas decisões, pois logo ouço a voz do meu enteado ecoando pelo apartamento. Está cantando alguma coisa que não consigo identificar, ainda mais pelo tom estridente e desafinado que está saindo de sua garganta. Respiro aliviado… Mas o que esse menino está fazendo por aqui? Até onde me lembro, esse final de semana ele estaria com a mãe, pois iriam comemorar o aniversário de algum parente… A barulheira continua. Olho no relógio: 03 da manhã. Me levanto estressado e caminho a passos largos para a sala, de onde vem a “festa” que Matheus está proporcionando e o encontro jogado sobre o sofá, pernas e abraços abertos, olhando para o teto e ainda cantarolando algo que, por mais que eu tente, não consigo identificar.
Cruzo os braços sob o umbral da porta que liga o corredor à sala e o encaro com um semblante de poucos amigos. Logo ele percebe minha presença e me cumprimenta com um sorriso farto no rosto acompanhado de uma sonora gargalhada enquanto tenta se levantar, não conseguindo, despencando sobre o sofá. Não demoro a concluir o óbvio: ele está bêbado.

__ A sua mãe sabe que você está aqui, Matheus? __ pergunto, incisivo.

__ Sei lá… __ ele dá de ombros e volta a gargalhar, fechando as pernas e os braços, se virando para um dos lados e passando a mão sobre o estofado, acariciando-o.

Deixo escapar um suspiro a fim de demonstrar minha insatisfação: __ O que você ingeriu? Bebida?Drogas? Espero que não tenha se esquecido da última que você aprontou e fez seu pai ir parar na delegacia pra te tirar de lá…

__ Relaxa, Fernandão __ ele se volta na minha deireção e me encara com os olhos semicerrados e com o dedo indicador sobre os lábios, como se estivesse pedindo silêncio.

__ Agora eu sou Fernandão? __ pergunto possesso, começando a caminhar até ele __ Até onde me lembro você me chama de tio e nunca combinamos qualquer outra coisa diferente, não é moço? __ chego até a frente do sofá e arqueio uma das minhas sobrancelhas.

__ Tá nervosinha, tá? __ o deboche de Matheus é o limite para o que resta da minha paciência.

__ Vamos, garoto __ apanho um dos braços dele com força e o obrigo a se levantar __ Depois conversamos sobre essa sua falta de respeito, mas primeiro você vai tomar um banho, jogar muita água fria nessa cabeça cheia de merda e mandar embora esse porre ou sabe-se lá o que mais você colocou pra dentro…

Matheus resiste, tentando se desvencilhar ao mesmo tempo em que se encolhe em um canto do sofá, mas eu insisto e consigo, a duras penas, fazê-lo se levantar, mesmo diante de suas reclamações e alguns palavrões. Ainda que seja um pouco maior do que eu e tendo uma estrutura física reforçada pela academia, consigo “arrastá-lo” até o banheiro, onde o faço entrar no boxe com roupa e tudo, para tomar um banho de água fria.

__ Por que você tá fazendo isso, caralho? Tá parecendo meu pai, cheio de autoridade, de disse-me-disse..

Não respondo nada. O embate entre nos dois continua: Matheus tentando sair da água e eu, inevitavelmente recebendo alguns respingos, fazendo de tudo para que ele fique onde está.
Por fim, depois de um bom tempo e já sem precisar enfrentar a sua resistência, desligo o chuveiro e apanho uma toalha, depositando-a em um de seus ombros.

__ Vou preparar um café bem forte e amargo para você tomar…

Antes mesmo que eu faça qualquer menção de sair do banheiro, vejo Matheus se apoiar na pia, deixando claro que o banho não havia sido suficiente para lhe tirar de todo o efeito da bebida. Olho firme em seu rosto e tomo a toalha de suas mãos para começar a enxugá-lo. Primeiro os cabelos, depois a face, em seguida as orelhas, o pescoço, o braço até que o ajudo a tirar a camisa de malha que está usando para continuar o meu trabalho. O silêncio impera entre a gente. Sinto o hálito do álcool escapando durante a respiração de Matheus.

__ Como nos velhos tempos, né não, tio?

__ Com uma diferença… __ o tórax definido do meu enteado, desnudo à minha frente, me deixa um tanto quanto confuso. Respiro fundo. Um relance das fantasias sexuais que imaginei o tendo como um macho fodedor voltam a transitar imediatamente no meu cérebro. Meneio a cabeça a fim de espantar tais pensamentos. Um absurdo que já há algum tempo eu vinha conseguindo conviver sem maiores dramas. Começo a secar, então, com movimentos bruscos, o seu peito __ Você agora já está bem grandinho pra isso, não é não?

Matheus deixa escapar uma gargalhada, e dessa vez eu a acho gostosa e atraente. Sinto raiva de mim mesmo e jogo a toalha por sobre seu peito, mandando -o terminar de se secar e saio do banheiro em seguida, pisando firme e me recriminando. Eu não devia me deixar levar desse jeito. Fantasiar com o enteado é uma coisa, apesar de tê-lo criado, praticamente, o visto crescer, ter sido seu confidente, mas quase sucumbir à realidade, me permitindo perder o equilíbrio diante da sua perfeição física, é inadmissível. Não posso me esquecer de quem ele é: filho do meu companheiro!
Nem chego a cruzar a porta da cozinha e ouço um baque surdo vindo do banheiro. Corro para lá, preocupado, e encontro Matheus caído, sentado perto da pia, rindo, a braguilha da calça aberta e com um dos tênis com o calcanhar para fora. Definitivamente deixá-lo sozinho não e uma boa ideia. Ajudo-o, então, a se levantar. A calça jeans está mais do que encharcada, assim como o seu tênis, que são os primeiros que decido tirar, com Matheus se apoiando firme na pia; logo começo a tentar tirar sua calça, que por estar bastante molhada, dificulta essa ação. Me sento, então, no vaso sanitário para conseguir finalizar isso. Aos poucos vou conseguindo abaixá-la e não demoro a me deparar com a cueca boxer branca que ele está usando. Inspiro e expiro, mas antes mesmo de chegar a altura dos seus joelhos, me pego um tanto quanto ofegante, um pouco trêmulo, me esforçando o máximo para ignorar a imagem à minha frente. Engulo seco e decido fixar o meu olhar no chão. Por fim consigo terminar minha empreitada e ao levantar meus olhos não consigo deixar de me surpreender, de me extasiar com a visão de Matheus, seminu, pernas e braços bem torneados emoldurando o seu corpo bem talhado, liso e esbelto, desenvolvido durante os últimos anos como corredor e também pelos exercícios constantes na academia.
Sinto meu rosto esquentar. Respiro fundo e faço menção em levantar, informando que vou voltar à cozinha para, enfim, começar a fazer o tal café amargo, mas o peso de uma das mãos de Matheus sobre um dos meus ombros me impede. Demoro um instante até olhar para o alto, na direção de seu rosto, onde me deparo com um semblante emanando certo ar de cinismo, deleite…

__ Tá tudo bem, tio?

__ Por que não haveria de estar? __ contra argumento, buscando, agora, desviar o olhar da silhueta do pênis de Matheus que se formou sob a cueca boxer branca, molhada __ Agora me deixa levantar. Não pense você que não vou te obrigar a beber um café amargo pra espantar esse porre que tu tomou…

A mão de Matheus ainda está sob meu ombro, mas sem tanta força. Me levanto, num salto, e nossos olhares se encontram. Um silêncio incômodo se estabelece entre nós dois. Matheus sorri, meio de lado. Eu arqueio uma das minhas sobrancelhas, como se estivesse questionando-o. Um resto de silêncio e eu dou um passo para o lado e me dirijo para a porta, fechando e abrindo os olhos, respirando aliviado enquanto caminho na direção do corredor.

__ Tá nervoso, Fernandão?

Paro, mas não me viro. Conto até dez. Matheus repete a pergunta. Eu inclino um pouco o pescoço por sobre os ombros, mas não chego a olhar para trás.

__ E de que outra maneira eu poderia estar?. Você chega aqui em casa, sem avisar, depois de ter bebido todas, fazendo um estardalhaço, como queria que eu estivesse? Ainda bem que o seu pai não está aqui…

__ O senhor gostou do que viu?

Eu quase fico sem ar. Inclino o pescoço para cima, remexo os ombros e então me viro. Meu enteado está em pé, próximo à pia, a cueca boxer deixando transparecer o volume na sua virilha. Eu imediatamente subo o meu olhar até o seu rosto, a fim de encará-lo: __ Do que você está falando? Acho melhor tomar outro banho, moço…

Matheus então aperta a pika sob a cueca. Forte. Um riso ordinário rasga o seu rosto. Eu engulo seco. Meu coração parece que vai saltar pela boca.

__ Deixa eu refazer a pergunta, Fernandão __ Matheus abaixa a frente da cueca boxer e deixa o seu pau saltar pra fora. É grosso, reto e está duro… Concluo sem demora e sem qualquer sombra de dúvida que ele, definitivamente, não é mais um menino…

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,07 de 15 votos)

# #
Comente e avalie para incentivar o autor

3 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Vitinhovipvp ID:81rf709hrci

    Excelente relato

  • Responder Dono do numero mas que não comentou. ID:81rdti1e8j8

    Venho atraves dessa dizer que tem pessoa se passando por mim e postando comentários em vários contos com meu numero de celular como esse de cima principalmente de gays e incestos portanto fica avisado que não sou eu e vou tentar entrar em contato com o administrador do site para tomar as providencias cabíveis.

  • Responder tio sacana ID:g3irzdxv0j

    TEm continuação