Ele Queria ser Corno Mesmo, mas foi uma delícia

Caros Amigos leitores, me chamo Fernando, tenho 33 anos, casado, claro, corpo atlético, extrovertido, porém sigiloso, e respeito muito os vontades dos outros.
Mas desde de novo sempre ficava excitado em pegar gatas com namorados, noivas e casadas, e foi assim em minha juventude, cheguei até em publicar anúncios em revistas de sexo, sem falar nas inúmeras namoradas de amigos que comi, mas na grande maioria eles não sabiam, ou seja, não eram cornos assumidos, rsrs.
Quando comecei fazer faculdade em Florianópolis comecei novamente e conhecer gatas, amigos e por ai vai, mas sempre na minha, discreto e por estar casado.
Mas quando pintava aquelas confraternizações de sexta feira as coisas mudavam, sempre a turma ia para um barzinho diferente e em uma destas sextas não sei porque eu e um amigo decidimos ir para outro lado da cidade, cada um foi com seu carro, pois morávamos em localidades distintas.
Chegando num barzinho muito aconchegante, música ao vivo percebi que Bruno não estava se sentindo bem, enfim, pegamos uma mesinha, tomamos uma cervejinha e alguns aperitivos e o lugar começou a encher de pessoas, muitas pessoas bonitas, perto de nossa mesa sentou um casal onde a gata era uma delícia, ele grisalho, beirando seus 50 anos pra cima, bem apessoado tipo executivo e ela uma gata cabelos castanhos claros, olhos verdes, corpo bem definido, não passando de seus 25 anos ( o qual descobri mais tarde 24).
Sentaram e não estavam conversando muito, nesse meio tempo Ricardo vem do banheiro pálido, e diz, Nando, tenho que ir, estou mau, até vomitei, então ele foi, mas resolvi ficar mais um tempo no local, pois aquela gata merecia ser observada, sem falar, cheirada, chupada, fudida e gozada sem dúvida.
Pra minha surpresa os dois começaram a olhar para mesa que eu estava e a cochichar ai pensei, não, o velho Nando vai ter que atacar novamente, meu pau deu um sinal.
Com o passar dos minutos tive certeza, o Coroa foi ao banheiro e passou me dando a mão e falando que me conhecia de algum lugar, se eu era representante, pois ele era dono de uma empresa de pisos e já deveria ter me visto por lá (historia pra boi dormir), ai quando foi ao banheiro ela deu umas duas risadinhas e não tive dúvidas, ele quer ser corno hoje, quando o marido Roberto volta do banheiro me convida para sentar com eles e eu aceito é claro, já com o pau duro, quando chego à mesa deles ela olha direto pra minha cintura antes de me dar a mão, sentei, ele me apresenta ela, nome de Letícia, casados, aliança e tudo, ela super simpática, um amor de pessoa além de meiga e muito tesuda.
Papo vai, papo vem, percebo que ele esta dando muita bebida a ela e ela, que aceita e vai no embalo, até que em determinado momento ela vai ao banheiro e com todas as letras me pergunta: o que você achou da minha esposinha linda, respondi na tampa, olha seu Roberto, ele é meiga, simpática e desculpe falar, é um tesão, me perdoe;
ele retruca, sem problema, eu sei, somos casados à quatro anos e amo ela.
Ela demorou um pouquinho pra voltar e nisso ele emenda, Fernando vc pode achar estranho mas tenho muito tesão em ver ela com outro, mas ela não se sente muito a vontade, é de família e até duvida que a amo as vezes, falo sobre isso em nossas transas mas ela ainda não acostumou com a ideia, até compramos um pinto de borracha pra simularmos, e vejo que ela se solta bem, e fica toda tesuda, mas com alguém de verdade ela nuca quis, e como percebi que ela se sentiu bem com você estou te falando, por favor não se assuste.
Hehehe, trouxe o chapeuzinho pro lobo mau, em momento algum falei pra ele de minhas experiências há tempos atrás e disse a ele pra me deixar sozinho com ela uns 10 minutinhos, nisso ela estava voltando e não deu 1 minutos ele saiu para atender o telefone.
Letícia era muito humilde, daquela mulheres que casou com cara rico e acertou na loteria, nada contra, cada um sabe de sua vida, mas os dois eram gente boas, então sozinho com ela comecei conhecer ela de verdade, quando ele saiu peguei pela mão dela e a levei pra uma dança rápida, a mão suada e percebi que depois que abracei ela os peitinhos ficaram duros, não tive outra saída, encostei bem meu pau nela, e ela o não foi para trás, ficou paradinha, ai voltamos para mesa e falei pra ela que o Roberto era muito gente fina, ela riu e disse até demais, ai fui bem perto dela e lasquei um beijo, que boca gostosa ela tinha, nisso Roberto chegou e viu, mas fez de conta que não viu, e ela toda sem jeito falou: vamos para algum outro lugar? Roberto topou na hora, pagamos a conta e saímos.
Chegando ao estacionamento ele falou que o melhor lugar que poderíamos ir para bater mais um papo era a casa deles, ai ficaríamos mais a vontade (papo sei,rsrs), antes de entrar no carro deles uma caminhonete luxuosa, convidei Letícia para ir no banco de trás, afinal não teria mais volta, ele ia ser corno como sempre desejou, e ela topou, neste momento ela estava com um ar já diferente, e perguntou a ele, posso meu amor? E ele respondeu, pode sim, mas se comporte e começou a rir.
Não deu outra, quando ela sentou atrás em poucos minutos lhe dei um beijo molhado e meu pau totalmente duro como pedra e ela procurando ele acariciando ele a todo momento por cima da calça, a menina se soltou mesmo, em pouco tempo abri a calça e coloquei meu pau pra fora, ela olhou e foi até entre os bancos e falou para o Roberto, vou chupar e te fazer corno, ele até respirou fundo, ela veio com toda meiguice e abocanhou meu cacete com vontade, chupou quase uma 30 segundos e Roberto já com o retrovisor adequado para que pudesse ver sua esposinha que nunca tinha chupado um pau diferente, agora se deliciando no meu cacete, e pergunta a ela, tá gostando amor, ela para de chupar e diz, é um maior que o seu e mais grosso, tá muito duro, to adorando, era literalmente um brinquedo novo para uma criancinha, e ela chupava muito gostoso.
Não me contive e deitei ela naquele banco grande de couro e confortável abri suas perninhas torneadas e chupei muito a bucetinha dela, nisso passado quase meia hora chegamos num condomínio muito lindo, nos recompomos e fomos pelo elevador, porém como não dava pra negar um tesão louco, olhei para a calça de Roberto e o coroa com o pau também duro.
Chegamos no apartamento deles e fui direto pra cima de Letícia no sofá mesmo, pensa numa bocetinha molhada, quando cheguei lá e calcinha ensopada, o maridão sentou em outro sofá e ficou vendo, socando uma punheta, ela começou a chupar meu cacete dinovo e olhava pro marido, tirou toda roupinha e falou assim pra ele, vou sentar nesse pau gostoso e agora a corneada estará completa, sentou gostoso(claro depois da camisinha) e depois que meu pau se acomodou todo dentro de sua bucetinha cavalgou forte e gozou três vezes quase chorando de tesão, vou dizer a vcs, me contive para não me gozar todo com os gemidos da Letícia, e o corno na punheta e tomando um drink.
Ai pensei, já que esta consolidado, vamos ver até onde ele quer ser corno, pedi para ela ficar de quarto bem pertinho dele e ela foi, falei a ele, você é um cara de sorte, que delícia é a Letícia, parabéns, ai perguntei a ele: queis abrir a bucetinha dela pra mim meter? ele disse que sim, antes dele abrir ela falou, abre corninho a minha bucetinha para ele meter na minha xerequinha apertada!! E assim Roberto fez, abriu e soquei, ela adorou, teve momentos que tirava o pau todo e colocava novamente, ela ficava rebolando sem pau na bucetinha de tanto tesão que estava, em uma dessas meu pau quase entrou no cuzinho dela, ai o Roberto ficou com olho brilhando e falou, come ela atrás, ela é acostumada, ai fui saber que antes deles casarem durante o namoro, Letícia casou virgem, mas dava só o cuzinho, não deu outra, comi seu rabinho ali mesmo, com ajuda do maridinho, que inclusive perguntou se podia colocar meu pau na entradinha, deixei, ele pegou meu pau e Letícia falou, tu queis ser corno total já na primeira vez, então vem mete esse pau no meu cuzinho, e foi o que eu fiz, entrou fácil, e ela apertava aquele cuzinho de um jeito louco, que domínio ela tinha, fodi com gosto e por pouco não gozei.
Ai Roberto diz a Letícia, lembra daquele pau que vimos no site aquele dia? , ela falou lembro!! , ele disse: vamos usar??? Ai pensei, pronto, tem mais alguém no apartamento e fiquei receoso, mas imediatamente ela falou, vc comprou??? Ele disse sim !!, era surpresa, mas no Fernando já vi que podemos confiar, então ele volta do quarto com um pau de Borracha de uns 30 centímetros e bem grosso, ai pensei, o que eles estão pensando, mas ai Roberto (o corno do ano) conta que ela adoraria levar um pau gigante de verdade, (não esses mentirosos de contos que não são reais) na Bucetinha, pois no cú ela já estava acostumada, então entrei na brincadeira, ela se posicionou bem confortavelmente e ele foi colocando aquele colosso na bucetinha dela com muito gel, enquanto dei meu cacete pra ela ir chupando, que visão deliciosa, nisso ele se goza todo, sem tocar no pau, goza em cima da perna dela.
Letícia neste momento geme gostosamente e ele soca mais da metade daquele monstro nela, ela goza mais algumas vezes e aí não teve jeito, gozei muito na boca dela, ela muito satisfeita, olha pro marido e diz, como foi bom meu corninho e foi beija-lo, mesmo com gosto de porra na boca, ele disse que ela tinha realizado um sonho e foi tão bom quanto ele esperava.
Depois disso tomamos um banho e ele me levou devota ao bar para eu buscar meu carro, no caminho me disse que estavam se mudando para Fortaleza, mas que quando voltassem queriam repetir a doze, e foi o que aconteceu, já duas vezes, ficamos inclusive amigos e trocamos mensagens de vez em quando, e por lá já tiveram mais duas experiências, uma boa e outra ruim.
Quem gostou desta história real pode entrar em contato no [email protected] para quem sabe realizar as suas fantasias, espero encontrar pessoas sinceras, discretas e sigilosas afim de realizarem seus desejos com muito sexo mas acima de tudo respeito.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 1 votos)
Loading...