Pagando o Celular

Tenho 42 anos, sou casado e tenho uma filha de 15 anos, minha filha tem uma amiguinha de 16 anos. Minha filha agora não tem namorado, mas sua amiga tem, acho que as duas não são mais virgens pela intimidade com seus namorados. As duas vivem de segredinhos e cochichos pelos cantos, noto que quando chego perto elas mudam de assunto, me finjo de desentendido pra ver se elas deixam escapar alguma coisa, mas nada. Vou chama-la a amiga da minha filha de P, o celulares das duas estão sempre bombando, não mexo no telefone da minha filha com medo de achar alguma coisa que não devo. Volta e meia uma dorme na casa da outra, descobri que é só pra disfarçar, pros pais pensarem que estão uma na casa da outra e elas estarem em baladas, que tem todos os fins de semanas. Descobri quando depois de se despedirem de nós,na sexta-feira, alegando irem pra casa de P, para dormir, vi elas entrarem numa casa, junto com muitas pessoas mais ou menos da mesma idade, em seguida chegou 3 rapazes com bebidas, onde me assustei com o que poderia acontecer no alto da madrugada, após ter visto esta cena e não ter mais visto as meninas, fui em bora. No domingo as 17:00 horas a minha filha chegou em casa, comecei com as perguntas, como foi o fim de semana ? o que fizeram ? se minha filha não tinha incomodado muito os pais de P ? Ela disse que tinha sido muito bom, a não ser que P tinha perdido o celular e que estava muito triste, pois seus pais no momento não tinham condições de comprar outro pra ela. Na noite seguinte P foi na minha casa para fofocar com minha filha, esta vez do banheiro ouvi o que queria ouvir, muito aborrecida P dizia que não era ninguém sem o seu celular. Foi quando ela disse que faria qualquer coisa para conseguir outro telefone, as duas riram e minha filha perguntou, qualquer coisa mesmo ? mais risos e ela disse: tudo não, quase tudo. Minha filha muito curiosa perguntou o que ela faria então ? me prostituir até comprar outro celular, sei que foi brincando, mas meu pau ficou duro na hora, e a imaginação a mil. P e minha filha eram muito gostosinhas pela idade delas, e imagino os garotos babando atrás delas naquela balada, depois de ter ouvido aquela confissão, tive que bolar um plano pra dar um celular pra coitadinha. Estava no pátio quando P chegou e minha filha estava no banho e fiquei conversando com P até minha filha chegar, ela me contou toda a história do celular e como ela estava sem ele, e que ia ficar muito tempo sem porque seus pais agora não podiam comprar, disse que pena, uma garota da sua idade não podia ficar sem celular, ela só respondeu: nem me fale, não quero nem pensar, já pensei em fazer umas bobagens pra ter o celular, coloquei meu jornal em cima do pau pra elas não notar que ela tinha me deixado exitado, falei que tudo ia ser resolvido que não esquentasse a cabeça. Ela disse que não via nenhuma solução, já faz 2 semanas que estava sem e sem nenhuma pespectiva, nem seu namorado tinha condição de comprar e isto estava deixando ela muito pra baixo, perguntei, este celular devia ser muito importante pra te deixar assim, e ela disse: e como. Minha filha chegou e as duas foram pra casa de P. No outro dia as duas estavam na minha casa para dormir e puxei assunto do celular, minha filha respondeu antes, tenho medo dela que disse que ia fazer o impossível pra conseguir outro celular, perguntei que tipo de impossível ela faria ? elas riram e P disse que era coisa de menina, que eu não entenderia, vi que estavam desconversando e foram rindo e cochichando pro quarto, lá dentro escutei P dizer que se tivesse alguém disposto a pagar ela transaria, minha filha perguntou se ela estava brincando ? e P disse que não, que não podia ficar mais nenhum dia sem, a ideia de ficar com ela peladinha pra mim não saia mais da minha cabeça. Quando tivesse a primeira oportunidade de ficar com ela sozinho ia dar meu bote. No sábado seguinte minha mulher e minha filha foram comprar um tênis pra minha filha, e P chegou umas 9:30 e eu a recebi muito bem como sempre, ela disse que ia esperar elas chegarem, queria ser o padrinho dela, mas como fazer a pergunta crucial pra ela, comecei perguntando por seu namorado, que fazia tempo que não via, ela me disse que estava a fim de largá-lo, pois não tinha condição nem de dar um celular pra ela, que ia procurar um mais bonzinho que ele. Sentados no sofá eu comecei o meu ataque, disse a ela que gostava dela como filha (mentirinha), e sem querer (mentirinha) tinha ouvido a conversa delas, onde ela disse que faria qualquer coisa pra ganhar outro celular e que de repente um podia ajudar o outro, ela me disse: não vejo como eu poderia lhe ajudar ? Eu disse que depois que ouvi tu dizer que faria qualquer coisa, disse que daria o celular a ela se ela me fizesse um favorzinho de nada, se tu me desse tua bundinha eu ia comprar um celular pra ti. Ela se levantou assustada e disse que isto nunca ia acontecer, peguei em sua mão e pedindo calma fiz ela sentar novamente. Disse que seria um segredo entre nós e que não ia ser tão sacrificoso assim, ela me disse que seria sim, pois nunca tinha dado a bunda. Pedi que pensasse bem e me desse a resposta outro dia. Ela resolveu ir em bora sem esperar ela retornarem do centro. Fiquei com medo de ela contar pra minha filha e a minha esposa também ficar sabendo e tudo ir por água a baixo. Agora já tinha feito a cagada, e só tinha que esperar pelo pior, dois dias depois P apareceu em casa e quando ficamos a sós ela me disse que toparia a atender meu desejo com algumas condições, disse que podia dizer as condições. A condição maior era ela escolher o celular, respondi que podia escolher, então estava combinado, me passou o modelo e eu podia comprar. Fui numa loja e vi o modelo que ela queria, sorte minha que não era o mais caro e mais moderno, perguntei ao vendedor como poderia fazer, ele disse que até em 10x pelo preço a vista. Me encontrei com ela num shopping e disse que tinha visto o telefone e que compraria com uma condição também, iniciei valorizando o celular, que era caro e ela sabia e como ela me pagaria então se o celular ia ser pago em 10x, ela disse que daria a bundinha pra pagar o celular e eu disse que deveria ser no mesmo numero de vezes da compra do celular, ela disse que assim não, ai eu fui mais ousado, podia perder aquela bundinha mas disse: que se ela queria o celular tinha que ser 1ox também. Depois de ficar pensativa por alguns segundos, disse tudo bem, e quando ela ganharia seu premio ? Disse que na metade do pagamento, ela disse pra eu confiar nela, que pagaria a conta em dia, com medo de perder aquela bundinha virgem, aceitei a proposta dela e marcamos o encontro. Levei-a a um motel bem afastado e nus ela me pediu muita calma e carinho porque era virgem, respondi que sim, porque também era virgem, ela riu e disse que como eu era virgem se era casado e tinha filha, disse que também nunca tinha comido um cuzinho antes. Beijei ela muito, passei a mão em todo seu corpo, dei um trato de língua na sua bucetinha, deixando ela sedenta pra ser comida, fui para meu alvo, o cuzinho, ela repetindo muito pra ir com cuidado, lubrifiquei bem e alisei muito a entradinha e coloquei um dedo pra dentro, chupei mais um pouco a bucetinha e agora estava colocando dois dedos, parece que tinha experiência, encostei na entradinha e forcei até entrar a cabecinha, ela colocou a mão pra trás pra não entrar de uma só vez, perguntei se doía, ela me respondeu, só um pouquinho, fui até o pau sumir, deixei lá dentro um pouco e fiz um vai e vem bem suave, ela pediu mais lubrificante e retomei de onde tinha parado, com movimentos mais rápidos, com a mão direita na buceta e acelerando mais, gozei dentro daquela bundinha fofinha. Foi o primeiro pagamento, no carro pedi pra ela pegar meu óculos no porta-luvas e quando abriu viu o celular, me beijou na boca e disse que não acreditava que já estava de telefone, também disse que estava tão agradecida poderia pagar de novo agora mesmo, parei o carro e ai foi minha vez de dar um beijo demorado de língua nela. Toda a semana ela fazia seu pagamento, disse que assim mesmo tinha que ser em 10 meses. No terceiro mês ela já tinha cumprido com suas obrigações. Comi seu cuzinho e bucetinha por mais de 3 anos, ela me confessou que minha filha tinha incentivado a eu dar minha bundinha, sem que ela soubesse pra quem. Contou nossas transas com detalhes para minha filha e também disse que minha filha queria um padrinho como eu, só nunca consegui que ela chupasse meu pau, ofereci outros presentes mas nada de boquete. Foi um tempo muito bom, estava me apaixonando por P, dividia ela com seu namorado que também passou a comer seu cuzinho, me confessou que tinha mês que seu namorado comia só o cuzinho e eu era que tinha que comer o cuzinho e a bucetinha dela. Depois seus pais se mudaram para outra cidade e não nos vimos mais, também fiquei viciado. Minha filha me contou que P estava morando com o padrinho dela, na cidade que foram morar, só eu entendi quem era o padrinho dela.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 2 votos)
Loading...