Mãe do amigo

Enviado… A mãe do meu amigo tinha 43 anos e separada, tinha o corpo normal de uma mulher com aquela idade, eu e meu amigo tínhamos 16 anos, éramos muito amigos e sempre juntos. Chama sua mãe de tia B, ela sempre beijava seu filho na boca ao cumprimenta-lo. Um certo dia ela beijou ele e reparou o meu espanto com o fato e me disse q não tinha problema de beijar seu filho. Um dia ela disse q podia beijar até eu e beijou, fiquei vermelho de vergonha, não sei bem se era de vergonha do amigo ou de beijar a primeira mulher. Com sua experiência ela percebeu q nunca tinha beijado alguém, q confirmei. Os dias iam passando e sempre ela nos beijava, até q um dia a irmã mais nova dela estava fazendo um visita e viu ela beijar os dois e falou espantada, o q é isso ? Somente um beijinho nas crianças ela disse, e a visita disse q eles já não são tão crianças assim, e fomos pro quarto do meu amigo, passou um tempinho e tive q ir ao banheiro e pela janela ouvi q ainda conversavam sobre o beijo, e a irmã com 26 anos e mais sapeca disse: já pensou se ele ficar de pau duro com o beijo, era de mim q falavam, a tia disse pra ela não ser tão depravada, e se ele ficar o q ela ia fazer ? tu ia ser obrigada a aliviar o menino de alguma forma, e riram, nem q seja um boquete e a tia disse: cala a boca q eles podem ouvir. E eu no banheiro ouvi bem claramente e os batimentos aceleraram, e sai do banheiro sem dar descarga pra não fazer barulho. Resolvemos ir pra rua, e na cozinha as duas resolveram nos beijar, primeiro ele e depois eu, quando beijei a irmã da tia ela me disse q não podia ficar de pau duro com o beijo, e saímos rindo e eu já estava vermelho de novo. Numa sexta-feira fui procurar meu amigo, a mãe dele abriu a porta e fez eu entrar e me deu um beijo, disse q ele tinha ido passar o fim de semana com seu pai, até ai tudo bem, começou um assunto de namorada, se eu ainda era virgem, com vergonha disse q sim, se já tinha beijado alguma menina, disse q nunca tinha namorado, e o q eu achava de ela me beijar, disse q era o jeito dela demostrar carinho. Só não podia ficar de “pauzinho” duro, porque não tinha nada a ver, era só uma brincadeirinha, eu entendi. Quando eu ia ir em bora ela perguntou como estava meu pau, disse q normal, ela olhou pra baixo e me beijou, sem eu perceber deu uma tocadinha no meu pau, q deu uma pequena endurecida, e ela disse pra me segurar, e respondi pra ela não tocar q não ia me controlar. Me afastei e o pau deu uma mexida de excitação, ela disse rindo: me respeita taradinho e veio me dar mais um beijo pra ir em bora, e o pau tomou vida própria e subiu e encostou nela, ela ficou mais tempo no beijo e segurou meu pau, agora já duro. Parou com o beijo se afastou e sem parar de segurar meu pau completamente duro, eu imóvel e ela muito rápida tirou meu pau pra fora pra ver. Perguntou se podia segurar nele, disse q sim, e ela tirou a cabeça pra fora e pediu segredo, só disse: ta. Me promete de não comentar com ninguém, q só ia ganhar com isso, ela disse q era bem grandinho e com movimentos de punheta ela deixou duríssimo, quando pensei q ela faria eu gozar na punheta, ela colocou na boca me dando outro susto, mas estava bom e ela não largava, avisei q estava prestes a gozar e q era pra ela tirar da boca q não estava mais aguentando, ouvindo isso ela se dedicou mais ainda, fechei os olhos e soltei todo o gozo acumulado de dias sem punheta, ela chupou tudo e só soltou quando tinha certeza q não havia nenhuma gotinha, se levantou e perguntou o q tinha achado, disse q foi maravilhoso, ela riu e disse q então faríamos de novo outro dia, q logo concordei e ela pediu novamente sigilo. Ela me disse q sua irmã tinha incentivado a fazer um boquete em mim, pois tinha certeza q eu iria gostar muito e q ela estava algum tempo sem ter homem nenhum, q um ajudaria o outro e quando quisesse era só aparecer e não poderia contar nem pra sua irmã, pois até ela não ia contar. Nem precisa dizer q fui todo o fim de semana, sábado fui duas vezes e domingo também, bati punheta só um dia pra aguentar o fim de semana, até nos encontrar escondido nas quartas-feiras, inclusive no meu pátio q tem um grande jardim com muita sombra e discrição e um banco q mudei de lugar para ser menos visto da rua. Quando ela me chamava em casa e minha mãe atendia ela perguntava se seu filho não estava na minha casa, eu já saia rápido para atende-la no banquinho. Um dia na casa dela pedi pra ser chupado acariciando suas tetas e ela colocou um peito pra fora, foi bom demais. Uma noite quente no meu pátio consegui q ela tirasse a camisetinha deixando os dois peitinhhos a mostra. Mantemos nosso segredo até eu me mudar e ficar afastado uns dois meses, e ficar chateado de ir procurar meu amigo, q tinha arrumado uma namorada e estava difícil de ficarmos juntos e esta foi a minha primeira experiência sexual, tive q voltar a punheta mas já não tinha mais graça. comecei a procurar mulheres de programa para relembrar das chupetinhas dela.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,00 de 2 votos)
Loading...