A crente chorou mas acabou gozando

Meu nome é Adriano, tenho 38 anos, sou casado com Andréia a 10 anos, temos 2 filhos maravilhosos.
Meu relato começa quando muda-se vizinho a nossa casa uma familia de evangélicos, José com seus 33 anos e Rebeca 22, cordialmente os ajudamos a se alojar dando-lhes as boas vindas.
Eles eram casados a 2 anos e não tinham filhos, Andréia e Rebeca aos poucos foram se tornando amigas e depois de conversarmos com seu Marido, Rebeca começou a trabalhar como empregada em nossa casa para ajudar a Andréia.
Rebeca era uma morena clara, cabelos longos, sempre usava uma saia que ia até seu tornozelo, camisas abotoadas até o pescoço, magra, seios pequenos, por varias vezes me peguei a olha-la imaginando como era seu corpo debaixo de tanta roupa, sua timidez a deixava ainda mais sedutora.
Meu tesão por Rebeca ficou mais forte quando conversando com Andréia em nossa cama ela confidenciou algumas intimidades dos nossos vizinhos, Rebeca desabafou com ela que sua vida sexual era muito ruim, José foi seu primeiro e único homem, só faziam sexo em uma única posição (papai e mamãe), no escuro, ele jamais chupou sua buceta(têrmo esse usado por Andréia enquanto me contava) e só faziam sexo quando ela não estava mais ovulando para evitar filhos, aquelas confidências fizeram aumentar meu desejo em possuir aquela jovem e carente mulher.
As oportunidades eram escassas, até que surgiu uma forma de comer aquela doçura, era perfeito, enquanto deixei Andréia no Supermercado, levei Rebeca para fazer uma faxina na casa de nossa chácara.
Durante todo o percurso ela permaneceu calada e eu planejando como a abordaria, chegando, fui lhe mostrando todos os cômodos, chegando a nosso quarto, resolvi atacar, era tudo ou nada, quando virou-se de frente a mim, agarrei-a e dei-lhe um beijo na boca, ela se debatia empurrando meu corpo, seus lábios carnudos lutavam contra os meus, empurrei-a sobre a cama jogando meu corpo contra o dela imobilizando-a:
—Por Deus Sr. Ricardo…pare…por favor…eu não posso!!!Ela suplicou quase que aos prantos.
Não dei-lhe tempo e com autoridade e decisão me dirigi a ela:
***Cale a boca…vou te ensinar a ser mulher…sua gostosa!!!
Com muita dificuldade comecei a desabotoar o primeiro botão próximo a seu pescoço, ela tentava me empurrar, mas eu estava decidido a faze-la gozar, afastaei seu sutien e comecei a chupar seus seios, ela começou a gritar por socorro, tinha que de alguma forma domina-la e com forte tapa em seu rosto a fiz calar, apenas choramingava baixinho e ficou sem ação, aproveitei para agir com mais rapidez, desprendi o enorme cinto que segurava sua saia e a arranquei, vestia uma calcinha bêge, suas coxas grossas eram belissimas, fiquei dominado por extrema beleza, ela começou novamente a debater-se, ameacei-a novamente e deixei-a nua, sua buceta era pequena e precisando com alguns pentelhos, segurei seus braços e fui descendo a boca beijando sua barriga e cheguei até seu túnel, estava quente e úmido com um pequeno odor de urina que me deixou louco de tesão, meu pau parecia estourar dentro da calça, ela não abria as pernas dificultando chupar sua buceta.
—Eu não posso…por favor…!! Chorava e me pedia com fervor.
Coloquei meu pau para fôra e fiquei pincelando em sua buceta, ela permanecia com as pernas fechadas, deitei sobre ela e beijei seu pescoço, enfiei a lingua dentro de sua orelha, percebi entre suas súplicas um pequeno gemido, estava começando a desarma-la:
***Abre as pernas para mim…abre…você vai gostar…dá sua bucetinha pra mim…dá…!
—Isso não pode acontecer…sou casada…é pecado!!!
Tapei sua boca novamente com um beijo e com as pernas enroscadas nas suas comecei a forçar para que as abrisse, consegui me alojar entre suas pernas, mas ela se negava em abri-las, com extrema dificuldade coloquei meu pau entre seus lábios vaginais e forcei, senti o meladinho de sua buceta na cabeça de meu pau, sua rtespiração era forte dentro de minha boca, aos poucos ela foi perdendo as forças quando sentiu a ponta de meu pau invadir sua bucetinha, percebeu que não tinha como brigar mais, novamente um beijo em seu pescoço e instintivamente suas pernas abriram, meu cacete duro como rocha deslizou suave naquela gruta apertada indo até o fundo.
—Pelo Amor de Deus….pare Sr Adriano….aiiiiiiiii…que gostosooooo…!!!
Comecei a socar minha vara com força dentro de sua buceta, ela rebolava e chorava de prazer que estava lhe dando, sua voz foi ficando rouca delatando o que estava sentindo:
***Estou gozandooooooo….que gostosooooo…tô gozandooooo…Aiiiiiiii!!!
Ela estava tendo o primeiro orgasmo de sua vida, sua buceta apertava meu pau, enquanto eu empurrava cada vez com mais força dentro dela até não aguentar mais:
—Gostosaaaaaa…meu tesão…você é meu tesão…..!!!
Comecei a derramar milhões de espermatozóides dentro de sua buceta, ela continuou rebolabdo até que saisse a última gôta, sai de dentro dela e deixei-a ali deitada sobre a cama com as pernas e os braços abertos.
Enquanto tomava uma ducha senti ela abraçar-me pelas costas beijando meu ombro, virei e beijei sua boca, fui até seu ouvido e sussurrei:
—Você já chupou um pau…querida!!!
O que aconteceu depois acho que não preciso nem relatar não é, enchi a boca dela de esperma, ela não gostou muito do sabor mas engoliu tudo….
Depois dawuela ocasião fiz da crentinha minha putinha particular e estou a algum tempo tentando convencer Andréia a colocar mais alguém em nossa cama e o dia que conseguir ela será a primeira da fila.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 1 votos)
Loading...