Eu, mãe evangélica, não resisti e deixei meu filho me comer

Bom, sou novata em escrever contos, pois devidos aos últimos ocorridos na minha vida, muitas aventuras sexuais, algumas consideradas um tabu por nossa sociedade.
Por recomendação de meu psicólogo, para que eu me sinta menos culpada pelos meus desejos, vou relatar à vocês ocorreu a algum tempo, para que vocês entendam melhor, vou explicar toda a minha situação. Sou mãe solteira, tenho 37 anos, sem falsas modéstias, sou considerada uma mulher muito bonita para minha idade, já fui modelo de passarela na minha adolescência e ainda trabalho na área (porém não desfilo mais, apenas na administração de carreiras). Na minha juventude, eu era muito saidinha, rsrsrsrsrs, devido a esse fato, engravidei com apenas 17 anos. Tenho dois filhos, um casal, Paulo (19) e Natália (17). Já fui evangélica, após ganhar meus dois filhos, eu e meu marido entramos para a comunidade evangélica, meu marido infelizmente faleceu a 5 anos.

A partir destes detalhes, vou contar esta pequena história da minha vida. Bom, vamos lá então, meu nome é Mel, sou ruiva natural, pele bem branquinha, tenho 1,76 m, 56 kg, olhos verdes, 83 cm de busto e uma bunda bem malhada, bem redondinha. Sempre pratiquei muitos esportes devido a minha profissão. Indo ao ponto, 2 anos após a morte de meu marido, eu ainda era evangélica, e desde seu falecimento eu não transava, nem pensava no assunto, pois eu sempre fui muito devota. Já tinha perdido todo o meu pudor da adolescência, e usava aquelas roupas cafonas, comuns entre nós evangélicas.
Nessa época, eu estava com meus 34 aninhos, meu filho ainda era virgem, e estava com seus hormônios a flor da pele devido sua idade. Sempre encontrava revistas pornográficas em seu quarto, assim como históricos de pornografias em seu computador. Nunca me importei muito, achava errado, mas não me intrometia, pois ele estava na idade disso e sei que homens nessa idade costumam ser assim.
Até que, certo dia cheguei mais cedo do trabalho, sempre tive muita intimidade com meus filhos, porém neste dia, ao chegar em casa, ouvi que o chuveiro estava ligado, era meu filho que estava no banho para ir para aula, portanto fui avisá-lo que estava em casa, ao abrir a porta do banheiro me deparei com uma cena que então mudou minha vida, vi meu filho se masturbando, levei um susto ao ver aquele lindo pau de 18 cm em suas mãos, e para minha surpresa ele estava se masturbando, pensando em mim, sua própria mãe, pois ele não me ouviu abrir a porta e no exato momento disse.
– Isso mãe, senta nesse pau.
Na hora, eu disse – O que é isso Paulo?? Fechei a porta, e então saí do banheiro. O coitado nem teve tempo de se explicar. Eu não sabia o que pensar, estava muito brava, e ao mesmo tempo, morrendo de excitação, não sabia o que fazer mesmo. Logicamente, deixei por isso mesmo, não toquei mais no assunto, e Paulo, mesmo que com muita vergonha de mim após o ocorrido, também não me dirigiu uma palavra sobre o ocorrido.
Algumas semanas se passaram desde então, e eu não tirava aquela imagem e aquelas palavras da minha cabeça, eu me encharcava só de lembrar de ele dizer “Isso mãe, senta nesse pau” após 2 anos da morte do meu marido, eu me masturbei, eu era praticamente virgem de novo, me masturbem muito e pensava no pau do meu filho. Eu me sentia extremamente culpada, achava terrível ter tesão pelo meu próprio filho. Então fui perdendo as estribeiras do meu pudor, fui me tornando aquela garotinha safada que eu era na adolescência, uma ninfomaníaca. Certo dia, eu estava fazendo comida, meus filhos estavam em casa, e ao mexer na fruteira vi uma banana, não resisti à idéia de pegar aquela banana e imaginá-la sendo o pau de meu querido Filho, descasquei-a comecei a chupar, gostoso, enfiava até a garganta e socava ainda mais. Em minha mente, imaginava aquela rola do Paulo no lugar, então tirei minha calcinha de lado, pois estava de saia, então comecei a roçá-la em meu grelinho, nossa que tesão indescritível, minhas pernas bambeavam, então fui enfiando, bem de vagar, senti um pouquinho de dor, pois não estava mais acostumada, mas enfiei até o fundo, cheguei a gemer alto, na hora, perdi a força nas pernas e caí sentada na cadeira, soquei muito fundo, e no melhor momento, escutei alguém chegando à cozinha então apenas me cobri com a saia, continuei sentada e deixei a banana inteirinha lá dentro. Era Paulo, vindo perguntar o que teríamos para o almoço, respondi com a voz totalmente trêmula, então ele se dirigiu a geladeira e ao eu tentar me arrumar na cadeira a banana fez uma movimento que me deixou louca, somado a aquela situação, muito da proibida, não resisti, comecei a ter um orgasmo, enquanto meu filho estava de costas para mim, sem camisa, e mexendo na geladeira, gozei, gozei muito e incrivelmente consegui não fazer um barulhinho sequer, mas em compensação derramei muita porra na minha saia. Meu filho não percebeu e saiu da cozinha, ao tirar a banana da minha xaxinha uau, muita porra caiu, eu nunca tinha visto tanto porra feminina, tive que trocar de roupa, pois fiquei completamente suja de porra pelas pernas, inclusive, tomei um banho. A tarde fui a igreja rezar para tentar me livrar dos demônios.
Após isso, fui perdendo ainda mais a razão. Em um almoço, na casa de minha mãe, com todos meus irmãos, pois ela tinha chego de viagem. Eu estava louca de tesão naquele dia, para me ajudar bebi algumas taças de vinho no almoço. Nesse dia, minha mãe havia me dado um bikini, pois estava chegando o verão e nós temos casa em Florianópolis, mas moramos em Curitiba. Na hora me veio à cabeça, “vou tentar seduzir meu filho”. Assim que meu filho entrou no banheiro, pedi para me deixar entrar também, pois queria provar o bikini, ele logicamente deixou, mas foi na inocência mesmo. Então pedi que ele esperasse eu me trocar, pois eu queria a sua opinião. O bikini logicamente que não tinha nada de excitante, pois foi minha mãe que me deu, mas eu ia dar um jeito em deixá-lo louco por mim. Então ergui minha saia e tirei apenas minha calcinha, que era um fiozinho aquele dia, dei para meu filho segurar, na hora ele arregalou os olhos ao ver minha calcinha, então para provocá-lo ainda mais, me sentei no vaso para por a parte de baixo do bikini, então abri minhas pernas na frente dele, deixei-o ver minha bucetinha rosinha, que estava toda meladinha, na hora, que olhei para ele, vi que ele estava de pau duro, sorri, e fiquei ainda mais molhada por ver meu filho me desejando de novo. Então coloquei todo meu bikini, tirei toda minha roupa e fiquei só com o bikini, nisso esqueci de trancar a porta, e minha filha Natalia entrou no banheiro, me assustei na hora, mas minha filha nada percebeu, como estávamos apenas nós ali, ela pediu para fazer xixi, eu disse
– Claro filha, enquanto isso eu vou vestir minha roupa novamente.
E naquele momento fiz a coisa mais ousada da minha vida. Tirei o bikini e fiquei completamente nua, nisso Natalia falou em um tom de brincadeira, “- Que corpão em mãe”. Então eu disse, “- Obrigado Nat, e vc Paulo, gostou?”. Ele não sabia o que fazer, apenas disse sim, mas parecia q o garoto ia explodir. Então fiz questão de derrubar minha calcinha no chão, virei minha bunda para ele e me abaixei para pegar sem dobrar meus joelhos, ou seja, arregalei meu cuzinho na cara do Paulo. Na hora, ele gemeu e então, sua calça molhou toda. Fiz meu filho gozar, sem mesmo encostar nele. Natalia não percebeu nada e saio do banheiro.
Então eu disse, – O que houve meu querido?
– Não sei mãe, respondeu Paulo.
– Filho, tire suas calças temos que limpar isso.
Paulo não sabia o que fazer, até me deu um pouco de dózinha dele, pois tadinho, imagina o que se passava na cabeça dele. Ele relutou um pouco em tirar a calça, até q seu pau amoleceu, então ele tirou, tranquei a porta discretamente, baixei a tampa e sentei-o no vaso. Eu ainda estava pelada, então me ajoelhei em sua frente e fui baixando sua cueca, aquilo estava totalmente melecado de porra, tinha gozo escorrendo por suas pernas até, fingi inocência na hora para confortá-lo e comecei a limpar com uma toalha, na verdade o que eu queria mesmo, era lamber aquilo tudo, e tomar toda aquele porra quentinha. Continuei a limpeza, então peguei seu pau em minha mão, ele tremia as pernas, então eu disse.
– Tenho que limpar embaixo também.
Paulo fechou seus olhos, pois deveria estar com muito tesão, então ele encostou a cabeça para trás, vi que seu pau começou a crescer novamente, então aproveitei q ele estava distraído e enfiei aquele pinto em minha boca, na hora ele se assustou e olhou para mim. Eu olhei em seus olhos, com uma cara de puta, como tem um espelho bem da frente do vaso fiquei de 4 chupando ele e me abri bem, pois assim ele via minha xana e meu cuzinho pelo espelho, então ele começou a gemer muito comecei a engolir aqueles 18 cm de pau, ia até La dentro da garganta, quando seu pau estava lá no fundo eu apertava a garganta, chupei muito, com muita vontade, igual vagabunda mesmo. Então ele gozou, muito, muito mesmo, encheu minha garganta e boca, mas eu não deixei cair uma gota, engoli tudo. Nós nos vestimos novamente voltamos para a sala e fingimos que nada tinha ocorrido, nem sequer falarmos sobre isso em casa depois. A noite me bateu um arrependimento gigantesco, porém agora eu já tinha feito, e ia até o fim. Pensei comigo mesmo, esse garoto vai comer meu cuzinho rosa!
Duas semanas depois, fomos fazer uma visita na obra de nossa futura casa, ela estava na metade, com todas as paredes levantadas, porém sem nada de acabamento, fomos apenas fazer uma visita de como estava ficando. Aquele dia eu estava para o crime, tinha me depilado inteiramente um dia antes, estava lisinha. Vesti minha roupa de evangélica como de costume, mas fui sem calcinha e sem sutiã. Chegando lá, naquele terreno com nossa casa e nós totalmente sozinhos, o tesão tomou conta, ansiedade tbm. Após termos andado um pouco pela casa, fomos aonde seria o quarto de Paulo, lá eu disse.
-Aqui será seu quarto Paulo, aqui você comerá muitas garotas, fará muitas gozarem.
Ele se assustou com minhas palavras, mas disse. – Se elas forem 1% do que você é mãe, eu não preciso de mais nada em minha vida.
Na hora fiquei louca, louca de tesão e lógico não ia perder essa deixa, então disse.
– Quem sabe, vai ser aqui que eu vou sentar nesse pau, não é??
Paulo respondeu – Seria a melhor coisa.
Então fui pra cima dele, comecei a beijá-lo com muita vontade, abri suas calças e comecei a chupá-lo engoli aquele pau, inteiro, fiz garganta profunda mesmo, foi demais, ele ficou louco de tesão, então fiquei de quatro em sua frente, ergui minha saia e disse.
– Eu já vim pronta, coloque a camisinha e me coma aqui mesmo seu cachorro.
Então ele veio com tudo, enfiou o pau na minha xota, ardeu na hora, mas ele começou a socar que nem louco, quase me matou de dor e tesão, me fez de prostituta mesmo, então ele continuou, socou, socou, bombou o pau até as bolas na minha xota, e me puxava com força pela cintura. Nossa que sensação incrível, de estar contra todas as regras, sentindo o maior prazer da minha vida, e sendo tratada que nem uma vagabunda pelo meu próprio filho, então perdi a noção da realidade, tinha um pedaço de cabo de vassoura no chão, de uns 15 cm, então peguei-o e entreguei para Paulo e disse.
– Pegue esse cabo de vassoura seu cachorro e enfie-o em meu cúzinho enquanto vc come minha xota, ele se assustou e ficou sem jeito, então eu disse. – Anda, enfia logo, pq quero me acostumar para que vc possa comê-lo depois.
Então coloquei uma camisinha no cabo e entreguei a ele, ele colocou de vagar, nossa ardeu e doeu de mais, eu estava virgem no cuzinho novamente, mas me recompus, ele colocou uns 10 cm dentro de mim e ficou socando o pau na minha xota, sem para, nossa eu estava explodindo de tesão, então Paulo me pegou no colo, me colocou em cima de uma mesa, ficou em pé na minha frente, me deitou e socou assim mesmo no meu pobre Cuzinho, na hora eu cheguei a chorar de dor, mas ele não se importou, e continuou a socar no meu cú, sem parar, e então eu gozei, tive o orgasmo mais longo e mais gostoso da minha vida, juro, foi a primeira vez que eu espirrei porra em alguém, molhei toda a barriga de Paulo, eu praticamente desmaiei, não tinha mais coordenação fiquei perdida, quando me dei conta, Paulo já estava com o pau na minha boca, pronto para gozar, e gozou, na minha cara toda foi quando ele disse.
-Nossa mãe, essa é a melhor visão do mundo, ver vc, ruivinha, com esses incríveis olhos verdes e com essa cara toda lambuzada, toda desnorteada me olhando nos olhos com essa cara de puta.
Nos limpamos e nos recompomos, fiquei bamba e doída por uma semana, larguei o evangelismo e a partir desse dia, muitas coisas aconteceram em minha, espero pode contar o máximo deles, caso vocês tenham interesse em mais histórias minhas deixem msg aqui mesmo que mais para frente eu descrevo minhas outras histórias.
Esta foi minha história, espero que tenham gostado, beijos.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 3 votos)
Loading...