Drica Arrombada pelo Colega de Classe

Como sabem, na faculdade você tem que entregar o TCC. O meu trabalho foi sobre uma Fábrica em Jundiaí, o filho do dono, Flávio, era da minha classe o que facilitava bastante. Porém no último bimestre o Flávio começou a dificultar e falava: “O que eu vou ganhar te ajudando?”, ou “Não vai me “dar” nada em troca?”…
Enfim combinamos de ir na 5ª! Falei par meu marido ir junto, mas o Corno disse que não podia. Então na 5ª o Flávio me pegou e fomos para Jundiaí. Para não ter problemas fui bem simples, calça, camiseta e tênis. Chegando na Fábrica foi tudo tranquilo, usei a sala do Flávio para escrever o trabalho e fazer as entrevistas. Perto do meio dia, Flávio me convidou para almoçar num restaurante chique do Shopping.
Chegando lá ele me deu seu cartão de crédito e disse para eu comprar um vestido para poder entrar no restaurante. Confesso que me senti “Uma Linda Mulher”, mas disse que não era preciso, poderíamos ir num lugar mais simples! Ele insistiu e disse ser um presente por atrasar meu TCC, e reforçou: “Vestidinho Branco de Malha Coladinho e uma Sandália de Salto”.
Como toda mulher gosta de fazer compras, comprei exatamente o que ele escolheu e fui para o restaurante. Ele já estava sentado com uma champagne aberta. O ambiente era muito gostoso e tomamos a garrafa inteira! Foi então na hora de fazer o pedido veio a bomba: O Flávio falou “Quero que você vá no banheiro, tire o soutien e passe esse gelo nos seios e volte aqui com o biquinho bem durinho aparecendo embaixo do vestido!”
Eu disse que não faria aquilo, “O que ele estava pensando?”, que ele estava sendo muito cafajeste… Então ele disse que eu podia dar adeus ao TCC pois ninguém na fábrica iria assinar o trabalho. Como eu precisava do trabalho, fiz o que ele mandou, voltei com os bicos durinhos aparecendo por baixo do vestido branco. Ele me deu um beijo e beliscou meus biquinhos.
Chegou a salada, com a caipirinha de morango, depois o veio “Pato com Laranja” com vinho branco, e quando eu ia pedir a sobremesa, outra bomba! O Flávio disse “agora você vai tirar a calcinha aqui e me dar por baixo da mesa”. Desta vez eu nem falei nada, estava com muito bebinha para resistir! Dei umas contorcidas, tirei a calcinha branca (a da foto!) e lhe entreguei.
Comemos a sobremesa, ele pagou a conta e fomos para o carro. Chegando lá, o Flávio abriu a porta de trás e disse para eu me debruçar no banco que ele ia me comer ali mesmo! Tentei bater nele, me desvencilhar, mas não consegui! Ele me virou, colocou o pau para fora e começou a meter a pica na minha bocetinha, que já estava molhada com as sacanagens do restaurante!
Eu falava que iria contar ao meu marido, mas ele dizia que sabia que eu dava para metade da classe e que meu marido era Corno mesmo, e que era para eu ficar quietinha! O filho da puta meteu sem dó, no meio do estacionamento do shopping, ainda bem que ninguém viu! Eu já tinha gozado quando ele jorrou sua porra dentro de mim e me mandou colocar a calcinha.
No caminho de volta o Flávio entrou num prédio e disse que iríamos subir para ele comer meu cuzinho! Que era um sonho antigo dele! Tentei bater nele de novo, Xingava-o de tarado, filho da puta, cafajeste, mas ele me lembrava que não ia ter TCC! Que eu era a maior puta da faculdade, que corneava o marido com todo mundo e que iria fazer tudo o que ele manda-se!
Entramos no flat, que mais parecia quarto de motel, com cama redonda, espelho, barra para poli dance… Ele me mandou beber whisky de uma vez e ir dançar no cano e fazer um strip tease. Obedeci! Comecei a dançar, rebolar e tirar o vestido. Quando estava só de calcinha e sandália ele mandou eu chupar seu pau, e não é que o pau dele era bonitinho! Liguei pro Corno escutar a sacanagem e fiz um boquete caprichado até quase ele gozar!
Então o Flávio amarrou minha mão numa corda que vinha do teto, espalhou óleo pelo meu corpo e disse que era hora de me enrrabar! Ele colocou a pica na entrada do meu cuzinho e mandou eu rebolar até agasalhar seu pau inteiro. Também me obrigou a falar sacanagens “Me come!”, “Eu sou sua puta!”, “Gosto de foder com você!”, “Sou vagabunda!”, “Gosto de por chifre no meu marido!”, “Põe no meu cuzinho!”, “Mete com força!”, “Goza na minha cara!”.
O Flávio devolvia, “Sua Puta!”, “É só comprar um presente e você já abre as pernas!”, “Vagabunda!”, “Safada!”. Gozei com aquele pau no meu cuzinho e o ele gozou no meu rego e espalhou porra pela minha bunda toda e foi tomar banho, me deixando amarrada no poste. Quando voltou todo arrumado, mandou eu me vestir, sem me lavar! para chegar em casa toda gozada, com cheiro de sexo!
Na viajem me obrigou a chupar sua pica na frente do pedágio, gozou na minha boca e mandou engolir! Cheguei em casa toda melada e mandei o Corno me chupar! Ele obedeceu quietinho! Ele gosta de me ver assim toda arrombada!
Beijos
Drica
dricacha

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 2,00 de 1 votos)
Loading...