Minha primeira transa com o cachorro

Olá, meu nome é Priscila, tenho 15 anos e estou enviando este email para compartilhar com vocês a experiência que tive pela primeira vez aos 14. Sou de família pobre, moro em Volta Redonda, RJ, sou mulatinha, 1,70 de altura e me considero muito bonita de corpo. Tudo começou em um dia quente, o mês eu não me lembro direito, acho que era outubro. Pois bem, era um dia de calor e eu estava sozinha em casa, por volta das 7:00 da noite. Estava encalorada e com um tesão que brotava pelos poros. Ficava vagando pela casa pensando nas maiores safadezas e me imaginando sendo fodida de verdade. Como estava sozinha e minha irmã só ia chegar lá pelas 10:00, resolvi tirar a roupa e ficar só de calcinha e sutiã, era uma delícia sentir o vento passando e refrescando meu corpo tesudo. Fui até a cozinha e sentei-me na soleira da porta dos fundos, onde ninguém poderia me ver. Lá sentada, comecei a bolinar minha bocetinha marrom que já estava toda suada e meio meladinha de tesão. Estava delicioso, e eu iria gozar logo, mas, para minha surpresa, notei que meu cachorro, um vira-lata chamado Black aproximava-se abanando seu rabo, querendo brincar. Tentei enxota-lo, mas, quando ele chegou perto acho que sentiu o cheiro da minha bocetinha e veio mais perto ainda fungando na minha mão molhada de tesão e depois na calcinha que vestia. Achei curioso e excitante aquilo que acontecia, e, movida por curiosidade e tesão,puxei a calcinha de lado mostrando minha xoxotinha para o esperto cachorro. Juro que foi a sensação mais gostosa que já senti quando ele me tocou com aquela língua áspera e quente, e me lambeu toda, me fazendo estremecer e quase desmaiar com uma onda de calor que invadiu meu corpo, e que quase me fez gozar. Pensei em me recompor e tomar uma atitude, mas o tesão e a curiosidade me forçava a ver até onde o cachorro iria com aquela sacanagem toda. Depois de me lamber por alguns instantes, o safado começou a me rodear e então trepou na minha perna, fazendo movimentos, como se estivesse tentando transar com uma cadela. Só então eu me dei conta do que ele estava tentando fazer, mas ao invés de sentir repulsa, me deu mais tesão ainda quando vi que seu pênis estava quase todo para fora. Ele estava tentando me comer, mas daquele jeito não conseguiria acertar minha vagina nunca, foi então que, como se estivesse possuída, virei de quatro com a bundinha empinada e a buceta bem a mostra. Senti sua língua novamente e em um outro instante seu corpo peludo estava sobre o meu, eu podia ouvir o seu arfar cansado no meu pescoço. Comecei a sentir seu pênis cutucando a beirada da minha xoxotinha, cada vez mais perto, espirrando um liquido quente. De repente, numa estocada rápida, seu pênis me penetrou de uma vez só, tão forte que senti seu nó me roçando por dentro, fazendo força para entrar mais, num misto de dor e prazer enorme. O cachorro se travou imediatamente, me agarrou pela cintura, me apertou e começou a fazer um frenético movimento de vai vem. Aquela situação me deixava ao mesmo tempo com medo e com tesão, minha buceta babava, e em poucos segundos gozei intensamente, soltando um gemido que ecoou pela cozinha inteira. Meus braços perderam as forças e eu desmoronei no chão somente com a bunda empinada, onde o cão também acabara de cessar seus movimentos, eu ainda podia sentir a pulsação forte de seu pênis enterrado em minha vagina e o liquido que escorria abundante. Ficamos grudados assim por uns cinco minutos, quando ele começou a fazer força para se soltar, destrepou de mim ficando do meu lado e arrancou tudo de uma vez só, fazendo um sonoro FLÓP. O pênis do safado era enorme, devia Ter uns 17 cm de comprimento. Nunca me imaginei levando uma vara deste comprimento, mas hoje em dia transo frequentemente com o Black.

Se você curte as mesmas transas que eu, corresponda-se comigo pelo email: scila.dog@bol.com.br

Enviado por: Priscila Peixoto <scila.dog@bol.com.br>

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 1 votos)
Loading...