, ,

ESTUPRADA POR UM MONSTRO

25-09-13 6 ★ 5.00

Quando estava no colégio havia um rapaz que lhe apelidavam de “monstro”, definitivamente era muito feio, moreno, enorme para sua idade, pensei que por esses motivos lhe colocaram o apelido citado, porém conforme corriam as fofocas era principalmente por seus atributos sexuais, os meninos diziam que ele tinha um membro enorme e que inclusive, uma prostituta não havia querido ter relações com ele, pois dizia que ele a tinha “muito grande”…nenhuma de minhas amigas comprovou a veracidade dos feitos narrados, sendo que naquela época não nos interessavamos tanto a questão sexual e no máximo com um tipo tão feio como o “monstro”.
Passaram-se 25 anos, evidentemente minha vida se alterou, entrei para faculdade de medicina depois me especializando em psiquiatria e em diversas matérias relacionadas com psicologia, transtornos da personalidade, vicios, depressão, rupturas matrimoniais.
Atualmente tenho um consultório e me dedico a atender profissionalmente a pessoas que tem algum dos padecimentos antes citados ou passam por uma crise emocional depressiva.
Fazem uns quatro meses um amigo solicitou uma consulta comigo chamado Carlos Peres, eu não o identifiquei de inicio, porém quando entrou em meu consultório e se apresentou ante mim, percebi ser o tal “monstro”…recordamos os velhos tempos, perguntou sobre mim e lhe disse que estava felizmente casada, com uma familia de três filhos, ao contrário ele não podia dizer o mesmo sobre sua vida, relatou sua história familiar, havia se casado e seu matrimônio havia sido muito bonito, até que seu pai faleceu e os negócios familiares faliram, como trabalhava com seu pai, foi obrigado a buscar um outro emprego sem encontra-lo, sua mulher, uma alta executiva de um banco, o menosprezava, não haviam tido filhos porque sua espôsa temia que atrapalhasse sua carreira profissional.
Tudo isso levou a um divórcio anunciado, Carlos (o monstro) havia caido em uma depressão profunda, sem emprego fixo e sem meios econômicos para seguir em frente, se dedicou ao alcool…um amigo seu aconselhou a buscar ajuda profissional e se informando chegou até mim…lhe dei palavras de ajuda emocional, não era um caso grave e nem perdido, tinha em suas mãos os elementos para seguir em frente, só precisava um pouco de apoio muita tenacidade e força.
A terapia avançava dia após dias, sua situação econômica melhorou e com ajuda de meu marido lhe conseguimos um emprego instável, com o tempo em suas consultas começamos a falar sobre coisas mais intimas, disse que tinha para mais de um ano que não tinha relações sexuais, conheceu algumas mulheres mas que não havia rolado nada.
Não posso negar , ele ali em minha frente, voltaram a minha memôria a lenda sobre o “monstro” ?seria verdade?…Carlos se conservava muito bem fisicamente, talvez pela tensão ele não engordara e apesar de ser robusto, tinha um pouco de barriga caracteristico de todos os quarentões.
Os dias passavam e em minha mente se fixava uma idêia ?que mulher não sonha em ter relações com um homem muito bem dotado?…nunca em meus 13 anos de matrimônio havia sequer pensado em outro homem, porém essa idêia de algo verdadeiramente fora do normal perturbava meus pensamentos ?e se a lenda fosse real?…bem, tinha que pelo menos tentar descobrir.
Meu marido viajou para uma convenção, assim que dispunha de mais tempo para mim…Carlos tinha sua consulta na sexta feira ao meio-dia e terminado esta, decidimos almoçar juntos, enquanto comiamos tranquilamente, voltei a lhe perguntar sobre sua vida sexual, Carlos como pressentindo algo, me disse:
_Ainda não rolou nada, mas estou quase estourando!!!
Apenas sorri…minha cabeça começou a pensar sobre minha situação…terminando, Carlos me deixaria em meu consultório, porém decidi atacar e lhe disse que gostaria de conhecer onde morava…uma vez que chegamos, me ofereceu uma bebida e me senti muito relaxada, ficamos a conversar na sala, até que de novo chegamos ao tema sexual e lhe perguntei expressamente sobre as lendas do tempo do colégio e Carlos me sorriu confirmando tudo…lhe perguntei sobre o caso da prostituta ?seria verdade? ele novamente sorriu me respondendo ?quer comprovar? eu também sorri e acenei que sim com a cabeça.
Carlos abaixou sua calça e se aproximou de mim para que fizesse o mesmo com sua cueca e !que surprêsa! efetivamente, Carlos tinha o pênis mais grande que havia visto em minha vida, pendia flácido uns 18 cms., era muito grosso e sua cabeça estava coberta pelo prepucio e parecia uma bola de golf e pensei ?se assim estava em estado de repouso, como estaria em estado de excitação?..toquei naquela coisa grossa que em seguida começou a dar sinal de vida…Carlos em tom de piada me disse “e dai o que achou? olhei para ele com cara de assombro !é imenso!
Carlos se sentou junto a mim e sussurrou em meu ouvido ?não gostaria de provar? confusa se aceitava ou não sua proposta e assombrada lhe disse que sim, porém lhe adverti “que fizesse com cuidado”…Carlos foi até seu quarto e regressou com um pacote de preservativos, lubrificante e uma camera fotográfica…quando vi, lhe disse que isso não, que não queria fotos e ele me tranquilizou dizendo que as fotos eram todas para mim.
Carlos se despiu completamente, começou a tocar meus peitos e lentamente lamber meus mamilos, que nesse momento já estavam tesos…meteu sua mão em minha tanga, seus dedos tocaram minha vulva começando a lubrificar-se por si só…ele me beijou, lentamente me deitou no sofá e abri minhas pernas deixando ver a inxada fruta que desejava ser penetrada…se sentou junto a mim e de imediato começou a tocar minha vagina e enfiar um de seus dedos nela, enquanto com sua boca mamava meus mamilos duros como pedra.
Carlos começou a chupar minha raxa dando tremendas lambidas fazendo eu me retorcer de prazer, sua lingua alcançou meu clitoris e com seus dentes o mordia me fazendo gritar e uivar…depois sua boca recolhia todos meus lábios vaginais, enquanto dois de seus dedos entravam e saiam de minha úmida vagina…o “monstro” estava solto e com grande força, lambia e mordia meu clitoris, sentia sua barba arranhar minha virilha..eu me arqueava de tanto prazer, até que terminei em um orgasmo indescritivel.
Acabei desfalecida no sofá me refazendo do orgasmo explosivo que tive e Carlos em pé na minha frente deixando-me ver seu enorme caralho ainda semi ereto, com a cabeça avermelhada semi descoberta…se aproximou de mim me dando para provar aquele manjar, o peguei entre minhas mãos e lenta e cuidadosamente comecei a chupar aquele imenso pau, primeiro o lambi em todo seu contorno até o fazer ficar completamente ereto, depois coloquei toda cabeça em minha boca, a chupava e movia a lingua ao redor dela, a acariciava com meus lábios enquanto a molhava de saliva…depois meti em minha boca até que a ponta encostasse na garganta! que pica maravilhosa, tão grossa, tão dura, tinha um sabor salgado irresistivel!!
Sentia como aquele instrumento pulsava em minha boca e também, como Carlos segurava minha cabeça com as mãos para comandar a operação…mais tarde, desci até seus ovos !que ovos! era enormes e inchados, lotados de porra, meti em minha boca, succionei e brinquei com seus pentelhos que cobriam seu escroto.
Depois de lamber suas coxas, regressei até seu pau para meter novamente em minha boca, era como um sorvete que eu não queria que se acabasse jamais…enquanto mamava, segurava seus ovos e os apertava, sua glande encostava em minhas amigdalas e Carlos só gemia.
De repente segurou minha cabeça e afastou de seu pau dizendo…”estou quase gozando” “não importa…deixa eu engolir” disse eu…ele sorriu “então deixa eu gozar em sua cara”…ele se levantou e pegou seu colossal cacete na mãso, me pediu que deitasse no sofá, eu podia ver aquele pauzão prozimo de meu rosto e aqueles ovos inchados se movimentando enquanto ele se masturbava e justo depois de uns 20 segundos ‘!yaaaaaaaaaaaaa, yaaa!!…!!!grrrr!!! enquanto sua porra caia sobre mim, meus cabelos, minha boca, nariz olhos, foram de 8 a 10 esporradas fortes…
sentia a cara melada de leite quente e ao não sentir mais os disparos, abri os olhos para apreciar justo frente a miha frente seu pau com a cabeça grossa e vermelha com algumas gotas saindo de seu orificio…Carlos deu uma gargalhada e disse para não me mover e com a camera fotográfica tirou uma foto de meu rosto lavado de porra…enquanto Carlos se divertia, me levantei e fui até o banheiro para lavar a cara.
Depois de uns cinco minutos retornei á sala e apreciei Carlos completamente nu deitado no sofá, sua ferramenta estava em estado de repouso…enquanto namoravamos mais um pouco voltei a ver seu pauzão despertar, Carlos agora me disse que queria provar minha buceta, me inclinei em sua frente e fiquei de lado, nessa posição, começou a tocar em minha vagina e pegou opote de lubrificante e colocou um pouco, senti uma sensação estranha pois meu corpo estava quente e o lubrificante muito frio…logo com um de seus dedos esparramou e introduziu em minha buceta, que por si já estava bem melada, seus dedos tocaram no fundo e ela foi se dilatando,,,Carlos metia um dedo…depois dois …e depois de dedear-me uns minutos, ele colocou um preservativo em seu enorme e grosso caralho e despejo lubrificante e disse ” agora senta no meu pau que quero ver ela entrar todinha”!!!
Me aproximei a ele e me sentei pouco a pouco até sentir a ponta de sua glande contra a abertura de minha buceta enquanto ele me segurava pela cintura me puxando para baixo…nesse momento percebi como sua cabeça grossa entrava dentro de mim, gritei de dôr, era muito grossa para minha pequena vagina…me movi um pouco e repeti a ação…minha buceta agora se acostumava com o invasor, sentia como me rasgava em duas , meu corpo se estremeceu quando senti que Carlos empurrou mais um pouco, ele se movia lentamente, até que minha vagina deu abrigo a todo seu enorme caralho, sentia aquela coisa dura até o umbigo, estava tocando o mais profundo de minhas entranhas, minha vagina estava muito lubrificada.
Então, Carlos me abraçou com força e começo a mover-se lentamente e pouco a pouco foi apressando seus movimentos, a dôr passou a ser prazer, eu relaxei meu corpo e gozar naquele pau duro…Carlos entrava e saia enquanto com seus lábios mordia meus mamilos e depois de uns minutos de estar naquela posição, Carlos parou seus movimentos e mudamos de posição, me deitei no sofá enquanto Carlos se ajoelhou no piso, levantou minhas pernas e meteu lentamente tudo para dentro.
O feito de estar em minha frente com os olhos fechados e respirando acelerado, me dizia que estava gostando da penetração, ele fazia devagar e depois se apressava, depois parava completamente dizendo em meu ouvido que não queria gozar…sentia um tremendo ardor em minha vagina e enquanto apertava os musculos vaginais em seu pau ele investia com violência, !estava tragando todo seu instrumento! então ele começou a meter com extrema violência…furiosamente… “ahhhhh…uhhh…grrrrr…shhhhh!!!’, senti então como Carlos chegou a seu orgasmo, aquela imensa coisa grossa e dura pulsava nas paredes de minha buceta e estufava o preservativo de porra, seus movimentos não cessavam enquanto ele só gemia forte, senti que seu duro Pênis começava a perder suas forças dentro de mim, minha vagina estava toda aberta e satisfeita plenamente, Carlos se aproximou de mim e tirei seu preservativo lotado de seu leite e seu caralho começando a se enfraquecer totalmente melado da gozada que havia terminado de dar, nos abraçamos totalmente cansados e suidos, porém querendo mais…bem mais…
Depois de descansar um tempo e tomar um banho relaxante, regressei a sala, onde Carlos me esperava…Carlos me conduziu até seu quarto, nos abraçamos em sua cama e Carlos foi sincero em dizer que jamais havia gozado tão gostoso em toda sua vida, eu o abracei também e percebi seu pênis novamente querendo se assanhar.
Não resisti e me inclinei para saborear aquele caralho com minha boca e comecei a mamar como uma desesperada, enquanto minhas mãos acariciavam sua bunda, ele colocou suas mãos sobre meu ombro e deixou eu realizar meu trabalho…enquanto eu estava concentrada, senti suas mãos deslizarem em minhas costas e chegar até minhas nádegas, a abriram e aquele dedo grosso e duro tocou meu cuzinho virgem…deixei de mamar e retruquei em bom tom !nananinanão… ai não… ele sorriu e disse ?porque não? com sinceridade lhe disse que nunca havia feito por ali e me parecia algo sujo…!!!se é tua primeira vez vou fazer com extremo cuidado e carinho!!!
Eu insistia que não e muito menos que ele que era um aleijado, porém Carlos foi firme em sua idêia e disse ” vamos combinar assim,se não gostar, se doer, nós paramos” ele me assegurou que faria com paciência e educação, depois de pensar por um minuto, decidi provar…Carlos me ajeitou na cama e começou a chupar minha buceta, meus lábios vaginais e meu clitoris, sua lingua devagar chegou até meu ânus e o beijou e chupou de forma muito lenta e cuidadosa, sentia como sua lingua percorria todas minhas pregas, a sensação era indiscritivel e era algo que nunca homem nenhum fez em mim.
Um de seus dedos cheio de lubrificante começou a circundar meu cu para devagar fazer com que ele se abrisse, assim que, deixei que o prazer me inundasse, senti como meu corpo se relaxava, em especial meu cu sentindo um dedo entrando e saindo, a sensação era boa…depois dois dedos abriam caminho dilatando meu esfincter e eu ficando cada vez mais quente…ele me abraçou e acariciava meu corpo todo, porém sempre com atenção especial em meu cu…de repente, Carlos se levantou, estava muito excitado pois a dureza de sua pica o delatava, começou a beijar todo meu corpo, eu me entreguei por completa, me mordia os mamilos, me apertava, me beijava, eu só tocava sua pica grossa e nesse momento temi pela dôr que seguramente me causaria um pau dessa grossura dentro de meu cu.
Me ajeitou na cama, de quatro com a bunda empinada, começou a tocar em meu ânus com o dedo introduzindo mais lubrificante, depois me pedia que abrisse minhas nádegas com as mãos e me mostrasse seu cuzinho aberto e relaxasse, olhando pelos vãos de minhas pernas pude ver ele despejando todo o pote de vaselina em seu enorme caralho grosso, mas agora não colocou camisinha, com certeza queria sentir o momento das preguinhas se desprendendo de meu cu…ele estava enorme e muito duro…
Se ajeitou atrás de mim, colocou a cabeçorra no olhinho, empurrou devagar e recuou, voltou a empurrar, sentia como se fosse um punho que estivesse ali prestes a invadir meu cu, percebi que fazer aquilo não era uma boa idêia, mas era tarde, segui ali, em posição, toda arreganhada e com a bunda empinada, esperando, sentindo aquela coisa dura e melada tentando me invadir, meu esfincter lutava bravamente…devagar começou a entrar em mim, comecei a chorar e gemer, estava me rasgando, me ardia, meu cu estava se abrindo como nunca antes e gritei desesperada…!!!aiiiiiii.aiiiiiiiiii!!!…Carlos se deteve e sem tirar de dentro me disse!!!ta doendo!!! !!!simmmmm!!!!!!espera um corpo que seu corpo vai acostumar!!!sentia as lágrimas escorrerem por meu rosto, deslizou suas mãos até meus mamilos duros e os apertou fortemente, o prazer me distraiu um pouco pelo que sentia em meu cu, porém só por um momento.
Desprezando minhas suplicas pelop desconforto das fortes dores, enquanto ouvia os gemidos de dor, continuava empurrando, agora com autoridade, aquela serpente grossa deslizava arregaçando as paredes de meu reto, por fim, depois de quase desmaiar de tanta dor, senti que seu pênis entrou por completo e seus ovos tocaram minhas nádegas, não podia acreditar, levei minha mão até minha bunda e senti a raiz de seu caralho todo clavado em meu cu, toca-la fez meu corpo reagir e ouvindo sua voz fez meu corpo acender o tesão???tá doendo princesinha??????tá doendo???suas palavras sonaram como zombaria, porém a realidade era que ali estava eu, totalmente entupida e gemendo como uma puta safada.
Começou a entrar e sair, sentia como que meus intestinos saiam de meu cu e depois regressavam, comecei a sentir além de muita dôr um incrivel prazer, era diferente, me sentia cheia…ele seguia metendo e metendo e agora com muita violência, eu gritava de prazer, suas estocadas fortes faziam como que eu sentisse que meu cu iria se romper, ele suava muito e dentro do quarto havia um odor de sexo que me excitava mais.
Carlos sacou seu instrumento de meu cu para mudar de posição, senti um alivio instantâneo, pude apreciar seu enorme pau em toda sua plenitude de ereção, todo melado e na cabeça estava mesclado com um pouco de minhas fezes…definitivamente Carlos estava poenetrando no mais profundo de meus intestinos…se deitou sobre a cama e pediu para eu me sentar…me sentei sentindo aquela anaconda grossa deslizar suavemente até o fundo novamente, foi um prazer absoluto, sentia aquela coisa comprida palpitar dentro de meuestômago e seus ovos tocavam a entrada de meu cu, estava sendo enrabada por um monstro…nesse momento meu cu apertava e mordia toda a extensão de seu imenso caralho e senti meu cu aberto , todo arreganhado…
Carlos fez com que eu me deitasse sobre seu torax e com as mãos levantou minhas pernas para permitir que eu visse pelo espelho o espetáculo, meu cu atolada por seu imenso cacete, meus gritos e gemidos estava na ordem do dia, sentia que meu cu ia explodir, senti um grau de ardor em meu ânus e gritei “aaaaaaaaaaaaaaaaaaa” que gostosooooooo!!! Carlos aumentou as investidas e sentia como seu enorme animal entrava e saia de meu cu…se movia tão forte…tão forte…que pensei que iriamos cair da cama e em fração de segundos Carlos começou a gritar, me apertava contra seu corpo e senti a força de sua esporrada dentro de meu cu, seu colossal pau se inflamou ainda mais e esguichava porra dentro de minhas tripas “”aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa””””Carlos suspirou fortemente e ficou agarrado a mim por alguns minutos…depois lentamente sacou aquela jibóia de dentro de mim,!!!!PLOPPPP!!! senti como entrava ar dentro do enorme buraco que ficou meu cu…
Me deu um tapa em minha bunda “pronto …agora já está batizada!!! e saiu do quarto indo até o banheiro…me deitei sobre a cama…exausta…coloquei minha mão em minha bunda e com o dedo na abertura de meu cu e senti como pouco a pouco ele regressava a seu estado de normalidade…fiquei ali por um bom tempo, rendida, plena, satisfeita…comida…..

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 2 votos)

, ,

6 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Remi

    Senssacional!! Parabens!!!

  2. Safada

    Meu deu um tesão dando o cu para monstro

  3. Anônimo

    Fiquei excitadíssima! Adoro “monstros

  4. J

    to com vontade de conhecer o monstro
    tambem

  5. safadinha

    ke delicia me imagino numa transa dessa…meu sonho

    • safadinha

      vem fazer tudo isso comigo vem