Perdi minha virgindade com um coroa

Quando novinha, eu era uma gordinha simpática, morava num bairro pobre
e populoso da extrema periferia e, embora inexperiente, eu era muito
fogosa, tinha uma vontade de dar terrível. Os rapazes da minha idade
não pareciam muito interessados, preferiam-me como amiga, o que me
frustrava um pouco. Mas o meu problema acabou quando um dia um coroa
solitário que consertava automóveis velhos numa pequena oficina lá no
bairro, parecendo enxergar em mim muito mais do que uma gorduchinha
simpática, ao me ver passando, parou tudo o que estava fazendo e veio
para a porta da oficina me observar. Aquele, com certeza, não queria
ser meu amiguinho não. Tinha uns quarenta anos, era alto, braços
fortes, usava barba e me olhava descaradamente com cara de predador
faminto que acabara de descobrir uma presa e dizia para si mesmo: “ora,
ora, carne para o jantar”. Ele tinha anos luz de experiência à frente
dos rapazotes que eu cobiçava. Senti-me como se meu cio tivesse sido
descoberto, como se ele estivesse olhando dentro de mim e vendo toda a
vontade de dar que eu tinha. Inspirava ser safado e saber muito bem o
que fazer comigo. Na cabeça dele, já estava me comendo, eu podia
perceber pelo olhar. Assanhada, troquei olhares com ele, pensando: “Ai,
meu deus, será que eu dou conta?” E segui meu caminho, a partir dali,
toda molhada, sentindo calafrios me percorrerem o corpo e com as minhas
ancas gordas, parecendo terem ganhado vida própria, involuntariamente
arrebitadas, ansiosas por mãos grandes e fortes as controlando.

Por dois dias a cena daquele homem me desejando tão descaradamente, tão
convicto e determinado daquele jeito, não me saiu da cabeça e, apesar
de ter um pouco de medo de encarar um pica daquela idade, eu não pude
mais resistir e quis sentir de novo aquela sensação maravilhosa.
Aproveitei que era uma tarde quente de verão, coloquei a minha bermuda
de malha mais curta, que marcava bem as minhas formas e quase deixava
aparecer as polpas das minhas nádegas, e fui dar uma volta. Claro que
para o lado da oficina. Era lá que estava a graça do meu passeio. Eu
não costumava fazer isso, mas precisava desesperadamente mostrar minha
bunda para aquele homem. Eu sou rechonchuda e tudo em mim é farto, a
bunda, os peitos e as coxas e queria que ele me visse daquele jeito,
com o rego da bunda bem marcado, e mexesse comigo. Eu adorava quando
mexiam comigo, fazia cara de aborrecida, mas gostava.

Como quem não quer nada e sem pressa como se estivesse apenas
passeando, virei esquinas, subi ruas e desci ruas na direção da
oficina. Estava excitada com a idéia dele me ver daquele jeito e, ao
mesmo tempo, tensa, sem saber se teria coragem levar a cabo o meu plano
como o idealizara ao me vestir, que era passar bem nas fuças e ver ele
enlouquecer de vontade de me comer. A lembrança das muitas vezes que eu
sofrera sozinha, desesperada por um homem me possuindo, me ajudava a
manter a determinação de prosseguir. Eu precisava perder o medo ou ia
morrer virgem, eu pensava. E isso era tudo o que eu não queria, era uma
garota legal, mas também era mulher, e como era, só eu sabia a falta
que um pau me fazia em certas ocasiões, era torturante, não desejava
isso para minha pior inimiga. Sabia que se eu perdesse aquela
oportunidade, depois, quando novamente morrendo de tesão sozinha, ia me
lamentar e sentir raiva de mim mesma por isso. Certa vez um negão tinha
mexido comigo na rua: ele olhou para minha bunda admirado e disse
baixinho, só para eu ouvir: “haja rola, eim, fia”, massageando o volume
do cacete, cheio desejo por mim. E eu passei semanas com aquilo na
cabeça, em meus momentos de tesão, lamentando profundamente não ter
dado pelo menos um sorrisinho pra ele. Tinha vontade de bater a cabeça
na parede de tanta raiva por ser tão burra.

A uns 200 metros à minha frente avistei a oficina. Não havia ninguém na
porta, mas só aquela visão e o pensamento de que era ali que ele
estava, me deu um friozinho na barriga. Agora, mais que em qualquer
outro momento, a despeito de ter aumentado, tanto a minha excitação
quanto o meu nervosismo, era importante parecer natural. Tinha que
parecer acaso eu estar ali. Continuei devagar, olhando para todos os
lados, como que apreciando a arquitetura curiosa das casas e procurando
não pensar na oficina, em cuja porta eu passaria, “distraidamente”.
Quando estava bem perto, meu coração disparou. Ele surgiu na porta, sem
camisa, o peito cabeludo, os ombros largos e os braços fortes
completamente nus. Tinha pelos até na barriga. Eu pensei que fosse
desmaiar. Mas reuni todas as minhas forças e continuei, me esforçando
para parecer tranqüila e desinteressada. Ele, ao contrário, com cara de
quem tinha tido uma surpresa boa, imediatamente se pôs a me observar.
Certamente sabia que me atraía e mexeu comigo baixinho.

_ Ô, coisinha linda, sentiu saudades? Eu também tava morrendo de saudade de você, meu amor.

Eu sou risonha e não consegui não achar graça do cinismo dele. Era
engraçado um homem que poderia ser meu pai me paquerando. Era também
excitante e o fato de ele se lembrar de mim me deixou muito satisfeita
e foi co-responsável pelo meu sorriso encabulado. Mas ele, como falei
antes, era um homem feito e não estava interessado em fazer menina boba
sorrir, queria era a “coisinha” dela e não se desviou desse objetivo.

_ Coisinha boa! – Exclamou como se soubesse o meu sabor e levando a mão
ao volume da braguilha, nitidamente excitado – Entra aqui, meu bem, vem
tomar um cafezinho comigo, vem? – implorou, enquanto eu, já não vendo
mais nada à minha frente, passava bem diante dele.

Eu sabia bem o cafezinho que ele tinha pra mim.

“Delícia”, dito em tom de quem tem certeza do gosto e ligeiramente
ameaçador, foi a última coisa que ouvi atrás de mim, quando já saía da
calçada da oficina para pisar na da casa ao lado, com a certeza
absoluta de que ele estava olhando para minha bunda e a desejando. Eu
estava atarantada de tanto tesão, latejava tudo em mim, havia perdido
completamente o controle do meu corpo e me esforçava para leva-lo
adiante, me sentindo vitoriosa por ter feito o que eu fiz: passar bem
diante do nariz dele.

Mais adiante, vi o fim da rua, que não era longa. Eu ainda tremia. Não
sabia o que fazer. Mas sentia que tinha dado um passo importante. Me
sentia poderosa e excitada. A adrenalina era boa e me tentava a dar
outro passo, ainda maior. A vara curta que eu tinha cutucado a onça,
agora me parecia ser longa, queria uma ainda mais curta. E enquanto o
final da rua se aproximava, embalada pela adrenalina, eu me sentia
irresistivelmente tentada a repetir o feito e sentir mais daquele
friozinho na barriga, daquela sensação de me lançar na direção do
desconhecido, de correr um risco ainda maior de ser comida, e naquele
mesmo instante, sem deixar o sangue esfriar. Percebi que não ia ter
forças para parar o que havia começado e me afastar daquela rua,
enquanto não me ferrasse com o coroa, a idéia de voltar para casa, de
novo de mãos abanando, me parecia insuportável e estava cada vez mais
distante de mim. Aquela oficina velha me atraía terrivelmente. Ninguém
me conhecia naquela parte do bairro. A ruazinha era tranqüila. Tudo
parecia perfeito para uma transgressão. A tentação era demais. Tinha
sido tudo muito rápido para o meu gosto, eu queria mais.

Ao chegar ao final da rua, eu me sentia como se uma força estranha,
poderosa e invisível me paralisasse os músculos e os nervos para ir a
qualquer outro lugar, menos à oficina, e a porta dela, que eu agora
olhava lá do fim da rua, sem forças para abandonar, também me puxava
para si, como um buraco negro, cheio de mistérios a desvendar, um mundo
de experiências e sensações novas e deliciosas a sentir. Não, eu não
conseguia mais sair dali, estava presa naquele lugar, aquela porta de
oficina era a minha única saída, o único lugar do mundo que existia e
não havia outros para mim enquanto eu não passasse por lá. A única
forma de recuperar a minha liberdade e encontrar paz agora era entrando
ali, e eu não tinha escolha, nem mais tempo para adiar.

E me sentindo tão indefesa quanto um boi caminhando para o abate,
respirei fundo, como quem aceita seu destino resignada e aspira força e
coragem do ar, eu comecei a dar os primeiros passos de volta.

Meu destino estava traçado e não havia nada que eu pudesse fazer. O
jeito era me entregar. Caminhei de volta, tentando aparentar a mesma
tranqüilidade que eu tentara aparentar antes, mas com as entranhas em
alvoroço dentro do ventre e sabendo que eu jamais sairia dali a mesma.
Mas a intenção era essa, eu estava cansada de ser a mesma, tinha que
devorar um homem um dia e ia ser aquele.

Quando me aproximei da porta, ele pressentiu e se voltou para mim.

_ Voltou, meu amor?

Não havia mais nada a fazer e eu abri um sorriso para ele.

_ É, voltei. O senhor tem um copo d’água?

_ Claro, meu bem, tudo que você quiser – respondeu ele gentil e
gracioso, tentando não parecer surpreso. – Entre, moça, aí fora tá
muito quente, venha pra sombra.

Eu procurei não pensar para entrar, pois já tinha vindo decidida a
isso, e fingindo não saber que estava entrando numa ratoeira, sorri e
entrei, balbuciando um, “obrigada”. Afinal ele também sabia ser gentil,
embora não estivesse nem um pouco interessado nas minhas covinhas das
bochechas, mas nas outras mais escondidinhas. E demonstrou isso
claramente dando a volta por trás de mim, antes de me levar ao fundo da
oficina para beber água, e dando um assobiozinho de admiração, como
quem diz “uau”, ao conferir mais uma vez a fartura da minha bunda. Eu
fingi não perceber. Mas ele já sabia que ia me comer. Por que mais eu
teria voltado e entrado na oficina dele?

Num canto no fundo da oficina, que mal cabia um carro, ele me serviu
água num copo e, enquanto eu começava a tomar, sem perder tempo, ele
alegou que estava entrando muito sol na oficina e precisava abaixar um
pouco a porta. Com o copo nos lábios, bebendo a água lentamente, eu
ouvi o barulho da porta de aço correndo nos trilhos e em seguida o
baque dela batendo no chão. Ele havia decido a porta inteira e se
trancado comigo ali dentro. Estávamos agora separados do mundo lá fora.
Meu coração disparou e eu paralisei de expectativa. A ratoeira havia se
fechado. Não olhei para a porta, continuei exatamente como estava, com
o copo na boca. O tempo pareceu parar. Agora eu não escapava mais, nem
se quisesse. Sentia calafrios e que estava molhada entre as pernas. Ele
não se deu ao trabalho de explicar o que fez, talvez achasse que era
óbvio, apenas escorou de bunda na lateral do capô do único carro que
havia lá dentro e ficou me observando. O cheiro de tintas e graxa era
forte. Havia pedaços de carros por todos os lados. Sem me virar, pelo
canto dos olhos, percebi que ele estava gulosamente olhando para minha
bunda e massageando a braguilha. Parecia está só me esperando terminar
para me pegar. Mas eu não sabia o que fazer, por mim ficaria o resto da
vida tomando aquela água de frente para a parede. Não tinha coragem de
olhar para ele ou sequer de me mover. Mas ele não tinha medo de ser
feliz e, vendo que eu demorava e não me mexia, se aproximou.

_ Delícia! – disse mais uma vez, admirando minha bunda, cheio de volúpia e maldade.

Pôs a mão nela. Passou espalmada numa e noutra nádega. E correu os dedos de baixo para cima por dentro do meu rego.

_ Tá pidino vara… he he he – concluiu convicto, grosseiro e debochado.

Realmente o meu traseiro arrebitou-se sozinho quando ele tocou. Eu não
pude impedir. Mas acho que ele se referia inclusive a minha roupa. A
bermuda estava bem enfiada no rego, obra do meu tesão insano antes de
sair de casa.

Quando se satisfez de apalpar as minhas nádegas e correr os dedos por
dentro do meu rego, ele pôs a mão no meu ombro, tirou gentilmente o
copo da minha mão e, por trás, cravou as mãos, uma em cada seio meio, e
os apalpou, sentindo a consistência.

_ Eu vou te comer inteira, sua putinha – sussurrou no meu ouvido, se
esfregando em mim e encoxando a minha bunda – Cê vai ver o que é rola,
sua safadinha.

Eu não fazia nada para impedir, deixava. Ele me virou de frente para
ele, arrancou a minha blusa com sutiã e tudo, mas gentilmente, e
libertou os meus dois seios. Eu olhei em seus olhos na hora e estavam
brilhando de volúpia. Ele os segurou um com cada mão, bem firme, como
que para que não fugissem dele, e curvando-se, brincou um pouco com a
ponta da língua no bico de um dos seios. Em seguida o abocanhou. Sugou
forte que parecia que queria engoli-lo inteiro. Já tinham chupado meus
peitos antes, mas não assim. A boca dele era morna, macia e sugava com
uma força tremenda. Os pelos da barba roçavam na minha pele. Quando me
dei conta estava fechando os olhos, deixando a cabeça cair para trás e
projetando o tórax à frente, entregando meus peitos a ele. Continuei
fazendo isso, não conseguia parar, por mais vergonha que eu tivesse,
era mais forte a vontade que ele continuasse sugando. Ele percebeu que
eu estava gostando e eu sorri meio encabulada. Ele abocanhou o outro
seio e me arrancou as mesmas reações.

Ele era bem mais alto que eu e tinha que se curvar para mamar em mim,
mas quando ficava ereto seu peito peludo ficava bem diante do meu rosto
e eu sentia vontade de toca-lo. Ele percebeu a minha curiosidade e
pegou a minha e pôs no seu peito, me fazendo esfregar e sentir os seus
pelos e como a sua carne era dura. Senti arrepio. Estava envergonhada.
Mas um sorrisinho não saía do meu rosto. Era muito bom está ali com um
homem de verdade, experiente, todinho para mim, excitado e brincando
comigo, me ensinando e me ajudando a desinibir. Ele começou a descer a
minha mão pela sua barriga na direção da sua protuberância da
braguilha. Eu não resisti. Sabia que ela estava indo para o seu pau,
mas eu queria senti-lo e o deixei conduzir. Ele ainda estava de calça e
o volume era grande. Quando a minha mão tocou no calombo duro, que
senti a potência e o tamanho dele, foi como se eu levasse um pequeno
choque elétrico. Ele me fez esfregar e apertar o calombo. Estava
bastante excitado.

_ Ta vendo como você me deixa, sua putinha gostosa? Vou enterrar ele todinho em você. Você quer?

Eu não sabia responder a isso, apenas mantinha o sorriso tímido estampado na face.

Ele soltou a minha mão e começou a desabotoar a calça, mas ela
continuou sozinha alisando e apertando o calombo. Eu não queria parar
de sentir aquilo. E dentro de um instante, saltou para fora, apontando
para mim, um pauzão duro, de uns dezessete ou dezoito centímetros, reto
e cheio de veias, rodeado na base por um monte de cabelo e tendo
embaixo um sacão enrugado. A cabeça estava quase toda de fora, como se
estivesse ansiosa. Eu fiquei um pouco constrangida, mas com certeza
aquela peça me atraía, sentia grande volúpia com a visão. Ele queria
sentir a minha mão ali e voltou a pegar ela e a pôs sobre o pau. Senti
novo choque elétrico, porque agora eu estava sentindo toda a potência
daquilo em pele, sentindo a temperatura e o vigor, sem o tecido para
atrapalhar. Minha mão se fechou em volta, ele fechou a dele por cima da
minha e me fez arregaçar a pica, expondo totalmente a cabeça dela. Eu
estava encantada como era reta, grande e dura. Sabia muito bem para que
servia aquilo, sonhara com uma daquelas muitas vezes. Minha xota
pulsava e dava socos para todos os lados entre as pernas, parecia que
ia se desprender de mim. Saliva vinha à minha boca em grande
quantidade. Ele então, após deixar eu sentir e admirar seu pau por um
momento, pôs a mão na minha nuca e forçou minha cabeça para baixo. Eu
me curvei um pouco, mas ele me disse que era para ajoelhar. Obedeci
ansiosa, cheia de expectativa e curiosidade sobre o que ia acontecer,
embora desconfiasse. Com uma mão na minha cabeça e a outra segurando o
pau, ele mandou eu abrir a boca. Abri sem pestanejar e senti
imediatamente ela se encher de rola. Ele a guiou para dentro da minha
boca sem nenhuma cerimônia, aliás, cerimônia era o que não tinha
naquele homem, ele era objetivo, direto e deliciosamente rude. Socou
até aonde deu e, segurando agora a minha cabeça com as duas mãos,
começou a foder minha boca.

_ Chupa, minha putinha, chupa – ele dizia, parecendo está gostando muito da minha boca.

Eu também estava gostando de sentir aquilo na boca e assim que ele
soltou minha cabeça, eu comecei a movimentar ela para frente e para
trás para sentir aquele pau entrando e saindo da minha boca. Dava
vontade de engolir inteiro, mas eu não conseguia nem a metade. Pus as
mãos nas coxas dele para me apoiar e ao mesmo tempo não deixar aquele
pau gostoso fugir de mim e ele me incentivava:

_ Isso, minha bezerrinha, mama gostoso, mama… Gosta de pica, gosta?

E me xingava de putinha, de gordinha puta, de putinha gorda, de
safada… Tudo isso me soava como elogio porque demonstrava o quanto eu
o estava excitando. Era isso mesmo que eu queria ouvir, estava cansada
de ser vista como uma garota legal e de respeito que morria de vontade
de dar e ninguém comia. Meu detector de ofensa estava desligado, ou
melhor, estava invertido, me ofenderia profundamente naquele momento se
alguém viesse me dizer o quanto eu era simpática, o quanto eu era
legal. Que enfiassem no cu esses reconhecimentos todos, essas
manifestações todas de apreço, eu queria era rola. Será que ninguém via
que eu queria era ser comida, já a muito tempo, só ele viu?

Não sei quanto tempo durou essa parte do sexo oral. Estava totalmente
entretida com a rola quando ele a tirou de mim e mandou eu tirar a
bermuda que ele ia comer a minha bocetinha. Engoli seco de apreensão,
mas mesmo assim, obedeci. Enquanto ele estendia um pedaço de lona velha
no pouco espaço disponível que havia no chão, eu me ergui do chão e
comecei a arrear a minha bermuda, já descendo junto também a calcinha,
sentindo o tecido abandonando o meu corpo e olhando para o pedaço de
lona com uma certa pena de mim mesma: aquela seria a cama onde eu
perderia a minha virgindade. Quando ele se virou para mim, eu já estava
completamente nua e ele me olhou satisfeito, mirando o meu púbis.
Aproximou-se, deu mais uma mamada rápida nos meus peitos e tocou meus
pelos pubianos com sua mão calejada e encardida do trabalho. Encaixei
involuntariamente os quadris para frente e ele enfiou os dedos entre as
minhas pernas, procurando com as pontas os meus lábios vaginais, que
estavam bem melados. Eu senti a ponta do seu dedo médio correr entre
eles procurando a entrada. Dentro do meu ventre havia um clamor por
aquele dedo, mas eu sabia como a entrada era apertada e balbuciei,
apenas para informar, que ainda era virgem.

_ É cabacinho, é? – ele perguntou, exultando e em tom de quem estava falando com um bebê.

_ Um rum – confirmei, tímida.

_ Já vai perder esse danadinho. He he he. – ele falou, dando uma risadinha safada.

E, me puxando gentilmente para cima do pedaço de lona, falou:

_ Vem perder esse bichinho, vem?

Eu dei dois passos e já estava sobre o tecido. Primeiro me sentei sobre
ele e em seguida deixei meu tronco cair com cuidado para trás, ficando
deitada de costas, enquanto ele, já ajoelhado na minha frente com sua
picona dura, me esperava concluir. Parecia ansioso.

_ Iiiisso – disse em tom relaxante e aprovando a minha posição.

Eu não estava calma, mas queria dar, não agüentava mais não sentir uma rola dentro de mim.

Ele pôs as mãos nos meus joelhos e abriu as minhas pernas com
suavidade, controlando a ansiedade. Quando elas se abriram que ele viu
a minha boceta totalmente exposta, seus olhos brilhavam olhando para
ela.

_ Coisinha linda… – disse.

E pegando nas minhas pernas por detrás dos meus joelhos, as levantou
dobrando os meus joelhos na direção dos meus seios, me mantendo de
pernas abertas. Abaixou a cabeça na direção da minha boceta, deu um
beijo como se fosse no rosto de alguem nos meus lábios vaginais, o que
me fez rir e desfazer um pouco da tensão, e começou a lambe-los. Aquilo
era muito gostoso e eu comecei a ficar descontrolada. Ele passava a
língua várias vezes entre os meus lábios vaginais, depois mexia um
pouco com a ponta dela no meu grelo, as vezes dava uma chupada nele, e
voltava a passar nos lábios. Eu sentia os pelos da barba roçando nas
minhas virilhas. As vezes, entre uma coisa e outra, ele dizia cheio de
tesão que a minha bocetinha era gostosa. Uma vez também falou com ela
como se estivesse falando com um bebê:

_ Esse cabacinho gostoso ainda tá aí, tá?

Também não sei quanto tempo demorou ele chupando a minha boceta, só sei
que uma hora ele parou e se posicionou colocando o pau ao alcance dela.
Me manteve na posição com uma das mãos e com a outra o guiou colocando
a cabeça na minha rachinha. Senti ela deslizando entre os meus lábios
vaginais e parar bem na portinha do buraco. Respirei fundo e ele forçou
a entrada. Doeu e eu levantei desesperadamente as mãos para empurra-lo.
Ele me mandou ficar calma e começou a passar cuspe na cabeça do pau.
Depois voltou a fazer mira na entrada e forçou. Desta vez não teve
pena, decidido a enfiar, custasse o que custasse. A cabeça pulou pra
dentro e eu dei um grito abafado de dor, um tanto quanto desesperada,
porque parecia que tinha rasgado a minha boceta e eu tinha sérias
duvidas se ia agüentar o resto. Ele deu uma risadinha sarcástica,
satisfeito por ter enfiado a cabeça, me mandou novamente ficar calma e
imediatamente começou a se posicionar melhor, envolvendo meu corpo numa
espécie de frango assado, onde as minhas pernas ficavam abertas e
levantadas com os joelhos dobrados sobre os seus braços e ele, com o
peito peludo a uns dois palmos do meu rosto, tinha total controle. Eu
agora me sentia só uma boceta a ser penetrada, indefesa. Assim que se
viu nesta situação, um dos poucos momentos no qual eu não estava com o
meu característico sorriso na face, ele, sem se importar com a minha
cara de assustada, pelo contrário, parecendo ser um carrasco que sente
um prazer todo especial com a angústia da vítima, disse:

_ Dê adeus pro seu cabacinho, fia.

E começou a empurrar o resto, se divertindo com a minha expressão de
dor enquanto a rola entrava rasgando a minha carne. Eu levei a mão à
boca para abafar os gritos. Estava toda atarantada, deselegante,
arrependida, humilhada, mas ele estava no controle e me impunha aquele
suplício sem um pingo da pena, pelo contrário, com muito prazer.

_ He he he… Cabacinho gostoso… Agüenta, fia, agüenta firme – dizia
enquanto o pau desaparecia por entre os meus lábios vaginais, rasgando
a minha carne e afundando na minha boceta e o seu púbis se aproximava
cada vez mais do meu.

Quando alojou o cacete todo dentro de mim, sua expressão era de prazer,
da mais absoluta satisfação, contrastando com a minha que ainda era de
dor. Eu estava me sentindo arrombada.

_ Piriquitinha gostosa… – comentou se deliciando.

E vendo os meus olhos lacrimosos, com uma lágrima escorrida na direção
da orelha nos cantos de cada um deles, como que para me consolar e se
justificar, começou a falar comigo:

_ Você tem uma piriquita muito gostosa, fia… não pra parar não.

Era a primeira vez na vida que eu tentava sorrir com um pau atolado na
boceta, ainda bastante dolorida, para demonstrar compreensão, mas por
algum motivo, eu compreendia, e mais, me sentia agradecida. Ele então
começou a puxar o pau para fora. Eu, curiosa, aproveitei para olhar
para baixo e ver o sangue, mas vi o cacete reaparecer quase todo dos
meus lábios vaginais e constatei rapidamente que o sangue que havia
nele era bem menos do que eu esperava. Mas estava lá, no pau dele, a
prova de que eu não era mais virgem. Ele voltou a empurrar o pau sujo
de sangue, o meu sangue, para dentro da minha boceta. Colocou tudo, até
o osso do púbis dele encostar no meu, mas dessa vez não doeu tanto,
gemi mais porque senti a cabeça empurrar o meu útero. Ele começou a
repetir o gesto e eu fui descobrindo como era gostoso sentir um pau
duro escorregando nas carnes da boceta. Já imaginava que fosse, mas
nunca tinha sentido. Ele foi aumentando o ritmo e eu esqueci
completamente da dor e comecei a me deliciar com o entra e sai do pau.

_ Toma, minha putinha, nessa sua bucetinha gostosa – ele dizia bombeando com os quadris, enquanto se deliciava.

Logo eu estava delirando de prazer e ele também.

_ Buceeeta… – ele disse parecendo um alucinado, completamente fora de si.

Eu achei engraçado e quis também fazer um gracejo.

_ Rooo-la – eu disse baixinho e com um sorriso, como se estivesse ensinando ele a falar.

Ele gostou da minha pronúncia e me mandou repetir umas três vezes enquanto me socava. Depois disse:

_ Rola na buceta, né, minha putinha?

_ É – eu respondi concordando enquanto sentia o pau entrar e sair.

A essa altura as minhas mãos já acariciavam constantemente as laterais
das suas costas e os cabelos do seu peito. Eu não queria que aquele
entra e sai do pau acabasse nunca mais. Mas ele começou a falar do meu
cuzinho.

_ E esse seu cuzinho… é tão gostoso quanto a sua bucetinha, minha putinha? – perguntou.

_ Não sei – respondi fazendo cara de safada.

_ Aposto que é… eu vou comer essa bunda gostosa também, já já – informou.

Eu apenas mantive o sorriso safado na cara, feliz por ter encontrado
aquele homem, que me desejava inteira, que queria pôr em todos os meus
buracos, e me sentia empolgada com a idéia de já da primeira vez
experimentar de tudo. Eu estava achando ele o máximo e queria aquela
pica em qualquer lugar, desde que fosse dentro de mim. Minha bunda,
pela atenção que chamava, eu sabia que mais cedo ou mais tarde teria
que dar.

Ele bombeou mais um pouco, depois parou, tirou a pica, libertou as minhas pernas e ordenou:

_ Fica de quatro que eu quero comer sua bundinha.

Bundinha era jeito carinhoso de dizer, porque a minha bunda era grande e volumosa.

Rolei de lado e em seguida fiquei de quatro. Agora eu não podia mais
vê-lo, só sabia que estava ajoelhado atrás de mim, de pica dura,
esperando para me enrabar. Separou mais os meus joelhos, me fazendo
abrir mais as pernas e eu, excitada, deixei o traseiro um pouco
empinado por minha própria conta. Senti suas mãos grossas e firmes
cravarem imediatamente nas minhas nádegas e abrir bem minha bunda,
expondo completamente o meu cu.

_ Ummm… cuzinho lindo – falou, aprovando o que via e sentindo antecipadamente o prazer de come-lo.

Eu me sentia mais exposta que antes. O cu é um lugar muito íntimo de
qualquer pessoa. “É todinho seu”, senti vontade de dizer, mas me
contive. Em seguida já senti a língua morna e úmida dele tocar nas
minhas pregas. Nos primeiros cinco segundos senti um pouco de
constrangimento, mas a língua era atrevida e insistia em continuar me
fazendo aquela cócega molhada ali, então, vendo que não adiantava
resistir, decidi aproveitar e relaxei. Aquilo era bom, a língua se
mexia o tempo todo, brincando na entrada do meu cuzinho sem nenhum
pudor. Ele me arreganhava a bunda que parecia que ia me rasgar, me
forçando a expor o cu ao máximo para ele lamber. Até aquelas partes do
ânus que normalmente ficam puxadinhas para dentro, escondidinhas,
intocadas, eram expostas e levavam a pontinha da língua atrevida. Eu me
sentia invadida na minha privacidade mais íntima e logo senti como se
as minhas nádegas tivessem sido anestesiadas, sentia cada poro delas
ouriçado, como se bilhões de formigas estivessem andando sobre elas e
nas minhas coxas, virilhas e baixo ventre. O meu reto se contraia e
relaxava descontrolado. E até as minhas tripas dentro da barriga
pareciam estar em alvoroço, se revirando, dando pulos e comendo umas as
outras. Achei que ia gozar. Tivesse eu um milhão de cus naquele
momento, daria todos pra ele. Deixei a parte da frente do meu tronco
cair, me apoiando no chão agora com os antebraços, o que deixava o meu
traseiro ainda mais levantado, à disposição dele. Sem perceber, levei
uma das mãos para entre as pernas e comecei a massagear a minha boceta,
que estava deliciosamente dolorida. Tinha lapsos de consciência, mas
percebi ele colocando a pica ao alcance do meu cu, se posicionando e
guiando ela com a mão para dentro do meu rego, enquanto mantinha ele
aberto com a outra mão. Já não era sem tempo. A cabeça lisa e melada
encostou bem no olho e não deu tempo de contar até dois, eu dei um
grito não muito alto de dor e susto. Ela passou pelo meu esfíncter sem
respeitar e agora ele estava aberto sem poder se fechar, ocupado com
aquela cabeça. Ouvi só a sua risadinha infame de quem sentia prazer no
sofrimento da vítima e deixei de vez o tronco cair, amassando os seios
no chão e juntando as mãos diante do rosto, abandonando de vez a minha
bunda, pois sentia que agora ela não me pertencia mais, era dele. Ele
apoiou as duas mãos nas minhas costas, esmagando ainda mais os meus
peitos e a minha cara no chão com seu peso, e começou a empurrar sem
pena. Eu sentia a carne rasgando e o reto sendo preenchido pelo intruso
e abafava os gritos. Rapidamente comecei a sentir uma vontade terrível
de fazer cocô e o saco dele encostar na minha boceta. Estava tudo
dentro. Incomodava muito e eu fazia caras e bocas, mas como minha bunda
é grande e poderia está impedindo que entrasse mais um pouco, ele a
segurou com as duas mãos e arreganhou, dando mais uma carcadinha com os
quadris para conferir se não entrava mais mesmo. Ele era mau, não tinha
dó mesmo. Ficou um tempo assim, paradinho com tudo dentro da minha
bunda, enquanto eu gemia esbaforida, querendo por tudo que arrancassem
aquilo de dentro mim.

_ Cu gostoso… – disse, satisfeito.

Com certeza falar para ele tirar o pau seria ridículo, e eu também não
queria, queria agüentar, o esfíncter reclamava da invasão, ardia, mas o
reto e os intestinos tinham se acalmado, como se tivessem voltado aos
seus lugares. Aquela pica os tinha reorganizado, consolado. Só o
esfíncter que reclamava, se contraía involuntariamente para expulsar ou
cortar o invasor, me causando desconforto. Mas ele não conseguiria, a
rola estava bem fincada, com decisão.

Quando calculou que eu sofria menos, ele arrancou um pouco o pau e eu
senti que doía até para sair. Em seguida voltou a enterrar. Como se
contasse até dez, repetiu o movimento, e começou a foder, inicialmente
devagar, mas logo o meu cu laceou um pouco e ele começou a socar
normalmente como se tivesse fodendo uma boceta. A dor também
desapareceu e eu fiquei só curtindo o entra e sai do pau, desta vez no
rabo. Levei a mão à xana e comecei a massagear. De vez em quando sentia
o saco dele com as pontas dos dedos e teve até uma vez que eu o segurei
e esfreguei na minha boceta. Ele socava cada vez mais rápido e mais
forte, mas eu estava anestesiada de tesão. Tentava o tempo todo olhar
para trás para ver a cara de tesão dele me enrabando. Acho que gozei
com ele comendo o meu cu. Ele também, depois de socar bastante,
acelerou os movimentos e redobrou a força, como se tivesse com raiva,
me cutucando lá no fundo. E em dado momento, com o pau cravado em minha
bunda até o talo, estremeceu todo e começou a urrar tendo espasmos. Até
que acalmou e sem nenhuma pressa, parecendo cansado, tirou o pau de
dentro de mim. O cheio de bosta e de sexo eram fortes. Fiquei
envergonhada. Ele me deu um pedaço de papel higiênico e foi lavar o pau
na torneira. Eu limpei o rabo e comecei a vestir as minhas roupas. Ele
retornou, deu uma risadinha, começou a vestir as calças e depois me
disse para voltar outro dia. Abriu a porta da oficina, olhou para os
lados e, não vindo ninguém, eu sai. Fui embora, dolorida, mas
realizada, com um sorriso no rosto e já pensando no dia de voltar.
Tornei-me assídua naquela oficina por um bom tempo. E cada vez que eu
ia, era uma trepada que a gente dava. Um dia, ele me emprestou para um
amigo dele. Ajeitou tudo para o cara me comer e ele comeu. Mas isso eu
conto de uma próxima vez.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,00 de 2 votos)
Loading...