De uma carona, meu amigo comeu minha mulher

Estávamos no shopping passeando eu e Ana, e quando íamos sair vimos que começara a chover, então resolvemos esperar a chuva passar, pois estávamos sem carro e dependíamos de ônibus o que nos molharia bastante até chegarmos ao ponto.
Minha esposa estava com sede e voltei para comprar água, no caminho, encontrei Carlos, jovem de 32 anos, educado e muito atencioso, um amigo antigo e que também estava só passeando.
Comprei a água e levei para minha esposa com Carlos me acompanhando, quando ela olhou pra ele vi que bateu um clima na hora, Carlos disse que estava indo embora e nos ofereceu uma carona, claro que aceitamos, pois seria uma mão na roda.
No caminho perguntei a ele se já tinha casado e ele respondeu que ainda não, mas namorava uma menina que estava na faculdade.
Chegando em casa convidei Carlos a entrar para conhecer a casa, ofereci um drink e estávamos eu e ele conversando na sala, foi quando minha esposa me chamou na cozinha, quando entrei ela disse que tinha achado ele muito simpático, como conheço minha mulher, na hora percebi que ela tava doidinha pra dar pro Carlos, dei-lhe um beijo demorado e coloquei a mão por dentro de sua calça por sobre a calcinha que estava bem molhada, já esta molhadinha minha safadinha, falei para Ana, também você fica provocando, trazendo seus amigos aqui, respondeu ela, nisso Ana falou que ia tomar um banho, retornei para a sala e o Carlos estava acabando seu drink e falou que iria embora, pois não queria incomodar, falei pra ele, que nada, faz tempo que a gente não se vê, fica mais para colocarmos a conversa em dia.
Falamos de tudo, Ana saiu do banheiro vestindo uma saia curtinha e uma calcinha menor ainda que dava pra ver a polpa da bundinha e um top apertado que evidenciava bem os bicos de seus belos seios.
Carlos ficou meio sem jeito e continuamos a conversar, minha esposa ficava transitando entre cozinha e quarto e eu notava que cada vez que ela passava Carlos dava uma olhada meio que discreta, logo minha esposa veio se juntar a nós e sentou-se do meu lado, Carlos pediu para usar o banheiro, nessa ausência dele Ana disse que a buceta dela estava pegando fogo, então combinamos que eu iria tomar um banho e deixaria ela e ele na sala sozinhos.
Carlos retornou e falei pra ele ficar a vontade que eu iria tomar uma ducha rápida, ele se acomodou na sala e minha esposa ficou sentada ao lado dele.
Fui tomar meu banho já imaginando o que poderia acontecer, tomei uma ducha rápida e fiquei na porta do banheiro escutando o que os dois conversavam, Ana perguntava a ele se gostava e ele nada respondia apenas gemia, fiquei ali mais um pouco e fui até a sala e tive uma visão que me deixou cheio de tesão na hora, Carlos estava no sofá com as calças no joelho e com o cacete pra fora que devia medir uns 20 cm e bem duro e Ana chupando e com a bunda bem empinada, foi uma visão maravilhosa.
Quando ele me viu se retraiu então ela falou, calma Carlos meu marido sabia o que ia acontecer por isso nos deixou aqui sozinhos, nisso Carlos deu um sorriso sacana e disse, também quero tomar um banho, minha esposa o acompanhou e não tirava a pica dele da boca, ele gemia e socava forte na garganta dela, Ana chupa uma pica como uma putinha, ela adora chupar um pau, ficaram em baixo do chuveiro uns 20 minutos.
Entrei no banheiro enquanto ela chupava ele e passei a chupar a buceta dela, ela gemia e pediu pra eu fode-la, então fomos pra sala, minha esposa estava com um fogo que foi logo sentando no meu pau e rebolando enquanto chupava o cacete do Carlos, nisso ela saiu de cima de mim e começou a me chupar deixando sua buceta depilada pra ele come-la, ele colocou uma camisinha e pôs o cacete na buceta daquela putinha, como o dele é maior que o meu, minha esposa sentiu um pouco a entrada, mas logo começou a gemer e falar palavras que eu adoro dizendo:
Ai amor esse cacete ta me fudendo… olha ele esta abrindo minha buceta… ta muito gostoso… eu vou goooozar…
Carlos bombava cada vez mais forte e dizia que ia gozar, Ana começou a gozar e Carlos também enchendo a camisinha de porra e eu não agüentando mais gozei enchendo a boca de minha esposa de porra.
Fomos pro chuveiro novamente e após esse rápido banho voltamos para a sala, minha esposa tava uma verdadeira puta depravada, sentada no sofá e Carlos de pé, ela começou a chupá-lo novamente deixando o pau dele completamente duro, ela com as pernas abertas deixava sua buceta avermelhada da foda anterior toda a mostra.
Ana sentou ele no sofá e sentou em cima do seu pau engolindo tudo com aquela buceta gulosa por pica, Carlos fodia ela com fúria, eu subi no sofá e dei minha pica pra ela chupar, vendo aquela cena tive uma idéia, fui pra trás dela e lubrifiquei seu cuzinho. Ana ficou excitadíssima sabendo que iria ter os dois ao mesmo tempo, pedi que ela deitasse no peito de Carlos e empinasse bem a bundinha, coloquei a cabeçinha e ela facilitou pra que entrasse, nós começamos a falar sacanagens no ouvido dela.
Aos poucos estava dois cacetes dentro de minha esposa, começamos a fode-la fazendo movimentos de vai e vem bem sincronizado e ela delirava a cada estocada, gemendo e pedindo cada vez mais.
Carlos pediu pra saborear aquele cuzinho que tanto gosta de pica, mas como o dele é maior ela fez um pouco de charminho, mas logo concordou, segurei nas nádegas e abri bem o cuzinho dela, pois já estava meio aberto por conta do meu pau, Carlos foi colocando devagar, Ana rebolava facilitando a penetração e logo aquele enorme pau estava todinho dentro do cu da minha esposa, dei meu pau pra ela chupar e ele a fodia com vigor, às vezes ela parava um pouco de chupar e falava:
Vaaai… fode meu cu com vontade… quero que você foda bastante… vaaai… mete tudo… quero ficar de cu inchado…
Falava isso quase fora de si de tanto tesão, então não agüentando mais ela disse:
To goooozando… issso… meeete… tuuuudo… agoooora… asssiiiim…
E gozou fartamente pelo cu. Carlos falou que ia gozar e a safada não pensou duas vezes, tirou a camisinha do pau dele e pediu pra ele gozar em cima dos peitos dela e ele encheu os encheu de porra quentinha. Também gozei, só que desta vez aproveitei aquele cu todo aberto e enchi-o de porra, deitamos e adormecemos ali mesmo na sala em cima do tapete.
Repetimos algumas vezes essas ótimas fodas com Carlos.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,00 de 3 votos)
Loading...