Adorei dar pro meu cachorro

Oi, meu nome e Bruna, eu tenho 18 anos, e hoje sou uma garota normal, tenho namorado, estudo, vou pra faculdade ano que vem, mas tenho alguem secreto, que inspira meu tesao. Eu vou chama-lo de Bob, comum pra qualquer um. Bob, e um cachorro tipo Dog Alemao, desses tamanho gigante mesmo. Meus pais o trouxeram e me deram quando ainda era bem pequeno, e o criamos em nosso quintal, que era grande, de terra o que ele adorava. Na epoca eu tinha 15 anos, e meu aniversario foi o motivo do presente, eu sempre quis um cachorro como ele. Em um ano, Bob, já era grande e em dois anos eu com 17, Bob já era quase um cavalo, era dificil ate pra brincar com ele, pelo seu peso e era tambem um pouco bruto. Com a escola eu quase não brincava com ele, mas tudo começou nas férias do ano passado. Todos nos, inclusive o Bob, fomos passar parte das férias num sitio do meu Tio Andre. Ia somente a nossa familia e a do meu tio iriam pra outro lugar. O lugar la e
grande e muito bonito. Bob entao ao se ver livre e solto corria de um lado pra outro e parecia ate outro cachorro. O caseiro, Sr. Joao, morava com a familia dele num sitio ao lado do nosso, e era ate bem pertinho, da casa dele via a nossa, se alguem entrasse ou saisse ele via. Com folga e sem muita coisa pra fazer, eu so ficava na piscina, e pouco andava pelo lugar. Bob sempre ao meu lado, me guardava. Sempre que me deitava na cadeira pra tomar banho de sol Bob ficava ao meu lado e ate dormia as vezes. Qualquer ruido ele se levantava e latia, me acordando as vezes. Numa tarde ao inves de me deitar na cadeira eu fui na grama, estava mais gostoso. Deitei, e pra variar Bob veio do meu lado. Sem nenhum pensamento, nada, abri as minhas pernas pra tomar sol por dentro delas, que alias estavam muito branquinhas, eu queria depois pegar praia, entao queria me queimar por inteira. Eu puxei ainda mais o meu biquine pra cima e enrolei pra ficar menor, já que não tinha ninguem mesmo, so eu e o Bob. Ele estava de frente pra mim. Eu fiz isso e virei de lado, pra queimar um pouco de lado do corpo e sob os braços, e fiquei com a cabeça do Bob na altura da minha cintura.. Olhando pra ele, brinquei com ele, e fiz carinho na sua cabeça e puxei ele sem querer pra minha barriga, e seu focinho passou bem perto da minha xaninha. Acho que ele sentiu algum cheiro estranho ou talvez conhecido pra ele, que fez questao de voltar e cheirar de novo minha xaninha. Eu tirei a cabeça dele me afastei e virei de barriga pra cima, voltando a minha posiçao original. Bob, não se aquietava e queria me cheirar de qualquer jeito, eu dava bronca e mandava ele embora. Ele saiu com muito custo, acabei gritando com ele, me virei e deitei de bunda pra cima. Comecei a pensar no que ele faria se eu deixasse ele continuar me cheirando, e aquilo acabou me excitando, porque lembrei de alguma coisa que tinha lido numa revista de uma mulher que transava e tinha 3 cachorros enormes que dormiam com ela. Achava impossivel um cachorro gostar de um ser humano, e na escola tambem fiquei sabendo de duas alunas e uma professora que já tinham transado com um cachorro. Eu achava demais e muito estranho, ate aquele dia. Tomei meu solzinho ate quase o final da tarde e Bob estava ainda por ali. Quando me levantei e fui tomar um banho, percebi que tinha ficado excitada, mesmo porque estava sem namorado há mais de 4 meses, por causa da escola, e lembrando aquela historia toda que tinha lido e ouvido…Bem tomei um belo banho, raspei como de costume minha xaninha. Coloquei uma calcinha de algodao pra não me irritar, uma saia bem folgada, por causa do calor, e um sutia de um biquine, pra ficar mais a vontade. Meus pais iam ate a cidade comprar algumas coisas, me chamaram mas eu não quis ir. Peguei um radio e fiquei ouvindo musica la fora na varanda, enquanto eles iam fazer compras. So pedi que não demorassem, mas era meio longe, e talvez voltassem quando já estivesse escuro, mas tudo bem, tinha ainda o zelador e o Bob. Quando sairam eu chamei o Bob, perto de mim, com o toquinho do rabo dele abanando veio todo feliz ao meu lado. Ele sentou ao meu lado, eu estava na rede, parei de balançar e cocei a cabeça dele. Ele gostava disso. Quando se levantou, ficou com a cabeça no nivel da rede, sentei mais na beirada, e num impulso meio estranho e excitado da minha parte, abri um pouco as pernas pra ele. Bob, enfiou o nariz gelado ate o meio das minhas coxas e insistia em continuar. Ai fiquei excitada demais e abri as pernas mais um pouco, ele foi forçando ate encostar o focinho na minha xoxota, e cheirava e queria lamber. A calcinha atrapalhava, entao num desespero decidi tirar a calcinha, deitei na rede e a tirei e voltei a me sentar na mesma posiçao. Abria as pernas devagar e aos pouquinhos, deixando Bob descobrir que agora não tinha mais calcinha pra atrapalhar. Eu já estava molhadinha, e aquela enorme cabeça no meio das minhas pernas, me fizeram abri-las de uma vez, e minha periquita todinha a disposiçao dele. Bob, cheirou, cheirou e deu a primeira linguada, meia fria, mas com a aspereza da sua lingua me fez delirar. Com as maos e já sem medo, deixei ele começar a lamber minha bucetinha, e isso ele sabia fazer direitinho. A cada lambidinha que dava levava um pouquinho do meu melzinho de prazer, ele lambia e lambia e passei a tocar no meu xibiuzinho, esfregar com força e acabei gozando. Bob se fartou, lambeu tudo, acredito que se fizesse xixi naquela hora ele ia beber tambem tudinho. Voltei pra rede e coloquei a minha calcinha, Bob dava voltas na casa e voltava pra mim. Foi entao que percebi seu pau quase todo pra fora, nunca tinha reparado nisso, ele era grande. Levei o Bob, sob a varanda do outro lado da casa, pra ninguem ver nada, criei coragem e peguei no pinto dele, com receio e medo, fui mexendo nele, aquele ponta comprida e vermelha lembrava mesmo um pau de homem. Bob ficava quieto, entao bati de leve uma punhetinha pra ele, ele nem se mexia, e as vezes parecia querer subir em cima de mim. Seu pau cresceu de uma maneira e ficou enorme na minha mao, e meu tesao ainda maior. Fui ate a cozinha e Bob me seguiu, me ajoelhei e me apoiei numa cadeira, e fiquei de bunda pra ele, levantei a saia, Bob veio cheirando de novo, e de repente pulou nas minhas costas, eu segurei as duas patas da frente com as maos pra não me machucar, o corpo quente dele cobria o meu todinho, parecendo um cobertor. Ele cutucava minha bunda e eu sentia seu pinto bater nas minhas coxas. Abri mais um pouco e senti seu pau no meio das minhas coxas, fechei as pernas e prendi aquela coisa enorme, no meio das minhas coxas. Quando ele deve ter sentido o calor das minhas pernas agasalhando seu pinto, ele mexeu mais e mais rapido e gozou molhando toda minhas coxas e minha calcinha. Tinha odor de xixi, mas era espesso, Bob tinha gozado muito, coitado, nunca tinha nem cruzado ainda, imagino que andava mesmo doidao. Deixei ele ainda mais um pouquinho e quando ele saiu, lambeu tudo, e eu me masturbei violentamente e gozei ainda brincando com o pau dele. Fui tomar um banho rapido, lavei minha calcinha, me troquei e voltei. Bob me fazia uma festa diferente, parecia me agradecer pelo prazer. Engraçado, depois dizem que animal não entende nada…A noite, antes de dormir, lembrando de tudo aquilo e sem nenhuma culpa, imaginei se tirasse a calcinha e deixasse ele me comer, como seria. O que eu sabia que era bom, mas ainda tinha medo. Eu tinha medo de alguma doença sei la, era esquisito pensar assim. No outro dia, ajudando minha mae arrumar o quarto dela e ajeitando as coisas, descobri algumas camisinhas entre as coisas dela, pensei que ela tomasse pilulas, mas não liguei. Resolvi pegar uma, nunca se sabe o que vem la na frente, ne…Durante o dia evitei o Bob, pra não deixar ele agarrar minhas pernas, ele gostava de fazer isso, e agora eu tinha vergonha dos meus pais. Eles não sairam, entao ficou mais complicado. Quase a noite meu pai bebeu muito vinho, ficou de fogo e foi se deitar e dormiu, eu tambem fui tomar outro banho e fui me deitar tambem. Minha mae ficou pra la e pra ca, eu me deitei, fechei a porta, e fiquei com minhas fantasias. Ouvi o barulho de alguem abrindo a minha porta devagar e fingi estar dormindo, era minha mae, que chegou pertinho de mim pra ver se eu estava dormindo, e me chamou baixinho, eu não respondi, mas achei estranho a atitude dela. Depois ela fechou a porta devagar sem barulho, e foi ate o quarto dela, pensei poxa nunca fez isso, se quer transar vai e pronto já tinha visto eles varias vezes trepando, e o que e que tem de mais, não?…Mas so que ela saiu de fininho tambem e foi na sala. Ouvi um latido la fora do Bob, e ela fazendo psiiiuuuu…..pra ele. Esperei mais um pouco e não ouvia mais barulho, sai de mansinho da cama e abri devagar a minha porta e caminhei na pontinha dos pes ate a sala e bem devagrinho. A cena não poderia ser outra. Bob em cima de mamae, que estava de quatro pra ele, com a cabeça no sofa e ele enfiando sua enorme pica na minha mae, fiquei abismada com a cena, minha mae e com o tamanho dele metendo dentro dela, comigo parece que era diferente. Bob enterrava violentamente seu pau nela, e ela se masturbava e gozava feito uma cadela. Nossa fiquei horrorizada e ao mesmo tempo excitada. Depois ouvi alguns ruidos e Bob já estava la fora, e ela foi ao banheiro se lavar. Voltei pro meu quarto e me siririquei ate doer minha bucetinha e gozar um pouco. Acabei dormindo e pensando no Bob, e no que tinha acabado de ver. Meu pai, bebia muito e já não dava mais no couro, e eu sei que minha mae e fogo na cama, imagino que a coitada precisava mesmo de uma boa rola, e o Bob, naquela hora quebrava o galho. No dia seguinte, levantei cedo e fui pra sala, achei um pedacinho de embalagem de camisinha, e ai deduzi que ela colocava camisinha no pau do Bob. Procurei por todos os lixos e achei no banheiro enrolado num papel higienico a camisinha, abri a estava com aquela gosma igual a que o Bob me despejou, e cheia. Bem eu tinha uma, e bolei tudo. Já era um dia normal de semana, dois depois do acontecido, e precisaram ir os dois ate a cidade pra resolver alguma coisa num banco. Eu fiquei mais uma vez, estava na piscina, de biquine, não ia me trocar de jeito nenhum o sol estava bom demais. Sairam os dois, me levantei, apanhei a camisinha e puxei o Bob la pra cozinha, brinquei com ele de novo, e agora decidida, fui pegando no seu pau, já crescendo, e punhetando ele, tirei a calcinha do biquine, e fiquei peladinha pra ele, punhetei mais um pouquinho e fui enfiando a camisinha, meia sem jeito consegui esfiar ela todinha, mas quase não cabia, tao grande seu pau ia ficando. Me coloquei de quatro, e ofereci a ele o prato principal, Bob subiu em mim, e me bombava sem acertar meu buraco, segurei e ajeitei seu pinto na minha buceta, ele mexeu rapido e enfiou quase tudo de uma vez, me fazendo gemer de prazer, enquanto bombava seu pau aumentava de tamanho, impressionante, eu sentia por dentro de mim, ele enfiava e com golpes rapidos bombava cada vez mais rapido, eu me toquei uma siririca e gozei duas vezes e Bob, parou, e sentia o espasmo dele dentro, enchendo a camisinha. Ele saiu de cima depois de algum tempo e ficou quieto, estava cheia, eu tirei e joguei fora, ele queria lamber minha xana eu deixei. Em pouco tempo, demos umas voltas pela casa, e Bob parecia novamente excitado comigo, e agora não tinha mais camisinha, pois não achei as outras, ela deve ter escondido. Bem resolvi outra coisa que adoro fazer, ia dar meu cuzinho pra ele. Resolvi e comecei a brincar, dei agua pra ele, e fomos brincar de novo na cozinha, olhei em volta, ninguem a vista, sabia que meus pais ainda iam demorar, e o levei pra mim. Fiquei de quatro de novo, e a melhor posiçao pra trepar com um cachorro, ele subiu em mim, e foi cutucando, abaixei minha bunda e dirigi ainda com receio seu pau para o meu cuzinho, ele foi entrando, com certa dificuldade, e gozado o cachorro estoca e não tira de dentro. Fui deixando ele meter no meu cuzinho e fui relaxando e sentindo aquele cacete dominar todinho meu rabo, e me encher toda de carne canina, adorei porque estava ardendo e muito gostoso, meti o dedo na minha buceta, e gozei umas tres vezes, ate o Bob, gozar no meu cu, e mais que um dia um namorado meu fez, gozou, rasgou minha bunda, me arrombou e depois ainda lambeu tudo. Fiquei preocupada, fui logo me lavar, e fiz uma ducha anal. Ardia um pouco, mas adorei aquilo e acho que ele adorou mais ainda. O Bob, filho da mae, tinha agora duas amantes e olha muito gostosas, porque minha mae tambem e um mulherao. Depois que voltamos, eu passei a transar sempre que podia com o Bob, e transamos ate hoje. Com a minha mae, acho que eles fazem so de manha, quando vou pra escola, eu sei, porque a tarde quando o Bob ta meio dormindo em pe, e que ela já deu pra ele. Nunca ninguem descobriu nada de ninguem. Eu transo com ele sempre de camisinha, e tambem com meu namorado. Outro dia meu namorado quis a minha bundinha e eu dei, ele achou estranho que estava mais aberto meu cuzinho, e adorou porque meteu a vontade e eu não dei bronca, agora ele acostumou, e eu tambem. Tem outras historinhas de outras amigas minhas, que mando pra voces depois,ta.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,00 de 1 votos)
Loading...