QUANDO CHUPEI A PICA DO PROFESSOR

11-02-12 1 ★ 5.00

Minha segunda aula particular de Matemática foi numa terça-feira, 14 de abril, às nove da manhã. Vestindo calça e camisa sociais, o professor se mostrou surpreso, e um pouco receoso, ao ver o relativo isolamento e privacidade do local onde ficaria a sós comigo (questões éticas, etc.).
— Vou preparar você pra prova de amanhã — disse ele, retirando da pasta uma folha com exercícios.
A empregada varria o pátio. Sentado ao meu lado, seus olhos iam da folha onde, com fingida reflexão, eu registrava os cálculos, ao decote da regata, que deixava ver os peitinhos na fase inicial de crescimento. Eu estava devidamente preparada para seduzi-lo.
— Estou indo bem?
— Está indo muito bem.
Pela janela, podíamos ver o pátio, a casa e a rua. O contrário não acontecia. O único local da propriedade de onde se podiam perceber, no máximo, as duas cabeças era o portão principal. Conhecedor de geometria, ele sabia disso. Mas a coragem para se aproveitar do fato só lhe chegou ao final da aula, quando, então, sua mão pousou em minha coxa.
E lá se foi a ética.
— Deixa eu ver a calcinha? — pediu ele, vendo a empregada entrar na cozinha, onde ficaria ocupada até a hora do almoço.
— Não dá, professor — recusei.
— Por quê? O que tem de mais?
— É que quando estou em casa eu não uso calcinha — respondi.
Impossível descrever seu semblante. Havia em seus olhos incredulidade e surpresa; na mão, ousadia. Fiel ao plano traçado, porém, não permiti que sua mão se aprofundasse entre minhas coxas. Retirei-a e me levantei.
— Agora vou me deitar um pouco. Matemática me cansa. Até a próxima, professor!
Mais rápido do que eu poderia imaginar, ele levou as mãos à minha saia. E eu parei para que ele admirasse a minha bundinha. Fiz mais. Permiti que ele a apalpasse, sem imaginar que eu o havia escolhido para me dar o prazer do sexo anal. Não nesse dia, claro. Eu não tinha pressa.
Mas tive uma surpresa; duas, na verdade.
— Mostra a xoxota… por favor…
A primeira surpresa, ao me virar, foi constatar que ele havia aberto a calça, sem que eu o percebesse, e exibia sua excitação na forma de um pênis ereto de dimensões bem aceitáveis.
— O quê que é isso, professor? — exclamei dando um passo para trás. — Eu sou virgem!
— Vem aqui, gatinha — disse ele puxando-me pelo braço. — Eu não vou te fazer mal. Eu só quero ver a xoxotinha. Mostra, mostra.
— Então guarda essa coisa! — exigi.
Ele obedeceu. Então, com a satisfação que me alimenta o espírito exibicionista, eu lhe mostrei a linda boceta lisinha que o fez arregalar os olhos e lamber os lábios.
— Sabe o que eu queria, professor? — disse eu quando ele começou a me apalpar. — É assim. Eu quero continuar virgem. Mas eu queria saber como é quando alguém chupa…
É preciso muita força de vontade para não morder uma fruta depois de tê-la na mão. Tranquilizando-o quanto a um possível flagrante (“a gente escuta quando alguém sobe a escada”), eu me deitei na cama e ele caiu de boca.
Veio, então, a segunda surpresa.
Tendo provado e aprovado o sabor da boceta impúbere que lhe tirava o sono à noite, ele abriu bem minhas pernas e se dedicou a lamber o clitóris, ora com vigor, ora com delicadeza; ora lentamente, ora freneticamente. E o orgasmo começou a subir, a subir, eu tentava não gemer, mas não conseguia. Por isso agarrei o travesseiro e abafei nele o grito que me fugiu descontroladamente do fundo da garganta. Pela primeira vez, eu gozava com minete de homem.
— O senhor vem de novo amanhã?
Não era toda quarta-feira que ele estava livre. Mas veio. Dessa vez de bermuda. Com a liberdade adquirida, ele passou grande parte do tempo com a mão movendo-se entre minhas coxas, indo, de vez em quando, até o fundo, para sentir nos dedos o que sentira na língua no dia anterior.
— A gente podia marcar sempre as aulas nas quartas-feiras — sugeri. — Porque é o dia em que dona Neuma sai pra fazer compras e eu fico sozinha.
— E a gente pode ficar à vontade — concordou ele, feliz, procurando me beijar. Mas eu não beijo homens (a simples ideia me repugna); não me afeiçoo, não faço carinho. Eu só beijo mulheres.
Naquela manhã, tendo despertado com a libido acima do normal, eu me asseara meticulosamente, desejando e planejando uma maneira de levar o professor a outra forma de me dar prazer. Mas foi ele quem tomou a iniciativa.
Diante da minha recusa em beijá-lo, ele não insistiu. Porém, passando um dedo por meus lábios grossos, elogiou minha boca e perguntou, sem meias palavras:
— Você já chupou pau alguma vez?
— Já — respondi. — Mas faz tempo.
Homens como ele se excitam com histórias de meninas precoces. E quando digo “precoce”, quero dizer “muito precoce”, porque, nesta região, é comum as meninas se iniciarem cedo no sexo. Na escola, havia até uma grávida na quinta série — isso não é comum, porque, na maioria dos casos elas evitam a penetração vaginal.
— Faz muito tempo? — interessou-se ele.
— Uns cinco anos.
Ele fez o cálculo. Seu eu tinha treze… Nossa!
— Eu chupava o do meu primo — contei. — Mas o dele não era tão grande quanto o do senhor.
“Ele vinha nas férias e ficava lá em casa, quando eu morava na outra cidade. Eu era pequena. A gente brincava de “mostrar”. Eu gostava de ver o pinto dele. Já tinha pelos. Então ele me pediu pra chupar. Eu não sabia. Aí ele me explicou como devia fazer. Aí, quando eu estava chupando, ele disse que ia sair leite. E saiu. Eu era pequena e não sabia ainda que aquilo era esperma (aprendi na aula de Ciências), mas, como ele disse que era leite, eu tomei.”
— E gostou? — perguntou o professor, cuja ereção ficava cada vez mais visível.
Prossegui:
— Não me lembro se eu gostei. Mas ele gostou muito. Ele dormia no meu quarto. Então, toda noite ele me pedia pra chupar e eu chupava. E ele gozava na minha boca. Às vezes até durante o dia, se não tinha mais ninguém em casa. Ele dizia que cada dia eu chupava melhor.
“Um dia eu vi num filminho, junto com umas colegas, um homem chupando uma mulher e resolvi pedir pra ele fazer a mesma coisa comigo. Mas ele não quis. E só ontem é que eu fiquei sabendo o quanto é bom. Graças ao senhor.”
Concluí:
— Eu fiquei com tanta raiva, que nunca mais chupei o pau dele. Nem o de ninguém.
— Mas hoje você vai chupar o meu — disse ele esperançoso.
— Não sei… O senhor tem o pau muito grande. E já faz tanto tempo… Acho que nem sei mais fazer. Mas agora tenho que fazer xixi.
Eu tinha o costume de me lavar sempre após urinar, mas, como o banheiro do Cafofo não dispunha de bidê, fiz como sempre fazia: tirei a saia e a blusa para, logo após, entrar no chuveiro.
Mas a porta do banheiro não tinha chave. E se abriu. Encontrando-me nua, sentada no vaso sanitário, Rogério se postou à minha frente desafivelou a bermuda e eu vi seu pênis pela segunda vez.
— Chupa, minha aluninha — disse ele. — Chupa a pica do professor.
Era tanta a tesão, que, ao segurar seu pênis, senti como que uma descarga elétrica, que fechou minha uretra, interrompendo o fluxo da urina. Era tanta, que atraiu minha outra mão. E foi com as duas que eu o acariciei, antes de colocá-lo na boca.
— Ai, que gostoso! — exclamou Rogério.
Eu não via mais nada. Apenas sentia. Sentia o pau deslizar em minha boca, levemente. E chupava. Ora somente a glande, ora tudo que conseguia engolir. E Rogério gemia, possuído pela excitação que crescia, alimentada pela visão de seu pau entre os lábios de uma aluninha nua sentada num vaso sanitário. Ele gemia e me passava suas sensações. E eu sugava, lambia e mamava, sentindo no clitóris túrgido a mesma umidade e o calor com que minha boca envolvia seu pau.
Ao aproximar-se a ejaculação, muitos homens têm o costume de segurar com as duas mãos a cabeça da mulher, para acelerar os movimentos finais sem interrupção. Ele fez isso. Segurou minha cabeça. Mas não sentiu necessidade de movimentá-la. Conhecendo o andamento tão bem quanto ele, mantive o ritmo, mamando sem pausa, sentindo entre minhas pernas a deliciosa formação do orgasmo.
— Vou gozar… — arfou Rogério.
Uma chuva rápida bateu no telhado, produzindo um som ensurdecedor quando eu recebi no clitóris o longo orgasmo que fez Rogério grunhir enquanto enchia minha boca de esperma. Quase ao mesmo tempo, minha urina voltou a jorrar, acrescentando ao meu prazer um elemento inédito. Ao espalhar-se, como sempre, por todos os recantos e dobras da vulva, o líquido quente, colorido e aromático, expandiu, por assim dizer, a área que recebia as maravilhosas sensações do pênis, que eu prossegui chupando até exauri-lo completamente, deixando o professor com as pernas trêmulas. Foi um orgasmo mijado.
— Teu primo é um verdadeiro mestre — elogiou Rogério depois, estirado na cama para recuperar o fôlego.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 1 votos)
Loading...

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. dumau

    Nossa ninguém kkkkk meu whatsapp (31)97612019