Tráfico – Capítulo 1 (Conto Gay)

Tráfico o conto

Primeiro capítulo, autor (D.A)
Email de contato: daniielfostter@yahoo.com.br

Antes que você caia nessa armadilha e inicie a leitura dessa história, gostaria de dizer que existem algumas regras que precisam ser mencionadas.

1. Não se trata de um conto, se trata de uma história dividida em capítulos.

2. Se você não pretende dar continuidade não inicie a leitura.

3. Meu papel como escritor não é fazer apologia ao uso de drogas ou qualquer outro evento não legalizado, apenas relatar uma realidade existente do nosso país.

4. Cada capítulo terá no mínimo a inserção de um conto erótico gay.

5. As histórias relatam fetiches diversificados e não irão se prender aos clichês do Brasil.

6. Todo tipo de crítica e muito bem vinda nos comentários.

7. Peço apenas que mantenham a mente aberta para o conteúdo que será apresentado.

8. Se você me conhece e sabe que essa história realmente aconteceu, por favor, mantenha o sigilo.

9. Sim, todas as histórias envolvidas nessa trama tem em sua grande parte como inspiração, relatos verdadeiros vividos por mim e por meus amigos.

10. Se prepare para se viciar.

Capítulo um – Tragando um beijo.

Antes de começar a contar a história a seguir, gostaria de deixar claro que tudo o que descrevo aqui não deve ser mencionado em nenhum outro lugar.

Minha história é incomum. Eu vivi dramas que mudaram minha vida por completo, me obrigando a mudar para que conseguisse sobreviver.

O ano era 2012. Eu havia passado por alguns dos momentos mais trágicos da minha vida. Meu primeiro namorado havia morrido, minha avó havia morrido e meus pais haviam descoberto minha sexualidade de uma forma que os fizera parar de falar comigo por meses.

Eu enfrentei uma enorme depressão, sem ter alguma figura adulta a quem pudesse recorrer. Por meses, durante os anos anteriores, eu não saia de casa para nada, e por vez também não saía de meu quarto. A lembrança de meu namorado, meu primeiro amor, com quem fiz tantas descobertas, me fazia desabar em lágrimas todas as vezes que eu tentava colocar os pés para fora de casa.

Alguns meses depois fiz amizade com uma garota do prédio em que eu morava. Seu nome era Michelle. Nós éramos extremamente opostos, eu era um rockeiro depressivo de quinze anos e meio e ela era uma funkeira festeira dois anos mais velha que eu (dezessete anos). Nossa amizade era improvável, apesar de que naquela época, mesmo com tudo o que havia passado, eu ainda era um dos garotos mais populares do Leblon. Minha amizade com Michelle se devia ao fato de que ela era a única “traficante” que eu conhecia e eu havia me perdido na ideia de que as drogas poderiam me fazer esquecer meus dramas.

Ah sim, esse também é um detalhe extremamente importante. Eu ainda morava com meus pais, em uma cobertura na avenida Delfim Moreira. Meu pai, Christopher, era engenheiro e nunca passava mais que as poucas horas que dormia em casa, quando dormia em casa. Minha mãe, Marissa, era uma importante figura da alta sociedade, apesar de ter sido mãe muito jovem (engravidou de sua primeira filha, minha irmã mais velha, Jullie, com 14 anos) era a pessoa mais conservadora que eu conhecia, mas eu já havia deixado bem claro que ela não podia controlar a minha vida por completo e que eu precisava cometer meus próprios erros para poder crescer a aprender dessa forma.

Minha irmã, Jullie, tinha 19 anos na época e não morava conosco há vários anos por conta de seu trabalho como modelo internacional. Mas vamos nos atentar aos fatos importantes, mais tarde falaremos sobre as demais personagens desta saga.

Outra pessoa de extrema importância para a compreensão desta história era Mateus. Mateus era o típico menino bem aparentado que parece passar o dia na academia tentando fazer seus músculos crescerem de maneira incessante. Ele conseguia esconder sua sexualidade muito bem, Michelle havia o apresentado a mim, na esperança de que formássemos um casal, para que eu pudesse retomar minha vida e esquecer tudo o que havia passado. Mateus era muito bonito, tinha a um sorriso meigo e ao mesmo tempo masculino no rosto, seus olhos castanho claro com pequenas machinhas na cor marrom sobre a íris davam um encanto especial a sua feição, ele media aproximadamente 1,79 sendo aproximadamente três centímetros maior que eu. Ele tinha a pele extremamente clara, algo incomum para o rio de janeiro, porém não era como algo feio ou estranho, todos os seus atributos combinavam, fazendo com que várias garotas perdessem seus suspiros em sua beleza e em seu corpo moderadamente definido, algo que ficava visível mesmo por baixo de suas roupas. Ele tinha 18 anos na época, era o mais velho de nós, o que sempre o levava a ser a pessoa que comprava bebidas e conseguia itens como identidades falsificadas para nós.

Apesar da ideia de Michelle, Mateus e eu nunca fomos de fato um casal. Nós nos tornamos melhores amigos, daqueles que você acha que só vê em filmes de TV, para os quais você pode contar qualquer coisa e não se importar em ser julgado. Matheus havia se apaixonado por mim há alguns meses, mas parecia ter superado minha negativa. Nós havíamos ficado algumas poucas vezes. Alguns beijos trocados e algumas experiências que acabaram com a minha lembrança do meu namoro. Ele teve toda a paciência necessária comigo, mesmo provavelmente sabendo que eu era um caso perdido.

Como bons melhores amigos, Matheus, Michelle e eu costumávamos sair todas as noites. Nós íamos principalmente a festas em residências de amigos de ambos e em boates, usando nossas identidades falsas extremamente questionáveis.

Era quinta-feira e Michelle havia conseguido cortesias para uma boate no centro da cidade onde seu “ficante” trabalhava como segurança noturno.

Eu estava sentado em minha cama, encostado a parede, olhando o mar pela janela. Aquela praia me trazia várias lembranças que eu gostaria de esquecer e ao mesmo tempo significaram muito para mim. Meu celular tocou, vibrando melodiosamente sobre o edredom da cama.

Eu peguei o celular e olhei o número na tela. Era Michelle, eu sabia que ela iria me chamar para sair. Ainda não sabia das cortesias para a boate que ela havia conseguido, mas Michelle só me ligava para me chamar para sair.

_Alô. – Atendi.

_Danilo, se arrume que nós vamos sair essa noite. Tem um lugar incrível tocando funk no centro e o Carlos está trabalhando lá como segurança.

_Funk? – Perguntei demonstrando a ela meu desânimo evidente em minha voz. Ela sabia que eu não gostava de funk.

_Vamos, eu pago a bebida e eu to com uma erva nova que você vai adorar.

Eu não me importava que tipo de música eu teria que ouvir, desde que eu pudesse beber e fumar alguns baseados antes de voltar para casa. Era a única distração que eu queria no momento.

_Tudo bem. A gente se encontra às onze. – Respondi fazendo com que ela vibrasse vitoriosamente do outro lado da linha.

_Vou ligar pro Mateus e pedir pra ele vir nos buscar. Beijo. – Disse ela desligando.

Era sempre assim. Ela precisava apenas dizer as palavras mágicas para que eu me rendesse por completo aos seus desejos festivos. Nós sempre nos encontrávamos na porta de sua casa, onde ela me dava a primeira prova de minha fuga da realidade e o resto da noite a fumaça da maconha e o gosto forte das bebidas me mantinham ocupado, me impedindo de pensar em qualquer outra coisa além do quão chapado eu poderia ficar.

Eu peguei uma jaqueta preta de couro no closet, uma calça jeans escura rasgada na altura do joelho, meus tênis supra vermelhos de cano alto e uma camiseta cinza com uma estampa de um personagem famoso de desenho animado fazendo um gesto obsceno. Deixei as roupas que havia escolhido sobre minha cama e fui para o banheiro do quarto. Aquela banheira me fazia lembrar de Daniel, tudo ali me fazia lembrar de Daniel. Eu tomei meu banho, tentando evitar qualquer lembrança que brotasse de mim.

Fui até o espelho com uma toalha enrolada a cintura. Com o antebraço desembacei o espelho camuflado pelo vapor. Eu estava mais magro do que me lembrava, não chegava a ser algo que remetesse a uma pessoa doente, mas minhas costelas e outros ossos mais aparentes estavam um pouco mais evidentes do que eu conseguia me lembrar. Depois da morte de Daniel eu havia perdido sete quilos, o que não é nada comum para um adolescente. Eu havia recuperado quatro quilos, mas ainda estava um pouco magro para o padrão dos adolescentes da cidade. Minha pele estava pálida, eu saía raramente durante o dia. Somente para a escola, mas como Michelle e eu estudávamos no mesmo colégio, Mateus nos levava ritualisticamente para as aulas em seu carro. Mesmo com a palidez, mesmo estando um pouco mais magro que normalmente, já que eu era normalmente um garoto magro e mesmo com o leve par de olheiras debaixo dos meus olhos, eu ainda era um garoto bonito. Eu havia chegado a ser convidado para trabalhar como modelo na agência em que minha irmã trabalhava. Meu cabelo era louro escuro, liso, eu usava um corte levemente arrendado com uma franja sobre os olhos, como os colírios tão populares da época. Meu rosto era marcado por ossos que o exaltavam de uma maneira graciosa, minha boca era pequena e meus lábios carnudos e vermelhos, meus cílios longos contrastavam com meus olhos médios e minhas sobrancelhas largas. Eu costumava me achar um garoto bonito, eu gostava de minha aparência e me sentia confortável com isso, claro antes de tudo o que havia acontecido.

Eu saí do banheiro e vesti minha roupa, me sentindo estiloso, porém, inapropriado para o tipo de local que iria aquela noite. Não dei muita importância para isso e resolvi sair mesmo assim.

Faltavam poucos minutos para as onze, eu estava sentado encostado à parede do corredor do andar de Michelle quando ela abriu a porta e saiu fechando-a outra vez, usando apenas um top e uma bermuda preta, ambos extremamente curtos, revelando sua pele dourada pelo sol e suas curvas que faziam com que os garotos sempre perdessem seus pensamentos nela. Seus cabelos naturalmente louros e claros haviam sido propositalmente cacheados e ela usava maquiagem escura em volta de seus olhos verdes que ficavam ainda mais claros quando ela o fazia.

_Você está vestido demais. Acho que você ainda não entendeu que nós moramos no Rio de Janeiro. – Disse ela olhando para a minha roupa.

_Você pelo visto fez a lição de casa. – Respondi a ela sabendo que sua roupa, ou melhor o que estava por baixo dela, chamaria mais atenção do que qualquer outra coisa na boate.

_Vamos lá. O Matheus está nos esperando lá em baixo. – Respondeu ela caminhando como se desfilasse em uma escola de samba, fazendo com que seus saltos batessem ao chão fazendo um barulho que parecia poder ser ouvido por todo o edifício.

Nos descemos usando o elevador e saímos. Mateus estava sentado dentro do carro de sua mãe. Uma Ecosport 2011 prata muito bem cuidada. Ele parecia sério enquanto olhava para o celular em sua mão. Até nos ver chegando.

_Boa noite pessoal. – Disse ele abrindo sorrindo amigavelmente. Ele usava uma camisa polo branca que o fazia parecer um pouco mais definido do que era, uma bermuda branca e um par de chinelos brancos.

_Boa noite. – Respondi entrando na porta traseira do carro e me sentando enquanto colocava o sinto de segurança.

Michelle se sentou no banco da frente e colocou os pés sobre o banco abraçando suas pernas como sempre fazia.

_Vamos lá. A gente tem que chegar antes da troca de turno. Os novos seguranças estão um saco quando pegam uma identidade falsa. – Disse ela fazendo com que Mateus ligasse o carro.

_Eu ouvi dizer que aquele lugar é um pouco perigoso. – Disse ele de maneira sugestiva me fazendo ficar um pouco preocupado.

_Isso é ignorância da zona sul. É só uma boate que toca funk carioca. – Disse ela tentando amenizar a situação.

Mateus dirigia seguindo a direção que o GPS do carro indicava sem parecer se preocupar muito com o boato que teria ouvido em algum lugar sobre o local para o qual estávamos indo ser um pouco perigoso.

Eu tentei não dar muita importância afinal, Michelle ainda não havia me dado nada aquela noite e eu realmente estava afim de ficar chapado.

Chegando ao local, Mateus estacionou o carro em uma vaga desocupada na rua e nós descemos. Havia uma fila para entrar na boate. Haviam pelo menos dez pessoas à nossa frente esperando para entrar.

_Vocês estão vendo o Marcos? – Perguntou Michelle se referindo ao seu ficante.

_Com essa fila não dá pra ver ninguém. – Respondi a ela fazendo com que dois rapazes alguns anos mais velhos que nós nos olhassem com suas feições de poucos amigos.

_Você não disse que ele estaria aqui? – Perguntou Mateus a Michelle.

_Ele pode estar ocupado com outra coisa. – Respondeu ela. – Me sigam. – Completou ela indo em direção a entrada da boate ignorando a fila de pessoas que nos observava sair.

Michelle parou em frente aos dois seguranças que verificavam a documentação das pessoas que aguardavam na fila. Um dos seguranças parou o que fazia e a observou atentamente.

_O Marcos está? – Perguntou ela com o semblante sério, como se quisesse deixa-lo constrangido.

_Boa noite boneca. O Marcos não está, mas se você quiser eu posso ser o Marcos pra você essa noite. – Respondeu ele gargalhando de maneira perversa e batendo o cotovelo no braço de seu colega de trabalho que forçou uma risada.

_Se eu tivesse afim de pegar alguém da sua idade eu passava a noite no asilo. – Respondeu ela com um sorriso irônico no rosto.

Mateus e eu trocamos olhares como se nos perguntássemos por que Michelle fazia essas coisas.

_Eu e meus amigos vamos entrar. Se você vir o Marcos, avisa que a Michelle tá dançando. É só ele procurar a roda de caras babando lá dentro. – Disse ela andando em direção a porta de entrada e passando por eles como se os ignorasse.

_Calma aí língua afiada. – Disse o outro segurança bloqueando a passagem de Michelle com o braço. – Vocês vão ter que mostrar suas identidades como todos aqui. – Completou ele como se a avaliasse com os olhos para tentar adivinhar se Michelle aparentava ter 18 anos de idade.

Michelle tirou a identidade que guardava no meio dos seios e entregou de forma rude enquanto suspirava e revirava os olhos ao segurança que sorriu de forma maliciosa ao olhar para o documento que estava entre os seios de Michelle. O segurança pegou o documento e o analisou cuidadosamente.

_Pode entrar. – Disse ele devolvendo o documento a ela. – Divirta-se. – Completou.

Michelle conseguia convencer qualquer pessoa sobre sua suposta maioridade, provavelmente seu corpo bem desenvolvido fazia com que todos pensassem que uma garota com menos de dezoito anos jamais teria aquela aparência.

Mateus entregou sua identidade para o segurança que olhou para ele atentamente entre olhares para analisar sua foto e o deixou entrar.

_E você? Posso te ajudar? – Perguntou o segurança me olhando atentamente.

Eu entreguei minha identidade falsa ao segurança que olhava para ela como se estivesse lendo um livro de piadas de mal gosto.

_Olha filho, acho que você errou o endereço da sorveteria. – Disse ele me olhando.

_Ah, fala sério. Você não entendeu que a gente conhece o Marcos? – Perguntou Michelle da porta de entrada ao lado de Mateus.

_Eu não trabalho pro Marcos. – Respondeu o segurança. – E mesmo que eu trabalhasse, isso aqui não engana nem um cego. – Completou jogando o documento no chão.

_Tem razão. – Disse alguém dentro da boate ainda no escuro, eu não conseguia ver ninguém mesmo forçando para que meus olhos focalizassem quem estivesse lá dentro. – Você não trabalha pro Marcos. Agora deixa ele entrar. – Disse um rapaz saindo a frente de Michelle.

O rapaz era alto parecia ter quase 1,90, era magro, usava uma camiseta regata estampada expondo suas várias tatuagens coloridas nos braços e nos dedos das mãos, usava um boné de aba reta para trás, parecia ter cabelos louros e curtos, os olhos eram extremamente azulados e parecia conseguir ser mais pálido que Mateus.

O segurança arregalou os olhos como se tivesse visto um fantasma, todos na fila se calaram e observaram o rapaz que aparentava ter no máximo uns 19 anos e outro segurança pegou minha identidade falsa no chão, me entregou e pediu desculpas pelo ocorrido.

_Peço desculpas. Por favor, entre senhor. – Disse o segurança que havia jogado meu documento falso no chão.

Eu entrei lentamente observando o modo estranho como os seguranças estavam agindo e observei o rapaz que havia me ajudado.

_Obrigado. – Disse a ele tentando compreender quem ele era e porque ele havia feito aquilo.

Ele me observou de cima a baixo, como se procurasse algo em mim, me olhando atentamente com seus olhos azuis que brilhavam no escuro.

_Da próxima vez só peça para que seus amigos não chamem tanta atenção. – Disse ele indo em direção a um outro rapaz de cabelo rastafári que o esperava me olhando com a mesma expressão que as pessoas na fila haviam me olhado.

_Quem é ele? – Perguntei a Michelle me sentindo sem reação.

_Aquele é Mike, mas todo mundo chama ele de alemão. Ele é dono da boate e o melhor traficante da cidade.

_Eu sabia que a gente não deveria ter vindo aqui. – Disse Mateus analisando o local a sua volta.

_Deixa de ser idiota. Você vê pessoas como ele todos os dias no trabalho ou na rua, só não sabe o que elas fazem. – Respondeu ela tentando parecer lógica.

Michelle olhou para mim e sorriu com um sorriso específico.

_Eu vou buscar seu doce. Me espera aqui. – Disse ela indo em direção ao banheiro.

_Vem vamos beber alguma coisa. – Disse Mateus parecendo decepcionado com Michelle.

_Eu vou ficar aqui. Eu preciso… – Pensei antes de concluir minha frase. Eu não iria dizer em voz alta que precisava de maconha.

_Tudo bem. Eu trago algo pra você. – Respondeu ele após suspirar e foi em direção ao bar.

O que havia acontecido? Porque Mike teria me ajudado a entrar em sua boate? Ele me conhecia? Michelle teria esquecido de me contar alguma coisa? Eu estava ocupado com meus próprios pensamentos quando alguém me trouxe um copo com uma bebida verde fluorescente.

O homem estava vestido como um barman, mas eu não sabia se ele realmente trabalhava ali.

_Onde o Mateus está? Ele disse que voltaria. – Perguntei ao homem pressupondo que a bebida teria sido mandada por ele.

_Foi ele quem mandou a bebida. – Disse o homem indicando com a cabeça na direção de um camarote aberto no segundo andar de onde Mike olhava para mim sentado em uma poltrona com o mesmo rapaz ao seu lado.

_Por que ele faria isso? – Perguntei a ele confuso.

_Creio que isso o senhor terá que perguntar a ele. – Respondeu o homem.

Eu peguei a bebida e fui em direção ao que parecia ser a entrada para o camarote onde Mike estava.

Um segurança alto, negro, bem aparentado, usando terno escuro guardava a porta.

_Você vai entrar? – Perguntou ele me observando e segurando a porta.

_Eu posso? – Perguntei tentando descobrir o que me aguardava.

_Você está com o cartão VIP, fique à vontade se quiser subir. – Respondeu ele indicando que o copo com a bebida verde fluorescente indicava algum tipo passe livre.

Eu respirei fundo e acenei para o segurança com a cabeça que abriu a porta e a fechou assim que entrei.

Eu subi as escadas mal iluminadas por lâmpadas que tremeluziam em sua pouca luz amarela. Subi até o camarote de onde podia ver de modo amplo todas as pessoas que se divertiam na pista de dança.

_Achei que você não viria. – Disse Mike de costas para mim, provavelmente ao ouvir meus passos.

O rapaz alto, negro, forte, de cabelo rastafári se virou para me observar como se não tivesse ouvido minha entrada.

_Eu tinha que agradecer pela bebida, ou pelo cartão vip, ainda não sei. – Disse a ele.

Mike se virou para minha direção, girando sua poltrona, me observou e sorriu da minha piada expondo dentes brancos brilhantes.

_Você não parece ser o tipo de pessoa que vem aqui. – Disse ele me observando.

_Você não parece ser o tipo de pessoa que tem uma boate. – Respondi experimentando da bebida que ele havia me dado. O gosto era doce e ao mesmo tempo a quantidade de álcool parecia ser enorme.

Mike sorriu outra vez.

_Tome cuidado, isso é muito forte. – Disse ele fazendo com que eu tomasse minha bebida de maneira mais calma.

_Senta aqui. – Disse ele indicando uma poltrona ao seu lado.

Eu observei o lugar em que estava e a feição do rapaz que estava ao lado de Mike por alguns segundos. Ele parecia focado em fingir não prestar atenção em nossa conversa enquanto na realidade prestava atenção em cada detalhe.

Eu caminhei até a poltrona sentindo os olhos de Mike me acompanhando a cada passo.

_Então o que te traz aqui? – Perguntou ele ao perceber que eu havia sentado na poltrona preta ao seu lado e voltou a observar a movimentação das pessoas dentro da sua boate.

_Minha amiga queria vir, então nós viemos com ela. – Respondi.

_Você fala da loirinha? – Perguntou ele voltando a me observar.

_Sim. A gente mora no mesmo prédio. – Respondi a ele sentindo seus olhos em mim.

_O que você usa? Cocaína, Êxtase, erva? – Perguntou ele fazendo com que eu me sentisse extremamente desconfortável. – Não precisa ficar com vergonha, ninguém está aqui pra te julgar. – Disse ele.

O rapaz que permanecia de pé ao lado de Mike olhou para mim esperando pela minha resposta.

Eu estava arrependido de sair de casa e queria muito que aquele momento simplesmente acabasse.

_Espero não ter te constrangido. Bom, se você compra da loirinha você está usando o pior. Não quero me gabar, mas eu sou o único da cidade que não vende porcaria pros meus clientes. – Disse Mike não parecendo nenhum pouco modesto. – Kevin, pega um “charuto” pra mim. – Disse Kevin ao rapaz que estava de pé ao seu lado que prontamente foi até uma pequena escrivaninha e abriu uma gaveta pegando o que parecia ser um baseado.

Kevin entregou o baseado a Mike e o ascendeu com um isqueiro enquanto Mike segurava o baseado entre os lábios.

Eu observei a forma como ele parecia saber que estava prestes a sentir algo bom. Mike olhou para mim como se compreendesse o que eu estava sentindo.

_Você quer? – Disse ele após dar a primeira tragada liberando o aroma de uma erva completamente diferente de qualquer aroma que eu já havia sentido.

Eu respirei fundo fechando os olhos como se eu mesmo estivesse fumando.

Mike sorriu outra vez.

_Vem cá muleque. – Disse ele se aproximando, inclinando sua cabeça da minha enquanto puxava o máximo que conseguia em uma tragada profunda.

Mike percebeu me desconforto e pareceu não se importar em aumenta-lo, quando colocou sua mão em minha nuca, puxando minha cabeça em direção a sua e deixando seus lábios a um dedo de distância dos meus. Senti meu corpo se arrepiar e Mike pressionando seus dedos contra minha nuca, me puxando enquanto soltava a fumaça de seu baseado em minha boca e eu tragava como se fumasse os lábios de Mike sem tocá-los de fato. Apesar de estarem a poucos milímetros de distância dos meus.

Ao terminar, Mike esperou um pouco para tirar sua mão de minha nuca. Pude vê-lo me olhando com um leve sorriso dentro de meus olhos.

_E aí? O que você achou? – Perguntou ele enquanto tragava seu baseado olhando para as pessoas na pista que se juntavam próximas ao palco onde um MC cantava.

_Eu nunca fumei nada assim. – Respondi deixando a ele a incógnita de ter que adivinhar se eu estava falando sobre a erva ou o quase beijo.

Mike sorriu.

_Kevin. Nos deixe a sós por favor. Diga a todos que eu não quero ser incomodado. – Disse Mike sem olhar para Kevin.

_Sim senhor. – Respondeu Kevin saindo em direção as escadas.

Eu senti um frio tomar conta do meu estômago. Por que ele havia pedido para Kevin sair do local? O silêncio predominou por alguns segundos até que eu me sentisse extremamente desconfortável outra vez.

_Eu preciso ir. Meus amigos devem estar preocupados. – Disse a ele me levantando.

_Não estão mais. – Respondeu ele apontando para Michelle que nos observava do meio da pista ao lado de Mateus que ainda não havia me visto.

Michelle fez um gesto de joia com a mão e deu um sorriso sugestivo.

Eu me senti extremamente envergonhado.

_Hei, você está bem? – Perguntou Mike se levantando de sua poltrona e vindo em minha direção.

_Eu estou bem. – Respondi me sentindo sem ação e sem saber o que fazer.

Mike me observou como se tentasse se convencer de que eu falava a verdade.

_Vem comigo. – Disse ele abrindo uma porta ao lado da saída para a escada.

Ele acendeu a luz e havia um quarto grande com cama, frigobar e um banheiro. Tudo muito organizado.

_Vem senta aqui. – Disse ele me mostrando a cama.

Eu me sentei e passei a mão nos cabelos como se dessa forma conseguisse me desligar do mundo.

_Eu realmente preciso ir embora. – Disse a ele tentando me convencer a me levantar e encarar Michelle.

_Eu sei do que você precisa. Toma pega. – Disse ele me entregando o baseado.

_Eu não posso fumar sua erva de graça na sua boate ou no seu quarto. – Disse a ele.

_A gente divide. É só você fazer o que eu fiz. – Disse ele colocando o baseado na minha boca e passando a mão sobre os meus cabelos tirando uma mecha da minha franja dos meus olhos.

###############(CONTEÚDO EXPLÍCITO)###############

Eu senti meu corpo se arrepiar outra vez enquanto um frio tomava conta do meu estômago e ondas agradáveis de calor tomavam conta do meu corpo. Eu traguei o baseado, sentindo aquela erva adentrar em meus pulmões com sua fumaça espessa. Mike me olhava atentamente, como se tivesse prazer em me ver fazer aquilo. Eu me aproximei dele e ele colocou sua mão em minha nuca outra vez, porém, dessa vez ele não se preocupou quando colou seu lábio aos meus, puxando a fumaça que eu liberava enquanto nossos lábios se encontravam com seu calor úmido.

Mike estava terminando de inalar a fumaça que eu liberava, quando pressionou sua mão contra minha nuca ainda com mais força e me puxou com sua força voraz para um beijo molhado, intenso e quente. Eu sentia sua língua passear sobre a minha. O gosto de sua boca, misturado ao sabor da erva me fazia enlouquecer. Mike mordiscava e puxava meus lábios enquanto o fazia com os dentes suavemente e volta a me beijar ainda mais intensamente a cada segundo como se quisesse me devorar naquele beijo. Sua respiração quente e ofegante entre os beijos batia em meu rosto fazendo com que eu me entregasse ainda mais ao desejo de saborear sua boca. Ele envolveu seu braço em volta da minha cintura em um abraço apertado enquanto me beijava. Eu sentia sua força, o calor de seu beijo intenso, beijo esse que ele parecia não querer terminar.

Mike parou o beijo e me olhou atentamente com o semblante sério e um brilho no olhar. Seus lábios haviam tomado uma cor rosada e brilhava úmidos pelo beijo. Ele respirou mais uma vez liberando seu hálito fresco com cheiro de maconha em meu rosto. Ele me olhava como se me pedisse aprovação para continuar o que estava fazendo. Eu sentia meu corpo estremecer cada vez que ele respirava liberando seu hálito em meu rosto.

Não esperei. O puxei para outro beijo e isso pareceu fazer com que ele aumentasse ainda mais seu desejo. Ele voltou a me beijar como se nunca tivesse beijado qualquer pessoa na vida. Ele me devorava sem se preocupar com o que estava fazendo. Descia até meu pescoço, o beijando, mordendo e chupando minha pele de leve. Eu sentia todo o meu corpo responder a isso como se eu estivesse esperando por isso há anos.

Mike tirou minha jaqueta e puxou minha camiseta para cima a erguendo enquanto me beijava. Parou de me beijar apenas para tirar minha camiseta e voltou a fazer colocando as mãos quentes sobre a região entre as minhas costelas e a minha cintura. Mike parou de me beijar observando os ossos de minhas costelas enquanto corria os dedos sobre eles com um leve sorriso no rosto.

Eu me senti envergonhado, como se estivesse recobrando a consciência por meus atos, mas antes que eu pudesse me levantar ou dizer qualquer coisa, Mike me deitou na cama e correu sua boca pelo meu tórax, mordendo cada centímetro do meu peito até a minha barriga, liberando o ar quente sob a minha pele. Eu respirava ofegante enquanto sentia a boca de Mike sobre meu corpo.

_Você vai fazer tudo o que eu mandar? – Perguntou ele me olhando com um olhar como se estivesse faminto e pronto para me atacar.

Acenei com a cabeça em consentimento respondendo sua pergunta.

Mike abriu um leve sorriso malicioso em seu rosto.

_Eu não sou como as outras pessoas e agora que você aceitou vai ter que me obedecer. – Disse ele me deixando um pouco nervoso.

Mike tirou sua regata, revelando seu corpo magro e sua pele clara coberta por tatuagens coloridas. Ele se aproximou de mim e apertou meus lábios entre as mãos, lançando um olhar de maldade sobre mim. Ele me beijou de maneira um tanto violenta e mordeu meus lábios com um pouco mais de força dessa vez, os puxando até causar um leve incômodo.

Mike deu alguns tapas leves em meu rosto de maneira inesperada enquanto observava atentamente a minha reação com um sorriso extremamente malicioso em seu rosto.

Mike tirou seu tênis colorido e colocou em meu rosto prendendo-o ao meu nariz sem qualquer aviso. Seu tênis não tinha nenhum cheiro ou odor muito forte, somente um cheiro suave de meia usada que se misturava com um cheiro bom, o que eu acreditava ser o cheiro de sua pele.

_Respira. Quero que você sinta o cheiro de um macho de verdade. – Disse ele ordenando que eu o fizesse.

Eu respirei inalando aquele cheiro e deixando que ele tomasse conta de mim. Era estranho, eu nunca havia feito nada assim, mas estava gostando das perversões de Mike.

Ele tirou seu tênis do meu rosto e subiu na cama, passando seu pé ainda dentro da meia sobre o meu nariz, me fazendo sentir o mesmo cheiro de seu tênis. Eu apenas respirava em silêncio, deixando que aquele momento acontecesse. Mike parecia gostar do fato de que eu não resistia de nenhuma forma. Ele observava minha reação atentamente parecendo se excitar em demasia com isso.

Mike tirou a meia e a jogou em meu rosto, deixando-a cair sobre o meu nariz e a pressionando sobre ele para que eu continuasse a cheirá-la com seu pé descalço.

O pé de Mike era branco, grande e magro. Eu não tinha esse tipo de fetiche, ou pelo menos nunca havia feito ou pensado em fazer nada daquele tipo ainda.

Mike tirou a meia do meu rosto e me olhava como se assistisse a um espetáculo incrível.

_Agora fica de quatro na cama e beija o meu pé. – Ordenou ele me observando.

Eu o fiz. Me sentei lentamente até me virar e ficar na posição que ele havia pedido. Mike mexia os dedos dos pés, como se esperasse pelo que havia me pedido.

Eu comecei a beijar seus pés lentamente, demorando ao perceber que havia gostado mais do que havia imaginado que poderia. Seus pés estavam quentes e sua pele tinha um leve sabor que se confundia com seu aroma agradável. Eu demorava com meus lábios úmidos sobre a parte de cima dos pés quentes e macios de Mike. Antes que ele me pedisse para fazer qualquer outra coisa eu quis experimentar algo. Vendo aquele pé branquinho e quente parado a minha frente eu não esperei que Mike me pedisse qualquer outra coisa, eu me aproximei de maneira instintiva e passei a língua no espaço entre seus dedos que liberavam um sabor indescritivelmente bom. Eu olhei rapidamente para Mike que parecia não acreditar no que estava acontecendo. Seus olhos se encheram com um brilho e seu rosto demonstrava a extrema satisfação e excitação que ele estava sentindo.

Mike ergueu seu pé de maneira que me fez acreditar que queria que eu o colocasse dentro da boca. Lentamente comecei a chupar seu dedão e Mike suspirou de prazer enquanto me observava. Eu revezava entre chupar os dedos dos pés quentes de Mike e passar a língua na parte de baixo de seus dedos e de seu pé. Mike esperou que eu voltasse a chupar seus dedos para forçar a entrada de seu pé em minha boca. Ele empurrava sabendo que jamais conseguiria colocar todo o seu pé ali dentro, mas parecia não se importar com isso. A ferocidade de sua excitação era evidente em seu olhar.

Mike respirou como se tentando recobrar os sentindo e me puxou para outro beijo violento. Sua língua batia de maneira agressiva por toda a minha boca enquanto ele agarrava minhas cinturas com as mãos usando sua força. Mike me olhou nos olhos como se tentasse guardar aquele momento em sua mente.

_Quero que você me beije aqui, como se estivesse me dando um beijo de língua. – Ordenou ele erguendo os braços e indicando suas axilas.

Mike quase não tinha pelos em local algum do corpo e suas axilas não fugiam a essa regra. Eu olhei para as axilas de Mike enquanto ele erguia os braços e me entreguei ao seu pedido.

Eu encostei os lábios de forma suave em suas axilas, deixando com que eles se movimentassem em um beijo encenado passando minha língua suavemente como que no calor de nossos beijos. O primeiro sabor que senti foi o leve sabor amargo do desodorante que ele usava. Apesar de nunca ter praticado algo parecido, todas as coisas que Mike pedia só me deixava ainda mais excitado. Eu comecei a beijar suas axilas aumentando a intensidade e Mike correspondeu empurrando minha nuca, pressionando-a para que eu aumentasse ainda mais a intensidade daquele beijo. Eu passava minha língua sobre sua axila como se fosse a língua de Mike ali, terminei e fiz o mesmo em sua outra axila.

_Nossa! – Exclamou Mike me jogando violentamente de costas para ele na cama. Mike tirou meu cinto e em seguida abaixou minha calça Jeans. Ele colocou o cinto ao meu lado na cama e acariciava minha bunda por cima da cueca.

Mike abaixou minha cueca e sem que eu pudesse ter qualquer reação começou a passar sua língua quente e molhada na portinha do meu cu. Ele usava as mãos para deixar meu bumbum fora do caminho aproveitando para apertá-lo com força. Eu sabia que estava gemendo, baixo, mas estava gemendo. Também, com o que Mike fazia não havia como não gemer, ele parecia estar tentando e quase conseguindo me fuder com a sua língua. Ele usava sua língua com força fazendo com que ela abrisse caminho na portinha do meu cu, mas parecia não estar satisfeito enquanto o fazia deixando meu cu todo molhado. Mike começou a enfiar seu dedo do meio e pude notar que apertou meu bumbum com mais força com a outra mão, talvez como um reflexo da excitação que ele estava sentindo.

Mike parecia não gostar do fato de meu cu ser extremamente apertado enquanto o lubrificava com cuspe para enfiar os dedos ali.

_Eu vou fazer uma coisa, mas é só pra saber se você vai aguentar a dor. – Disse ele me deixando preocupado.

Mike me puxou e me colocou deitado de costas sobre o seu colo. A parte inferior da minha barriga foi de encontro com algo enorme e extremamente duro. Aquilo não podia ser o pênis dele? Não daquele tamanho, parecia ser um pedaço de madeira dentro da bermuda longa que ele usava.

Mike não me avisou quando deu o primeiro tapa com toda a força que conseguiu em meu bumbum, me fazendo revirar ao sentir o ardor daquela dor latejante. Ele observou minha reação e repetiu o tapa sobre o local que havia acertado fazendo com que doesse ainda mais que o primeiro. Eu senti a dor tomar conta do meu corpo em ondas que me percorriam por inteiro.

Mike pegou o meu cinto e começou a acertar meu bumbum com ele, fazendo com que eu me contorcesse em seu colo a cada golpe que ele acertava. Mike intercalava usando a mão as vezes e parando para apertar o meu bumbum. Neste momento pude sentir seu pau pulsando em minha barriga. Eu ainda não conseguia acreditar que era grande como parecia ser.

Ele me colocou de quatro e passou o cinto em volta do meu pescoço como uma coleira e o segurava, como se para me manter na posição certa.

Mike abaixou sua bermuda e sua cueca e eu senti seu pau roçando em minha bunda. Era enorme, provavelmente tinha uns 25 centímetros e era o pau mais grosso que já tinha visto na vida. A cabeça era vermelhinha e algumas veias estavam expostas.

Meu único pensamento era a dor que ele causaria. Mike cuspiu sobre ele, o lubrificando para que começasse a enfiá-lo em mim.

Quando ele começou a pressionar, tentando forçar a entrada daquele pau enorme no meu cuzinho apertado, eu senti uma dor lacerante tomar conta de mim. Mike parecia não se importar com isso. Ele continuava forçando na esperança de que entrasse.

Eu comecei a gemer de dor e ele pareceu ficar ainda mais excitado com isso. Mike puxava o sinto que me enforcava de maneira mediana me obrigando a manter a posição em que estava.

Senti uma enorme dor, meu cu ardia de uma maneira que eu não conseguia explicar. Era como se alguém estivesse tentando colocar algo que nunca caberia ali dentro.

Agarrei o lençol da cama e cerrei meus olhos na esperança de que aquela dor acabasse. Deve ter entrado, pensei. Mas Mike não parava de forçar.

Soltei um gemido alto de dor. Como se tentasse dizer que não aguentava mais aquilo. Pude ouvir Mike rindo de maneira sarcástica.

_Agora que eu coloquei a cabecinha, calma que eu vou enfiar até o talo. – Disse ele pressionando seu pau contra meu cu.

Eu entrei em pânico interno. Se aquilo era só a cabeça quanta dor eu iria sentir quando ele adentrasse totalmente em mim?

Eu senti seu pau deslizar lentamente dentro de mim deixando um rastro de dor tremendo. Eu gemia pela dor me contorcendo na posição em que estava enquanto era enforcado pelo meu próprio cinto.

Mike pareceu perder a paciência pela lentidão que meu corpo aceitava que seu pau entrasse a forçou o máximo que conseguiu fazendo com que seu pau terminasse de entrar. Eu soltei um grito de dor e me contorci na cama.

_Agora sim. – Disse ele.

Aquele era o máximo de dor que eu conseguia suportar, mesmo pensando naquele momento que eu não suportaria mais aquele pau enorme me rasgando ao meio.

Mike começou a se movimentar, como se tentasse fazer com que seu pau girasse dentro de mim.

Eu gemia de dor, deixando-o ainda mais excitado. Ele começou a bombar, se movimentava fazendo seu pau ir para frente e para traz sem que saísse de mim. Com uma mão puxava o cinto que me enforcava e com a outra apertava minha cintura com força. Cada vez que eu gemia de dor ele começava a bombar mais rápido.

_Eu vou pirocar esse cuzinho a noite inteira. – Disse ele me dando um tapa no bumbum e metendo com mais força.

Senti meu pau crescer, como se as “maldades” de Mike me excitassem. Senti uma parte da dor se transformar em prazer e liberei um gemido reclamando da dor como se ao mesmo tempo estivesse sentido algo extremamente bom.

_Tá gostando minha cadelinha? Você vai adorar isso então. – Disse Mike tirando seu pau do meu cu que parecia aliviado e piscava em uma dor latejante.

Mike enfiou seu pau, dessa vez sem rodeios, me fazendo gritar. Eu senti aquele pau enorme queimando meu cu em sua entrada. Mike repetiu a ação. Ele tirava e colocava seu pau do meu cu, me forçando a aguentar a dor.

Ele tirou seu pau do meu cuzinho outra vez, mas dessa vez me puxou, me tomando em seu colo como uma criança. Ele estava me segurando enquanto estava de pé no chão.

_Sempre quis fuder alguém assim. – Disse ele me segurando no colo enquanto encaixava seu pau no meu cuzinho outra vez.

Ao senti-lo me segurar daquela forma enquanto colocava seu pau dentro de mim eu me senti nas nuvens. Ele percebeu minha extasia e começou a meter enquanto me segurava no colo.

Pude ver seu rosto feroz outra vez. Ele me beijou enquanto metia seu pau enorme em mim. Seu beijo era molhado e extremamente quente. Sua língua parecia saborear a minha enquanto o pau dele saboreava meu cu. Eu gemia durante o beijo e ele parecia ficar cada vez mais excitado.

_Eu vou te colocar na cama pra te dar leitinho na boca. – Avisou ele.

Mike me colocou sentado na cama enquanto ficou parado de pé na minha frente. Ele voltou a usar o cinto em meu pescoço como uma coleira, me puxando e me obrigando a engolir sua piroca enorme.

Eu engasgava no pau de Mike devido ao seu tamanho exagerado. Ele parecia gostar e eu realmente não estava achando aquilo ruim. Mike começou a gemer mais alto enquanto inclinava o seu quadril para frente. Eu esperei pelo jato que pensei que sairia rapidamente, mas Mike parecia realmente estar segurando até o último segundo.

Depois de alguns minutos engasgando na sua piroca Mike me fez colocar aquele pau até o fundo da garganta enquanto o chupava e pude sentir um jato quente muito forte inundar minha garganta. Ele parecia ter gozado tanto que era difícil de imaginar aquilo tudo saindo de alguém e ele não havia acabado. Ele tirou o pau da minha boca enquanto o masturbava e gemia como um urso e inundou minha boca com mais dois jatos fortes. Era muita porra, chegava a escorrer ao mesmo tempo para dentro da minha garganta e pelo meu queixo. Mike correu os dedos quando viu sua porra escorrendo pelo meu queixo e me obrigou a chupar seus dedos para limpá-los.

_Não é pra desperdiçar nada. – Disse ele com seu tom de ordem. – Deita, agora é sua vez de gozar.

Eu me deitei na cama e Mike pegou meu pau duro que pulsava de tanto tesão e me olhou com um sorriso sádico antes de colocá-lo na boca. Mike começou a me chupar enquanto me punhetava e eu pude sentir todos os músculos do meu corpo se contraindo. Eu comecei a gemer e ele tampou minha boca com sua outra mão. Por algum motivo aquilo me deixou ainda mais excitado.

Quando eu comecei a ficar mais ofegante, inquieto em meu lugar e gemer mais alto ainda com o som abafado pela mão de Mike, ele sabia que eu estava prestes a gozar, mas não tirou meu pau da sua boca. Mike chupava meu pau, deixando-o todo babado com sua boca quente e molhada e aquela sensação tomava conta de todo o meu corpo.

Eu tentei avisar a ele que eu ia gozar, mas ele simplesmente me mandou calar a boca e voltou a chupar meu pau enquanto me punhetava. Eu segurei o máximo que consegui, prendia a respiração, sentia minha cabeça pesada e aquele desejo de gozar tomando conta do meu corpo.

Tentei afastar a cabeça dele com a mão e ele segurou meu braço de maneira violenta e continuou me chupando. Eu senti meus olhos se revirando quando o primeiro jato saiu, Mike continuou o que estava fazendo. Meu corpo estava tremendo enquanto os outros jatos saíam. Mike só parou de me chupar quando teve certeza de que eu havia terminado e continuou me masturbando por um tempo observando meu corpo estremecer sem forças. Ele inclinou sua cabeça sobre a minha e apertou meus lábios me forçando a abrir a boca.

Mike liberou toda a minha porra que havia acumulado em sua boca, ele cuspiu toda aquela geleia branca na minha boca e me observou enquanto eu recebia meu próprio gozo.

_Engole tudo. – Ordenou ele.

Eu o fiz, mesmo estando um pouco desconfortável com a situação eu atendi a mais um pedido de Mike que parecia estar completamente satisfeito com o que havia acabado de acontecer.

Mike me olhou e sorriu correndo os dedos sobre os meus cabelos como havia feito mais cedo.

_Espero não ter te machucado. – Disse ele como se estivesse se desculpando. – Espero que a gente possa fazer isso outra vez. – Completou ele me olhando como se esperasse uma resposta de mim.

_Eu estou bem. – Respondi a ele ainda tentando recuperar o fôlego.

_Quero que fique com isso. – Disse ele me entregando sua camisa regata. – Pra ter uma recordação de hoje.

Eu sabia que não precisaria de nenhum presente para guardar a lembrança do que havia acabado de acontecer, mas aceitei e agradeci.

_Vamos descer? Perguntou ele.

############### (FIM DO CAPÍTULO 1)###############

…CONTINUA..