Perdi a virgindade com o pai da minha amiga

O meu nome é Letícia Dias, sou morena, cabelos encaracolados e na altura da cintura, peitos médios, bunda grande, olhos castanhos tenho atualmente 21 anos.
Desde pequena fui um pouco safadinha, com 8 anos minhas amiguinhas passavam a mão na minha bucetinha já, eu não sabia o que aquilo era mas gostava mesmo assim. Quando eu tinha uns 10 algumas vezes o irmão mais velho ( 40 anos mais ou menos) da minha babá brincava comigo, e nisso ele me colocava no seu colo, eu sentia uma sensação boa, então não me importava e as vezes ele passava a mão na xaninha por cima da calça, mas nada de mais.
Quando eu tinha 12 anos a minha mãe tirou férias e foi viajar e eu precisei ficar na casa da amiga dela já que moramos sozinha. A amiga dela a tia Ce tem um filho que mora numa casa no fundo do quintal, que por sinal é pai de uma das minhas melhores amigas e por isso preferia ficar na casa dela. Dormíamos numa treliche, a Laís na cama de cima, o Fabiano na do meio e eu na do chão. O Fabiano bebia bastante mas nunca a ponto de dar pt, só pra se soltar. Em um dia desses eu me deitei para dormir e de repente senti uma mão nas minhas costas. Gelei na hora. Era o seu Adriano. Ele ficava sussurrando se tava bom ou não, e eu é claro, resmungava bem baixinho sim, afinal ele não podia perceber que eu tava acordada. Ele perguntou se podia descer um pouco mais e eu sempre assentindo. Mas parou rápido infelizmente.
Alguns dias depois a Laís precisou ir dormir na casa da mãe dela já que seus pais eram separados e ficou só eu e o Fabiano na casa. Novamente senti ele passando as mãos nas minhas costas, depois no fecho do sutiã, mas sem tirá-lo, na calcinha, sem tirá-la também. Eu não estava mais aguentando de tanto tesão, nunca tinha visto um pau antes e estava curiosa, mas era estranho pensar no Fabiano que sempre foi como um pai pra mim e agora? Como ele iria me ver depois disso? Eu fiquei com receio de isso mudar. Mesmo assim fingi que tava dormindo meio acordada( tipo quando vocÊ fala dormindo ou algo parecido) e subi pra cama dele fingindo que ele era minha mãe e imóvel, e ele continuou,passou a mão no fecho do sutiã:
– Pode tirar?
– Uhum…
Aí ele tirou e começou a passar as mãos e apertá-los como ursinhos
– Que peitinhos durinhos, você gosta disso??
– Uhum…
Eu estava ficando maluca já, a sensação era muito boa, mas se eu abrisse os olhos ou apresentasse alguma reação a máscara caia, e ele veria que eu não estava dormindo. Ele foi descendo e chegando na minha bucetinha que tinha alguns pelinhos crescendo e começou a acariciá-la, eu senti que alguma coisa líquida saía de mim e era muito boa a sensação e ele dizia que era muito bom, e começou a enfiar o dedo dele bem devagar, inclusive tive que me segurar muito pra não movimentar o corpo. Depois de um tempo fazendo isso ele começou a beijar minha orelha e eu não aguentei e soltei um gemido. Ele sussurou pra mim:
– Eu sempre quis te comer sabia? Você é muito gostosa e eu não estava mias aguentando segurar.
Eu não disse nada então ele me viro pra ele e começou a mamar meus peitinhos médios ainda, soltei outro gemido e ele disse:
– Tá gostando né vagabunda?
– Claro
Ele desceu e senti sua cabeça na minha buceta e comecei a rebolar com a sensação que me invadia. Depois ele me envolveu em seus braços e começou a roçar sua rola dura em mim ainda e eu percebi surpreendentemente que estávamos vestidos ainda. Ele tirou o pau e aparentemente ele tinha uns 19 cm mais ou menos. Fiquei um pouco surpresa com o tamanho e peguei nele e comecei a punheta-lo, e ele me mandou chupar e foi o que fiz, chupei suas bolas, lambi seu pau e elas,… o Adriano ficou surpreso e logo de cara falou:
– Sua puta!!! Que gostoso, tem certeza que nunca mamou ninguém?
– Não tio (hábito de infancia)
Depois de muito tempo ele me pegou pela cintura e começou a enfiar seu pau em mim bem devagar pra não doer.
– Enfia sua rola na sua putinha enfia, enfia esse caralho e me fode toda.
Depois que ele enfiou tudo a sensação melhorou e ele começou a acelerar e ir rápido e mais rápido ainda.
– Hummmmm….. mete seu caralho mete…
A gente transou tipo papai e mamãe, cavalguei, mamei mais e por fim ele avisou que ia gozar na minha buceta, perguntou se podia e eu deixei, porque afinal eu não era mocinha ainda e não me importava.
– Eu sempre quis te foder toda e agora você é minha putinha, não acredito que tirei o seu cabacinho.
– Vamos transar sempre agora. Sou sua putinha pra sempre
Depois a gente foi dormir junto mesmo e depois no “dia seguinte” acordei sozinha e fui pra escola normalmente.
Depois sempre que não tinha ninguém em casa qualquer coisa era motivo pra transar e até hoje a gente se fode bastante.
Se alguém quiser conversar me siga no twitter: @lettdiasd
Tenho outra história e se eu ver que vocês gostaram eu conto também.