Lucas, meu enteado (parte 5)

Parte 5 de “LUCAS, MEU ENTEADO
Estava com Isabel em casa. Lucas estava na casa de um colega. Ela diz:
– amor, quero perguntar uma coisa. Fico com um pouco de vergonha.
– apenas pergunte, sem rodeios.
Ela procurou palavras e então indagou:
– Lucas é a primeira criança com quem você transa?
– não – respondi simplesmente.
Ela ficou me olhando, esperando que eu disesse mais algo. Acho que ela estava com receio de fazer perguntas, achando que poderia me chatear. Resolvi facilitar pra ela e disse:
– a primeira vez eu tinha 16 anos.
– e a criança tinha que idade?
– 7 ou 8. Não sei ao certo. Era bem pequena.
– menino ou menina?
– menina.
– mas teve penetração, não né?
– não. Ela era muito pequenininha. Tinha muita vontade mas medo de machucar. Por isso nunca tentei.
– claro. Com 16 anos você já devia ter um pau bem grande. Iria machucar ela com certeza.
– hum hum. Com certeza.
– e o que você fazia com ela, então?
– ensinei ela me punhetar, chupar. Roçava o pau na bucetinha dela, na bundinha. Essas coisas.
– e você gozava com ela?
– sim. Sempre.
– e quem era ela?
– filha de uma amiga de minha mãe que ficava em nossa casa três vezes na semana porque sua mãe fazia um curso então minha mãe tomava conta da menina. Coisa de amigas
– e como começou?
– um dia vendo desenhos na tv, ela também tava. Eu em um sofá e ela em outro. Ela tava sentada com as pernas abertas, eu fiquei olhando pra xoxotinha dela dentro da calcinha e me deu tesão. De imediato eu até tentei ignorar, foquei na TV, mas não deu. Ela continuava lá, na minha frente com as pernas abertas, a xoxotinha fazendo volume na calcinha, desenhando a fenda. Não consegui não sentir prazer com aquilo, me deu um tesão imenso. Meu pau endureceu na hora.
– e sua mãe onde tava?
– minha mãe costurava. Tinha um quartinho onde ela ficava e eu ouvia o barulho da máquina.
– continue.
– te excita ouvir essas coisas?
– sim, mexe comigo. Eu fico imaginando e me excita. Só de lembrar você também fica excitado, né?
– muito!
Eu já estava com o pau bem duro. Botei pra fora da cueca e Isabel logo botou a mão pra punhetar.
– continue contando – Isabel disse.
– então, eu fiquei com tesão olhando a xoxotinha dela. Me deu vontade de ver, tocar, chupar. Ela tava toda arreganhada na minha frente mas sabia que não havia maldade naquilo. Mas eu já estava com o pau pulsando e babando dentro da cueca. Então disse pra ela:
“eu tô vendo sua calcinha”
E ela me olhou e sorriu sem importar e continuo do mesmo jeito. Eu disse de novo:
“sua calcinha é bonita, que desenho é?”
E ela disse:
“é da barbie”
“é muito linda mesmo”
Ela riu vaidosa e perguntou:
“você acha mesmo?”
“eu acho. Posso ver de perto?”
“pode”
Meu tesão aumentou. Ela abriu mais as pernas e levantou a saia toda expondo-se pra mim. Me ajoelhei com a cara bem perto de sua xoxotinha. Meu pau parecia querer explodir de tanto tesão que aquela situação me dava. Minha boca encheu de vontade de meter a língua e chupar muito. Fiquei olhando. Uma delícia aquela garotinha toda arreganhada mostrando a calcinha pra mim, cheia de ingenuidade e eu louco pra meter minha língua e minha pica nela. Olhei pra ela que me olhava no meio de suas pernas. Eu disse:
“é linda sua calcinha”
“foi minha tia que me deu”
“sua tia é boazinha e gosta de você um bocado, né?”
“hum hum”
“eu também gosto um bocado de você, sabia”
“é?”
“é sim. Eu vou comprar um presente pra você também. Você quer?”
“claro que eu quero” ela respondeu bastante entusiasmada. “e o que é que você vai comprar pra mim?”
“você quer o quê? outra calcinha dessa?”
Nesse momento toquei de leve em sua xoxotinha por cima da calcinha mas demonstrando casualidade e ela nem importou. Continuei com o dedo em cima da xoxota e conversando com ela, que disse:
“outra calcinha não, quero uma boneca, uma barbie”
“igual essa daqui?”
Nisso alisei a xoxotinha mostrando a bonequinha na calcinha. Ela olhou pra dentro das pernas onde meu dedo tava e disse:
“hum hum, eu quero uma barbie dessa”
“ela é linda mesmo. Vou lhe dá uma”
Fiquei alisando sua bucetinha gostosa com cheirinho de mijo. Ela nem importava com meus carinhos e por isso continuei e ousei. Passei os dedos na fenda, empurrando um pouquinho. Tava com muito tesão e então botei a mão no meu pau por dentro do short e comecei uma punheta bem lenta pra ela não perceber muito. Eu disse:
“é linda essa barbie na sua calcinha. Dá vontade de beijar ela”
“por que?”
“por que é linda. É linda igual você”
Ela riu vaidoda e perguntou:
“você me acha muito linda, é?”
“muito. Você é a menina mais linda que eu conheço”
Ela riu mais e eu beijei sua xoxotinha. Beijei várias vezes e ela ria. Encostei bem a boca pressionando e beijei com vontade e tesão. Notei que ela abriu mais as pernas e eu não parei, continuei com minha boca esfregando em sua buceta. Ela foi parando de ri, ficou calada apenas sentindo minha boca lhe fazendo carinho. Olhei pra ela pra saber o que estava acontecendo e ela estava olhando pra mim, tava mordendo os lábios e seu rosto tava diferente. Imaginei que ela estivesse gostando, sentindo prazer. Sorri e ela sorriu de volta cúmplice. Botei de novo minha boca em sua xoxotinha, e agora com um pouco mais de intensidade. Queria ver até onde poderia ir com ela. Intensifiquei mais na punheta. Meu pau tava latejando, melando minha cueca inteira. Passei a língua com força empurrando um pouquinho na entrada e ela se empinou um pouco me oferecendo mais facilidade. Senti que ela queria mais e assim fiz. Passei mesmo a lamber sua xoxota com vontade e tesão. Ela se empinava e empurrava a bucetinha na minha boca.
– mas tudo isso por cima da calcinha dela? – Isabel perguntou ainda me punhetando e também se fazendo uma siririca bem prazerosa.
– sim. Queria puxar a calcinha pro lado e chupar direto mas fiquei com receio do contato direto de minha língua em sua xoxota lhe assustar e ela querer parar. Daquele jeito já estava delicioso e sabia que teria outras oportunidades com ela.
– meu amor, isso é delicioso. Fico imaginando a cena. Que tesão!
– é muito tesão. Muito mesmo.
– continue. Conte mais.
Isabel deitou entre minhas pernas e abocanhou meu pau. Continuei lhe contando enquanto sentia sua língua gostosa em minha pica. Eu disse:
– então continuei chupando a xoxotinha dela e ela se deliciando. Até então não sabia que crianças de 7 ou 8 anos já sentiam prazer sexual. Foi a melhor descoberta de minha vida.
Eu tava sentindo muito prazer e dando muito prazer a ela. Punhetava gostoso e lambia deliciosamente aquela xoxotinha. Tava quase gozando. Levantei, o pau fazendo um volumão. Ela ficou olhando. Eu perguntei:
“quer ver minha cueca?”
Ela balançou a cabeça em afirmativa. Baixei o short expondo meu pau duraço dentro da cueca. Ela vidrou o olhar na minha pica e sorriu. Perguntei:
“quer pegar na minha cueca?”
Ela só balançou a cabeça afirmando e tocou de leve na minha pica. Que tesão maravilhoso aquele toque. Meu pau pulsou, babou. Segurei pra não gozar. Perguntei:
“você gostou de minha cueca?”
“gostei”
“quer pegar de novo?”
“quero”
Ela tocou meu pau de novo, agora um pouco mais forte. Eu não disse nada. Fiquei parado esperando a reação dela e então ela tocou de novo, agora na cabeça de minha pica. Tirou a mão e ficou olhando meu pau pulsando pra ela. Ela sorriu pra mim e tocou mais uma vez e mais outra. Pressionava meu pau e soltava pra ver ele balançando. Meu tesão e prazer estava a mil. Eu disse:
“alise minha cueca como eu alisei sua calcinha”
Prontamente ela começou alisar minha pica. Alisava toda, da cabeça a base. Perguntei:
“você gostou da minha cueca?”
“gostei”
“é bonita?”
“é”
“tá gostando de alisar ela?”
“hum hum”
“quer dá um beijo nela?”
“quero”
“pode dá”
Ela encostou a boquinha linda, macia e quente em minha pica e beijou. Que delícia! Meu pau estremeceu e ela beijou de novo. Não sabia mais até onde ia a ingenuidade daquela menina de 8 anos. Comecei a crer que ela sabia muito bem o que fazia e estava adorando fazer. Então disse:
“alise com a boca”
Ela passou a boquinha na minha pica toda me fazendo gemer, e perguntou:
“assim?”
“assim, isso. Tá gostando?”
“hum hum”
“fique alisando e beijando”
Aquela garotinha sabia que a gente tava fazendo uma sacanagem gostosa. Estava sendo uma experiência maravilhosa pra nós dois. Botei a mão em sua cabeça e comecei esfregar o pau em sua boquinha. Embarcamos mesmo na putaria. Roçava minha pica com gosto e tesão em sua boca, gemia pra ela ouvir e fazia cara de prazer. Minha vontade era botar o pau pra fora e meter em sua boca, mas pra primeira vez iria deixar só naquilo. Mas meu pau de tão duro puxava o elástico da cueca e aparecia, mas acho que ela não via. Ela olhava pra mim, constatava meu tesão, meu prazer e voltava a se dedicar a minha pica. Senti que estava perto de gozar. Fudi seu rostinho infantil, angelical. Passei meu pau nele todo. Pressionei meu pau em sua boca e então deixei jorrar minha porra. Fiquei gozando, gozando, parecia que não ia mais acabar de esporrar. Foi muita porra que saiu. Inundou a cueca, vazou e melou sua boquinha. Meu pau pulsava e gozava alucinado e eu agarrado no rostinho dela. Depois de tanto gozar, fui me acalmando e me afastei um pouco dela. Ela olhou admirada minha pica e disse:
“você fez xixi”
“não é xixi, não”
“então o que é?”
“é gala”
“gala? o que é gala?”
“depois eu explico o que é. Mas não diga nada pra ninguém disso”
“eu sei”
“não diga pra ninguém que a gente brincou assim de eu ver sua calcinha e você ver minha cueca”
“eu sei. Não vou dizer pra ninguém. É segredo meu e seu”
“nosso segredo”
“mas você gostou de brincar assim?”
“gostei muito, e você?”
“eu também gostei. Depois a gente vai brincar de novo?”
“vamos sim. Quando você vim no próximo dia a gente brinca mais”
Ela sorriu contente e ainda passou a mão no meu pau e disse:
“tá todo molhado”
Eu suspendi meu short sob os olhares dela. Sorrimos. Eu limpei sua boca e seu rosto que ainda estava melado de minha porra. Lhe fiz um carinho e beijei sua boquinha linda. Ela sorriu feliz. Levei ela rápido no banheiro pra lavar o rosto e tirar qualquer cheiro de porra ou pica que estivesse nela. Dei mais um beijo nela e mandei ela voltar pra sala. Antes disse:
“não diga pra ninguém. Segredo nosso”
“eu sei. Depois a gente vai brincar de novo, né?”
“vamos”
Ela voltou alegre, feliz e satisfeita pra sala. Eu fiquei no banheiro e tomei uma ducha.
– caraca, amor. Isso é muito gostoso, muito tesudo – disse Isabel tirando a boca do meu pau. – Que garotinha tesudinha!
– muito tesudinha, uma delícia!
– você gozou gostoso na boquinha dela?
– foi uma gozada maravilhosa. Tinha dezesseis anos e aquela foi a melhor gozada até então.
– e depois você brincou mais com ela?
– brincamos. Muitas vezez. Fiquei viciado. Foi a partir daí que me apaixonei por crianças.
– mas menino, Lucas é o primeiro?
– não.
– você gosta mais de menino ou menina?
– os dois, meu amor. Criança me dá muito tesão, independente de gênero.
– e Lucas, você tem muito tesão nele?
– Lucas é a criança que mais me deu tesão na vida. Quando você me apresentou ele eu enlouqueci. Bati muita punheta pensando nele, na bundinha dele. Eu me apaixonei. Eu amo muito ele, muito, muito mesmo.
– quando eu entrei aqui no quarto e vi você transando com ele me deu um tesão forte. Nunca senti tanto tesão em minha vida.
– eu tava com um pouco de receio de machucar ele, mas não consegui controlar e enfiei toda. O cuzinho dele bem apertado, mordendo minha pica foi uma delícia.
– você acha que vai poder comer ele de novo quando? porque machucou um pouquinho.
– cicatriza rápido. Amanhã já tá bom.
– ele gostou muito. Na hora que ele disse que queria sua pica, foi muito gostoso. Ele todo aberto pra você meter. Delícia, amor. Eu te amo!
Eu abracei Isabel com muito amor e carinho e disse olhando em seus olhos:
– eu prometo que sempre vou fazer tudo pela nossa felicidade. Eu vou amar e respeitar você e nosso filho por toda a minha vida. Antes de qualquer coisa pensarei na felicidade de vocês dois.
Nos beijamos com amor e cumplicidade. Eu disse:
– eu estou muito feliz.
– eu também. Nunca pensei que pudesse ser tão feliz.
Nos beijamos de novo. Isabel voltou a atenção pro meu pau e disse:
– amor, conta mais do que você fez com aquela menininha. Conta como foi mostrar de novo a cueca pra ela.
Isabel deitou de novo entre minhas pernas pra chupar meu pau enquanto lhe contava da minha segunda vez com Carina.

Muito obrigado a todos que estão acompanhando a minha história. Agradeço pelos comentários e incentivos. Logo postarei mais uma parte. Por enquanto é isso.

ATT: Daniel Coimbra.