Carla – Minha Esposa Casada e Puta

Olá, o que passo a narrar aconteceu a cerca de 4 anos após saber quê minha esposa (Carla) tinha uma queda por um grande amigo meu (Léo), me chamo (Miguel) e por questões de segurança os nomes aqui citados são fictícios. Certa vez conversando com minha esposa num barzinho falando dos rapazes e garotas que ali estavam perguntei a ela qual o tipo de homem que lhe agradava que chamava a sua atenção, que lhe excitava, que a deixava com tesão aflorado, com sede sexo.
(Carla) minha esposa é uma morena típica de cidade de praia, muito atraente que chama atenção por onde anda. Tem pernas grossas de seus anos de academia que não prática hoje em dia por falta de tempo, sendo agora minha companheira de corrida também esporádicas. Ela tem cerca de 1,68m cabelos e olhos negros e um sorriso cativante além de ser muito espontânea e bem humorada. Nada de supermulher como li em centenas de contos destes e de outros sites, mais sim e uma mulher muito gostosa que sabe se vestir sexy e bem provocante.
Moramos em uma cidade do Sul da Bahia, próximo a Porto Seguro pois aqui encontramos melhores condições profissionais para ambos. (Carla) começou sua vida sexual com seu antigo namorado após sair da faculdade, mas coube a mim a prazerosa tarefa de lhe ensinar tudo que sabe hoje em dia. Na noite em questão no barzinho depois de muita conversa consegui convence-la a me contar um pouco de seus desejos e fantasias. Ela me confessou que se sentia atraída pelo (Léo) meu amigo de infância e que sempre que estávamos juntos ela ficava excitada por que sempre que tinha oportunidade o (Léo) a cantava disfarçadamente nas nossas farras, e quando voltávamos para casa tranzavamos, ela sempre com muito tesão e eu achava que era efeito da bebida misturado os papos de secagens que sempre rolava.
Nesta noite quando chegamos em casa e tivemos uma bela noite com muito sexo, pedia que ela imaginasse o (Léo) transando com ela, de inicio (Carla) retrucou dizendo que não me trairia que ara só excitação, mas insistir e percebi que ela ficou mais excitada e gozava muito. Dessa noite em diante na parava e imaginar (Carla) transando com outro homem com ou sem a minha presença sempre falava na cama pra imaginar esta chupando o pau de outro cara que ela conhecesse ou ex-namorado sempre dava resultado principalmente quando ela bebia pois ficava mais solta e atrevida. As conversas durante nosso sexo começaram a fazer efeito (Carla) começou a usar roupas mais ousadas que valorizavam mais seu corpo principalmente seu bumbum que lindo, mas não gostava dos seus seios dizia que eram flácidos por conta da gravides e que se fossem siliconados ou feito uma plástica se sentiria mais a vontade para ficar nua na frente de outro ou outros homens, sente ali que o desejo de vê-la com outro macho estava prestes a acontecer, então tratei de lhe pagar uma cirurgia e botar silicone, do resto ela mesma se encarregou novos biquínis e decotes generosos. Cantadas disfarçadas e olhares eram sempre receptivos e devolvidos com uma boa dose provocação, ela sempre me contava tudo que acontecia discretamente, como as cantadas que recebia quando ia ao banheiro, por exemplo, e eu dizia você ainda vai acabar tendo que sentar em pica por ai por causa dessa sua vida nova, ao que ela respondia que não via a hora de acontecer mais a primeira eu teria que estar junto para pagar todo investimento feito pra vira uma puta casada e turbinada.
A cerca de 2 anos atrás estávamos em minha cidade natal em uma festa local e reencontramos o (Léo) e resto da turma, muito papo descontração e bebida e observava que o (Léo) faltava arrancar a roupa de (Carla) só com os olhos e ela estava correspondendo sem a mínima cerimônia, a danada estava adorando aquele jogo de provocação, eles estavam em uma conversa em separado do grupo e eu só observando (conversa que ela só me contou depois, quando meu amigo saiu em disparada para o banheiro deixando todos sem entender nada), então ela me contou:
Ela me disse que (Léo) estava cantando ela e então ela falou pra ele que ficava molhada com as cantadas que ela estava recebendo dele e de todos os homens e que qualquer hora não iria mais resistir a tanta tentação e teria que dar muito pra outro ou quem sabe outros. Meu amigo quase teve um troço, e sem perder tempo emendou dizendo que já estava na fila que sonhava comendo ela e até calcinha dela já tinha roubado, foi então que depois de dar muita risada (Carla) disse que era só ter pedido à calcinha que ela mesma dava de presente.
A essa altura (Léo) já estava com o pau duríssimo e passou a mão nele bem discretamente, foi o que ela precisava pra continuar provocando ainda mais, ela pediu ao (Léo) que aguardasse um pouco que voltaria pra terminar aquela conversa que iria ao bar buscar mais bebida, ela voltou um tempo depois pegou sua mão e colocou algo embolado como uma bola de papel amaçada e disse pra colocar no bolso e ir ao banheiro, pois ainda estava molhadinha, esse foi o motivo dele sair em disparada, Srsrsrsrsrs!!!!
Quando ela me falou demos risadas juntos, mas confesso que fiquei louco de tesão com meu pau duro e sabendo que ela estava agora sem calcinha e que dera a mesma pra outro homem pois ela tinha o costume de fazer isso comigo quando saímos. Então disse a ela que não tinha mais volta já tinha ultrapassado uma barreira e que agora nossas vidas mudariam pra sempre, quando (Léo) voltou do banheiro com cara de criança que acabara de ganhar o presente que tanto sonhava, eu perguntei se eles dois não queriam resolver a situação de uma vez? A única condição imposta por (Carla) é que eu estaria presente o que foi aceito de imediato por (Léo) que disse fazer qualquer coisa pra comê-la, mas que teríamos que ser discretos, pois vários homens da turma sabiam de sua tara por ela e poderiam desconfiar e que também comentavam de como ela era gostosa e tinha cara de safada e que achavam que me traia com outros. Passado um tempo (Carla) disse que estava cansada e queria ir embora, mas que eu pudesse ficar com a turma, ela pediu a chave do carro de (Léo) e falou vou sem calcinha pra deixar seu bando todo melado e foi direto pra casa dele, meia hora depois (Léo) me chamou para circular pela área da festa, e depois que despistamos da turma partimos pra sua casa no meu carro. No caminho abri o jogo e contei que (Carla) tinha me confessado que era louca pra ficar com ele e que então aflorou em nos o desejo de novas experiências mas só aconteceria algo se houvesse muita confiança e sigilo e por isso eu concordei e deixa-la transar com você.
Quando chegamos já tinhas doses de vodka preparada pra quebrar o clima que era novo pra todos ali. O clima foi esquentado com ela dançando de salto alto (suas calcinhas ínfimas e sapatos de salto alto sou eu mesmo escolho e compro), ela usava um saia curta bem agarrada ao corpo como sempre, que deixava aquela bunda ainda mais gostosa e empinada, uma blusinha folgada por conta do calor da noite com um decote generoso e sem sutiã pois estava com tudo em cima e bota em cima. Ela se abaixa para me beijar e deixava amostra seus seios pra nos dois ela puxou (Léo) pra dançar com ela e ficava ralando aquela bunda deliciosa no pau dele, que já estava quase estourando a calça. Foi quando eles começarão a se beijar, ai foi eu que quase tive um torço, foi fantástico aquela cena que eu tanto esperava e imaginava com ela. (Léo) arrancou sua blusa e caio de boca naqueles seios deliciosos, ela gemia e dizia pra ele matar sua vontade e chupar o quanto quiser e que sempre foi louca de vontade de dar pra ele e que se ele gostasse iria dar sempre que ele quisesse (Léo) disse que ela era muito gostosa que todos da turma são doidos pra comê-la até os casados.
(Carla) então disse: Só dou pra quem meu maridinho deixa, pois sou uma puta bem casada, se eles gostarem de puta eu não me importo de dar pra eles não, e se virou pra mim e perguntou você deixa meu amor eu dar pro seus amigos safados prometo que te arrumo uma putinha casada pra você comer, pois eu não sou a única da turma não. Nos sabíamos que uma das casadas da turma era bem safada e essa sim dava muito chifre no marido e que o (Léo) já estava mexendo pra comer também seria questão de tempo ter as duas dando juntas pra ele mais essa história fica pra outra oportunidade
Voltando, (Carla) estava de saia curta e sem calcinha e de tanto se esfregar no (Léo) a saia subiu e já estava sem nada pra cobrir sua bucetinha linda que eu mesmo tinha depilado pra ficar bem lisinha só com uma pequena linha acima do clitóris, (Léo ) jogou ela no sofá ao meu lado e caiu de boca naquela delica de buceta que já estava toda melada, chupou como um louco uma bezerro mamando, ela arfava gemia e empurra a cabeça dele entre suas pernas e me olhava como uma cara de prazer e dizendo que estava muito gostoso e que também me daria uma puta bem gostosa pra comer, (Carla) ficou de quatro e começou a se deliciar no pau do (Léo) como sempre sonhou, ela chupava, lambia, tentava por tudo na boca com uma gula frenética dizendo que era grande maior e melhor do que imaginava. Vendo ela de quatro tentei chupar sua bocetinha que já estava totalmente encharcada literalmente babando. Mas ela retrucou pedindo com uma voz safada e manhosa pra deixar os eles dois aproveitarem um pouco mais sozinhos, fiquei um pouco contrariado, mas não queria quebrar o clima e depois vendo aquela cena que tanto sonhei foi fantástico. (Léo) colocou (Carla) sentada em cima do encosto do sofá e caiu de boca na sua buceta novamente, pois sonhava em fazê-la gozar chupando sua bucetinha ela gemia e já escorria o melzinho da sua primeira gozada. (Carla) já não estava aguentando mais e pediu que (Léo) a comece de uma vez ela ficou de quatro no sofá e ele pegou por trás de uma só vez ela gritou um pouco, mas foi de prazer e em menos de cinco minutos já estava gozando em outra pau como eu e ela desejávamos ofereci meu pau e ela aceitou e chupando e dizendo palavras desconexas que só entende mais tarde que estava (agradecendo por deixar ela gozar na pica do (Léo) que já não aguentava mais e que estava prestes a me trair por conta do desejo de dar pra ele).
(Carla) gozou mais duas vezes e (Léo) não aguentando mais segurar anunciou logo em seguida que não aguentava segurar mais foi quando ela saiu e pediu para chupar novamente, foi fantástico (Léo) gozou muito parecia que não comia ninguém a meses, boca rosto cabelos e seios ficaram todos lambuzados, ela adora isso nas nossa transas mais intensas e safadas ela sempre pede pra acabar assim, ela foi tomar uma banho enquanto eu e (Léo) fomos tomar mais vodka ele todo solicito preparou uma pra mim somente com gelo como gosto e com energético pra ele (Carla), quando voltou ela usava somente o salto alto e uma calcinha ínfima que reconhece depois como sendo dela que ele havia roubado em uma de nossas viagens de carnaval com a turma.
Não liguei ate achei legal mostrava que ela já era a puta que eu estava tentando transformá-la. Então cobrei minha parte, pois não tinha gozado ainda, estava sentado no sofá ela veio ficou beijando e roçando em mim puxei sua calcinha de lado e ela sentou, nossa nunca vi a (Carla) tão molhada como naquela noite, foi quando o (Léo) chegou por trás e brincou com seu cuzinho, ela falou que não, que daria depois mais ele insistiu dizendo que queria experimentar daquele jeito, nos também nunca havíamos feito uma dupla penetração então eu também entrei na onda e começamos a convence-la, (Carla) toda manhosa rebolando na minha pica dizendo que iria doer que não aguentaria, mas (Léo) já estava passando um gelsinho em seu rabinho e metendo um depois dois dedos. Foi quando ela concordou, pois já louca de tesão novamente mas com uma condição que se ela pedisse para parar nos parraríamos sem resistir, então Léo foi tentando devagar e a cada nova forçada ela gemia de dor pois a pica do Léo e mais grossa e maior que a minha . Como ela não resistiu ele entrou em seu rabinho ela gemia feito louca até ter seu primeiro orgasmo com duas picas de uma só vez sair de sua buceta e deixei-a dar o seu cuzinho para o (Léo) enquanto chupava minha pica onde gozei fartamente dando outro banho de porra em (Carla).
Depois que gozei fiquei assistindo a cena e indescritível a sensação o prazer de ver sua mulher na pica de outro macho principalmente quando ela o deseja muito como foi o caso da (Carla) e (Léo). Ela gozou mais umas duas vezes com Léo em seu cuzinho não sei como ele aguenta tanto acho que tinha tomado estimulante, depois disso tomamos um banho juntos e dormimos ali mesmo na casa dele, pois não havia problemas somos amigos e estávamos em uma festa.
No domingo como sempre fazíamos rolava um churrasco da galera e tomava mais algumas pois ela voltava dirigindo para nossa casa, no meio da tarde ela me fez um pedido, queria dar pro (Léo) de novo só que queria ir só como uma casada puta que trai o marido e que iria voltar pra nossa casa com a bucetinha toda gozada pois (Léo) não tinha gozado na sua buceta ainda, de pronto avisei a ele e (Carla) deu a desculpa de descansar uma pouco para poder dirigir na viagem de volta, só retornando para me buscar no fim a tarde com uma cara de safada e puta que ela sempre foi e que só estava adormecida.
Depois desse fim de semana (Carla) já deu pro (Léo) em nossa casa e já saiu com ela e com outros machos com a condição de me contar tudo ou deixar eu participar da festa, que narrarei em breve.