Realizando o Sonho de Um Casal

Me chamo Roberto, e, tempos atrás, morei em Campo Grande, MS, cidade aliás que considero das melhores pra se morar. Suas mulheres morenas, coxas grossas, como gosto, são maravilhosas. Morava só, no Caranda, e trabalhava num Supermercado próximo. Fiz muitas amizades, dentre elas, uma garota, Luiza, um dia me disse conhecer um casal, que procurava um homem negro, para estar com eles na cama. Já me prontifiquei a ser esse homem. Sou negro, 1,82m, 115 klg, ombros largos, pernas grossas, dote normal grosso um pouco acima da media. Raspo a cabeça e hoje tenho um cavanhaque largo e aparado, com fios grisalhos, pois já sou “dinossauro”. Fui apresentado a Claudia, loira, cabelos nos ombros, olhos claros, seios médios, apontados pra cima, não demonstrando as duas gestações já vividas, cintura bem marcada, coxas grossas, como gosto e uma bundinha arrebitada, bastante chamativa e durinha. Um tesão que me conquistou de cara, pela simpatia, beleza e sensualidade. Como era ela quem decidiria o escolhido, felizmente se simpatizou comigo e marcamos de jantar em minha kit. Chegaram por volta de 20h, trazendo petiscos e um vinho. Fui apresentado ao Sergio, um cara grandão, maior que eu, forte, e meio emburrado. Como meu interesse era a Claudinha, nem liguei. Ela estava uma delicia, num vestido solto e curto, mostrando boa parte das coxas grossas, me deixando de cara, muito excitado. Conversamos, bebendo o vinho, e ela se sentou no colo dele, cruzando e descruzando as pernas diversas vezes, me deixando muito excitado com a beleza e a grossura das coxas. Em determinado momento, começaram a se beijar e ele foi acariciando o corpo gostoso e delicado de sua esposa, que retribuia os beijos e também foi tirando a roupa de ambos. Claudinha nua, era um espetáculo de beleza, tinha a pele um tanto bronzeada, pelo sol do Mato Grosso do Sul, uma pele lisinha e sem marcas, de uma garota de 22 aninhos apenas. Sergio apesar de alto e forte, tinha o dote bem pequeno, e eu, que me considero normal, me senti um “gigante” perto dele. Ambos nus, Claudia foi beijando o torax do marido e descendo abocanhou seu membro, numa gulosa voraz. Engolia a rola toda, fazendo barulho e lambuzando a pica com muita vontade. Tirei minha roupa e entrei na brincadeira, me colocando ao lado do casal, deixando a pica a disposição da garota que a acariciou e começou a alternar a chupada em mim e no marido. Sergio sentado em uma cadeira, colocou aquela menina pequena no colo, de frente pra ele já penetrando sua buceta, estufada e carequinha. Chupava seus seios enquanto ela iniciou uma cavalgada ritimada, segurando seu pescoço e gemendo com a penetração. Deixei-os a vontade e fiquei olhando, me masturbando lentamente. Era ótimo ver aquele corpo sensual em movimentos de cópula, já começando a transpirar, gemendo alto e se jogando de encontro a rola. Claudia se mostrou u’a mulher fogosa, que gosta de uma (ou duas) rola. Olhou pra mim e me chamou pra perto. Pegou meu pau, com a mãozinha delicada e fez carinhos de vai e vem. Subi no sofá e fiquei com a pica na altura de sua boca, que imediatamente não perdeu tempo e ao mesmo tempo em que sentava forte no marido, chupava e lambia meu pau com volupia. Não demorou, e o maridão gozou na esposa, demonstrando muita rapidez. A garota queria mais e desmontando do rapidinho, veio agora pro meu colo, que deitei-me na cama e a deixei a vontade, para brincar no seu novo cavalo preto. Entrou com uma certa dificuldade pela minha grossura, e mesmo lubrificada que estava, gemeu de dor ao ser preenchida pela rola preta que atingiu seu utero e a preencheu totalmente. Ficamos naquela brincadeira por bastante tempo e o marido já foi pondo a roupa e saiu do quarto, indo pro carro, me deixando a sós com aquela delicia. Claudia gozou gemendo e gritando que estava muito bom, me deixando envaidecido pois seu marido não a fez gozar. Desencaixou da rola, mas se deitou em meu peito e veio me beijar na boca, como que agradecendo pelo prazer recebido. Lábios carnudos, lingua ágil e úmida, muito gostosa, com um beijo molhado e sensual. Deitei-a e fui por cima, mordiscando seu pescoço sem marcá-la, somente fazendo com que gemesse e me apertasse contra o corpo miudo mas sarado. Os seios se arrepiaram com meus beijos e lambidas, os bicos pareciam endurecer mais e mais. Desci e fui beijar e lamber aquelas coxas grossas e firmes. Abri suas pernas e me coloquei no meio, indo conhecer seu sabor e perfume intimo. Gostei, aspirei, era uma delicia, lambi, enfiei a lingua naquela gruta umida e a fiz estremecer. Depois fui pro seu grelinho delicado, e isso a fez gemer de novo e foi preciso segurá-la pelo quadril, pra me manter em contato com aquela buceta suculenta. Lingua pra cima e pra baixo, para um lado e pra outro, e a princesinha chegou novamente ao orgasmo. Que delicia, ver a garota gemendo, gozando, demonstrando todo prazer que sente no momento máximo do sexo. Esse, é sem duvidas, meu maior prazer. Fazer e ver a garota gozando. É bom demais, praticamente, um orgasmo pra mim também. Quando ela se recuperou, perguntei-lhe do Sérgio e ela disse que em outras experiencias ele agira da mesma forma, e que não tinha problema não. Reiniciamos as caricias e eu, já imaginava, penetrar aquela bundinha fofa, mas, não foi nesse dia que consegui não. Fizemos um gostoso papai mamãe, quando eu imobilizei seus braços sobre sua cabeça e ela se descontrolou sendo dominada dessa forma, acho que era seu fetiche. Consegui segurar seus braços com apenas uma das mãos e com a outra puxei de leve seus cabelos, ela gemeu mais alto, para testar, dei-lhe um tapa no rosto, com tres dedos, como deve se bater, com Amor. Foi a gota d’agua pra que ela gozasse descontroladamente duas ou tres vezes seguidas, tanto que pude sentir minha pica sendo mastigada por aquela xana gulosa. Seus fluidos de gozo, chegaram a me molhar e a cama também. Após esse prazer intenso, relaxamos um pouco até que ela, com a respiração normalizada, foi de boca na rola e chupou de forma esfomeada, lambendo a cabeça e tentando colocar tudo na boca, babando tanto que escorria par seus seios, até que me fez gozar, engolindo o primeiro jato com prazer, e deixando o restante banhar-lhe os seios e o rosto. Foi muito bom. Levei-a ao banheiro e fiz questão de lavá-la com carinho, aproveitando é claro, para passar bastante as mãos naquele corpo delicioso, principalmente naquelas coxonas grossas que adorei. Já vestidos, levei-a até o carro, onde acordou o marido e foram embora, prometendo voltar na próxima semana, como realmente fizeram. Mas essa, será outra estória, caso gostem desta. Casais e mulheres que queiram trocar idéias, deixem seus contatos que terei o maior prazer. ROBERTO (roberto.laborao@hotmail.com)