Uma jovem e o sexo há 45 anos

Corria o ano de 1968 eu com 16 anos, morando em uma cidade do interior, com os hormônios em ebulição. Pouca informação se tinha sobre sexo, exceto o nosso enorme desejo e vontade. Uma prima de 18 anos que estudava em uma cidade maior que aparecia uma vez por mês, era nossa fonte de conhecimento sobre sexo, ela nos contava sobre beijos, carícias, pegações, masturbação em si mesmo e no parceiro, sexo oral, anal, vaginal e vez por outra nos mostrava umas revistinhas sobre sexo em desenhos, que ilustravam essas coisas. Eu minha Irma mais nova, e minha prima Irma dela esperávamos ansiosas a chegada dela em algum fim de semana para falarmos sobre sexo.
Eu e minha Irma de 14 anos morávamos em uma casa na cidade, nosso pai era fazendeiro e nós ficávamos lá para estudar, eu no curso normal (formação de professores) e minha Irma no ginásio, morávamos com uma tia que cuidava de nós duas, visto na época nossa mãe já havia falecido. Todos os dias pela manhã eu ia andando pra a escola normal e minha irmã para outro colégio onde fazia o ginásio. No caminho eu sempre encontrava algumas colegas de classe e seguíamos junto o restante do trajeto.
Depois de um mês do início das aulas uma das colegas de classe vai para a aula com um rapaz de cerca de uns 25 anos, lindo e me apresenta ele como seu irmão. Ao tocar a mão dele, pois naquela época não se tinha o hábito de dar beijinhos mesmo que no rosto, me senti aquecida e com um umedecimento íntimo acentuado, ele muito extrovertido, nos acompanhou até ao colégio, sempre muito falante. Quando minha colega me conta que ele teve um namoro com uma menina da fazenda filha de colonos e ela engravidou e estava morando na casa de meu pai junto com ele na sede da propriedade. E ele veio pra cidade pra tomar conta de uma loja de insumos agrícolas de propriedade da família, Ela também disse que ela era muito mulherengo e dava em cima de todas as meninas. Mas também com aquela imagem, qual menina não adoraria estar com ele. Confesso fiquei muito entusiasmada com ele, porém, um banho de água fria caiu sobre mim com a notícia da sua mulher e ainda por cima grávida. Neste dia cheguei em casa após as aulas, almocei, descansei e fui para o banho, onde me masturbei e pela primeira vez senti o que era um orgasmo, antes já havia me masturbado várias vezes, porém, quando me dava aquela sensação de tesão intenso eu imaginava ser o tal orgasmo. Pela primeira vez me masturbava pensando em alguém real e isso me fez chegar ao clímax.
Nos dias seguintes sempre os encontrava no caminho da escola, ele sempre muito expansivo, até que um dia ele deixou sua irmã com outras meninas se adiantarem e ficou conversando somente comigo, me elogiando, praticamente me comendo com os olhos e eu ficava toda desconsertada e cheia de desejo e excitação por aquele rapaz. Essas situações foram naturalmente acontecendo várias vezes. Até que um dia cerca de dois meses apos nos conhecermos ele me diz que gostaria de se encontrar comigo a sós. Gelei na hora, cheia de desejo de fazer aquilo, disse que me sentia insegura pela situação dele, ele me fala que nada acontecerá que eu não queira e que somente queria estar a sós para podermos conversar, que poderia confiar nele. Mais alguns dias e cabei aceitando, combinamos que a tarde eu passaria em frente a loja dele e ele iria atrás e me pegaria mais adiante. Assim aconteceu ele veio com sua camionete e eu entrei no seu carro e fomos para um sitio de propriedade da família dele que não era usado. Lá chegando o local era abandonado sem ninguém mesmo, ele parou o carro e lá ficamos conversando. Ele disse que gostaria de me namorar, mesmo na condição dele de quase casado, que me amava e coisas assim que deixam qualquer menina caidinha. Acabei concordando com a proposta dele, já que eu estava doida por aquilo mesmo.
Ali mesmo começamos a nos beijar, que beijo delicioso, estava babando de tesão com seus beijos, quando sinto sua mão sobre minhas coxas, estava de saia e blusa, me arrepio toda quase gozo ali mesmo, gemia como uma devassa, quando ele abusado alisa meus seios por cima da blusa, como eu não reajo ele coloca sua mão por dentro da blusa e pega nos meus seios por dentro do sutiã, acho que senti um orgasmo ali mesmo, pois esta tão excitada sendo beijada e acariciada ao mesmo tempo. Acabei me recompondo e o afastando um pouco, somente deixando ele me beijar. Conversamos bastante e mais beijos e mãos nas coxas até perto da minha intimidade, que me deixavam louca, quase fora da razão. Mas chegou o tempo de terminar e irmos embora naquele dia. Saímos e ele me deixou onde havia me apanhado e fui para casa me acabar na masturbação, quando realmente gozei intensamente.
Na semana seguinte novo convite e fomos nós novamente namorar, sempre dentro da camionete, neste dia além das carícias anteriores, ele soltou meu sutiã, me deixando com os seios expostos e com minha blusa aberta, onde sugou delicadamente o que me fez ter realmente um orgasmo ali mesmo. Também pega minha mão e a coloca por sobre seu pinto em cima da roupa eu correspondo e aperto seu sexo com desejo, mas não passamos disso. Cerca de duas vezes por semana fazíamos a mesma coisa e íamos namorar, passo seguinte foi ele tirar deu pinto pra fora da calça e coloca minha mão sobre ele, quando eu me recordo dos ensinamentos de minha prima e começo a masturbá-lo, perguntando se está bom, ele diz que está uma delicia e pede pra não parar, continuo e alguns minutos depois ele goza, soltando todo aquele leite ali mesmo, lambuzando toda minha mão, ele me da uma flanela do carro para eu me limpar e me beija ternamente. Esse ritual se repete algumas vezes mais em outros dias. Até que ele além de me beijar e sugar os seios, me alisar as coxas e eu masturbá-lo, ele me pede para beijar seu membro, já tinha visto desenhos nas revistas da minha prima e sabia que ele queria que eu o chupasse como na revistinha. Na hora fiquei hesitante, ele insistiu e eu me abaixei e botei na boca, bastante insegura do que estava fazendo, tiro da boca e pergunto se está bom, se é assim e ele diz que está divino, então volto a chupar e alguns minutos depois ele me levanta me beija e pede para manter a masturbação, quando logo ele goza abundantemente. Esse ritual se mantém nos encontros seguintes, quando me da curiosidade de sentir o gosto do seu gozo e então quando ele ejacula e lambuza minha mão eu levo seu leite a boca e sinto seu paladar, ele me olha um tanto espantado com meu gesto e pergunta se gostei, disse que sim, que era saboroso, então ele pergunta se da próxima vez eu deixava ele gozar em minha boca, eu disse que sim e se ele quisesse poderia ser agora mesmo,os olhos dele brilharam e senti seu pinto endurecer rapidamente, então cai de boca literalmente e apesar de ter gozado há poucos minutos ele se veio bem rápido na minha boca, com jatos fortes que bateram na garganta e acabei engolindo um pouco e o restante babando pela minha boca, ele me deu lenços de papel para eu me limpar e disse que me amava intensamente. Fiquei apaixonada por ele nesta hora e disposta a fazer tudo para satisfazê-lo.
O tempo passa nossa intimidade aumenta, até que um dia acabo por engolir todo gozo dele e não foi nenhum sacrifício, então passo e beber sempre. Ele cada vez mais fascinado comigo, quando me pede pra chupar minha xaninha, eu nunca havia tirado minha calcinha pra ele. Neste concordando com a proposta dele, tirei a calcinha que naquele tempo era bem maior do que é hoje em dia e deixei ele me chupar, gozei muito como nunca havia ainda gozado na vida. Nossa rotina passou a incorporar tudo isso. Com o sugar na minha xana ele passa a acariciar meu botãozinho e confesso que me dava um desejo e excitação imensos e eu deixava. Ele foi evoluindo colocando dedos na minha bundinha. Um até dois dedos onde sempre ele também me chupava o bumbum e babava bastante o que facilitava a penetração dos dedos, aquilo me deixava doida e gozava abundantemente na língua dele. Até que um dia ele pediu pra comer meu cuzinho, como já estávamos tão íntimos e sexo anal não engravida, eu deixei. Confesso na primeira vez doeu um pouco, mas ele foi muito carinhoso e calmo, e no final foi bastante prazeroso sem, no entanto conseguir gozar, novo patamar de nossa rotina se incorporou a penetração anal, depois de algumas vezes consegui gozar dando o bumbum. Ai me sentia realizada, conseguindo gozar sendo penetrada, mesmo que na bundinha. Essa aventura durou mais quase três anos, até ao final da minha escola normal, quando a loja dele foi vendida, ele voltou para a fazenda e eu fui trabalhar em uma escola da cidade. Vários namorados tive depois disso, até me casar, mas ele foi mágico, acho que o homem da minha vida. (estrelamatutina55@bol.com.br). Mandem imagens, filminhos de todo tipo para eu ver, aguardo seus comentários.