Clientes satisfeitas

Pra quem não me conhece, me chamo Souza, tenho 43 anos, como já falei nos outros contos. Eu trabalho com instalação de sistema de segurança. Como eu faço sempre a mesma região, conheço bastante clientes, mas entre todos, tem duas clientes que se destacam. Não só pela simpatia, mas por outras qualidades também. Elas são vizinhas, uma é a Diana, têm aproximadamente 28 anos, casada, branca, cabelos pretos, seios médios, coxas grossas e um bumbum empinado e redondo; Ela sempre usa shortinhos, em especial um pretinho aberto dos lados, que além de realçar sua bunda, deixam suas coxas toda de fora. A outra é a Mari, que mora em frente, uns 40 e poucos anos, mas com jeito de menina, loira, magra, seios pequenos, bumbum médio, também casada. No mês passado fui fazer uma manutenção na casa da Diana. Ela me recebeu muito bem, como sempre. Ela estava de shortinho vermelho e uma blusinha de alcinha, sem sutiã. A Central fica em seu quarto, ela foi à frente, e eu vendo aquela bundinha empinada rebolando, já fiquei louco, ela falou que tinha de sair, mas voltava logo. Eu comecei a fazer os testes. Fiquei concentrado no serviço e depois de quase meia hora, ouvi vozes vindas da sala. Achei que ela já tinha voltado, e estava falando ao telefone, provavelmente com seu marido. Terminei a manutenção e me dirigi à sala, qual foi a minha surpresa, quando eu vi a Diana, sentada no sofá, segurando uma taça de vinho.
Ela perguntou se tinha dado tudo certo, que não ia conferir porque confiava em mim. Eu agradeci e lhe entreguei a Ordem de Serviço. Ela pegou, colocou do seu lado e me disse que eu não sairia sem tomar uma taça de vinho com ela, ela rapidamente começou a encher a taça que já estava na mesinha de centro. Nesse momento, eu me sentei no sofá ao lado dela, a Diana me deu a taça, completou a dela e propôs um brinde ao nosso sucesso, virou de frente para mim com as pernas cruzadas, fiquei louco, pois dava pra ver sua calcinha pelo short que havia subido um pouco, meu pau começou a dar sinal de vida e ela percebeu, pois eu estava com uma calça de sarja, que facilita o trabalho, ficamos ali, conversando sobre serviço, filhos, casamento, tudo isso regado a algumas taças de vinho. Secamos uma garrafa, e sem me perguntar ela se levantou e falou que iria pegar outra, porque o papo estava muito bom. Ela foi em direção à cozinha e nem se preocupou a arrumar o shortinho que tinha subido, deixando as polpinhas de sua bunda de fora. Ela sentou dobrando as pernas novamente, ficando mais próxima de mim, me passou a garrafa e continuou a conversar. Ela se curvou um pouco pra frente, dava pra ver o reguinho dos seus lindos seios e sentir seu cheiro gostoso, pois ela estava bem perto de mim, e a cada instante que eu olhava aquele monumento, o volume dentro da minha calça crescia ainda mais, percebia que de vez em quando ela dava uma olhada, mas me segurei, afinal ela podia estar querendo apenas conversar. Foi então que a conversa foi pro lado de traição, se eu já tinha traído, ou se já pensei em trair, respondi que isso a gente não pensa, mas se acontecesse, dependendo da pessoa e da situação seria difícil resistir, falei isso olhando diretamente em seus olhos, no momento em que ela bebia um gole de vinho, não sei se propositadamente, ou pela minha atitude, ela deixou escorrer um pouco de vinho pelo canto dos lábios, descendo pelo queixo e pingando bem na entradinha dos seios. Ela fez menção de se levantar dizendo que ia pegar um pano pra se limpar, mas eu a segurei pelo braço, e falei que poderia resolver aquele imprevisto, ela sorriu e perguntou como, eu me aproximei e beijei seu queixo bem onde tinha escorrido o vinho, fui beijando e subindo minha boca em direção a dela, ela entreabriu os lábios, e eu forcei minha língua pra dentro de sua boca, ela correspondeu me dando um beijo delicioso que sinto o gosto até agora, percorria com sua língua toda minha boca com muita vontade e eu retribuía o beijo maravilhoso, fui beijando e lambendo por onde tinha vestígio de vinho, até a entradinha dos seios, sentia sua pele arrepiar todinha enquanto ela gemia baixinho, voltei a sugar sua língua enquanto alisava seus seios por cima da blusinha, ela gemia e se contorcia de repente ela se levanta e me puxa pela mão e me chama para o seu quarto para ficarmos mais a vontade, levantamos e eu fui agarrando ela por trás, beijando sua nuca, esfregando meu pau naquela bunda pegando nos seios dela e ela jogando o corpo pra trás pra que eu aproveitasse, quando chegamos ao quarto dela, encostei ela na parede comecei a beijá-la, mordiscando seu pescoço, ela gemia e começou a alisar meu pau por cima da calça, tirei sua blusinha e cai de boca naqueles seios que sempre admirei, lambia e sugava aqueles bicos com vontade, sua respiração estava muito ofegante, apertou minha cabeça contra eles como sinal para eu não parar, pois ela estava adorando continuei chupando seus seios enquanto enfiava a mão em seu shortinho sentindo sua calcinha encharcada, coloquei a mão por dentro da calcinha e comecei a tocar o clitóris, nesse momento ela puxou o meu rosto e disse que já tinha imaginado esse momento várias vezes, e que já tinha percebido que eu olhava sua bunda e suas pernas, sempre que ia lá, por isso que ela sempre ficava de shortinhos, eu sorri e enfiei a língua na sua boca, chupando sua língua, a essa altura ela arranhava minhas costas e me beijou como uma louca, ela abriu meu zíper e enfiou a mão em busca do meu pau que estava como uma rocha e começou a punhetá-lo dentro da calça e então acelerei os movimentos em seu clitóris e voltei a chupar aquelas maravilhas de seios ela apertou meu pau e deu um gemido alto e disse que estava gozando, que não era pra parar, que estava uma delícia meu dedo fazendo ela gozar, nesse momento, senti meus dedos ficarem lambuzados com seu gozo, tirei minha mão e chupei sentindo aquele gostinho delicioso, ela me empurrou na cama, tirou meu tênis, puxou minha calça e minha cueca de uma só vez, eu tirei minha camiseta, ela olhou para meu pau, e viu que estava todo depilado, ela falou que achava uma delicia, começou a punhetá-lo e continuava a dizer que meu pau era lindo, adorava ele lisinho, que estava cheiroso, limpinho. Que sempre pediu, mas seu marido não gostava de depilar todo, porque incomodava, ela então pegou meu pau e colocou tudinho na boca, e que boca… subia e descia; ela chupava gostoso; eu sentia bater na sua garganta. Ela subia lambendo até a cabeça, sugava, colocava tudo na boca e voltava chupando até o saco, depois repetia tudo. Nunca fui chupado desse jeito, estava adorando e tive que me segurar para não gozar naquela boca que sempre quis beijar. Puxei ela, a virei sobre a cama e voltei a beija-la e fui descendo chupando seus seios, beijando sua barriga, seu umbigo. Puxei seu shortinho junto com a calcinha que estava toda melada e senti um cheiro maravilhoso de sexo. Que buceta linda, depiladinha, do jeito que eu gosto, fiquei mais louco de tesão ainda. Dei um beijo e senti seu gosto em minha boca, fui a loucura comecei a chupar com vontade e ela gemendo segurando minha cabeça entre suas pernas. Pedindo para que eu não parasse, fizesse ela gozar com minha língua. Comecei a passar língua em seu clitóris, ela gemeu mais forte ainda, se contorceu toda e pediu pra eu não parar por que ia gozar… ela gritava que ia gozar…, ela estremeceu toda, e gritou que estava gozando… nossa, que delícia, eu senti seu gozo escorrer em minha língua eu chupava com vontade. Ela meu puxou pra cima dela e pediu pra eu fuder gostoso sua buceta. Parecia uma louca implorando pela minha pica, pedindo por favor, queria sentir minha delicia de pica, todinha dentro da buceta. Coloquei a cabeça na portinha, ela arreganhou as pernas e começou a gemer, fui colocando bem devagar, fui sentindo aquela buceta quente, molhada e apertada engolindo meu pau, fui enterrando meu pau naquela delícia e olhava pra ela e não acreditava que estava comendo a minha cliente gostosa. Dei uma estocada forte, ela deu um gritinho, senti minhas bolas baterem na buceta dela, ela gemia gostoso, arranhava minhas costas. Continuava me pedindo pra eu fuder sua buceta, queria sentir minha pica toda dentro dela. Tirava e colocava bem devagar, Comecei a socar mais forte e ela gritava: “mete; me fode gostoso; quero gozar no seu pau;”, continuei socando forte, até ela se contorcer, rebolar, cravar as unhas em minhas costas, e gritar que estava gozando no meu pau; eu sentia o gozo dela escorrendo melando meu pau; tirei de dentro, dei-lhe um beijo de língua, deitei de barriga pra cima e a puxei pra cima de mim, ela sentou no meu pau e foi descendo, sua buceta melada engolindo minha pica com facilidade até entrar tudo, começou a cavalgar com uma vontade louca e dizia que ia me dar todos os dias que eu fosse lá, eu chupava seu seios com vontade e ela não parava de cavalgar na minha pica, de repente ela me pede pra gozar com ela, pois estava gozando de novo; continuava subindo e descendo no meu pau, gritando pra eu encher sua buceta com minha porra deliciosa. Mais algumas cavalgadas, avisei que ia gozar, ela parou, com meu pau todinho dentro, amassando meu saco com sua bunda perfeita e deu um grito. Gozamos juntos, ela se deitou sobre mim e ficamos nos beijando.
A Diana continuava me beijando, enfiando aquela lingua sedenta, todinha dentro da minha boca, meu pau ainda pulsando dentro daquela buceta melada se contraindo; de repente, sinto alguém alisando minhas coxas, até próximo do meu saco; de início, por estar ainda em extase, e sentindo aquela língua deliciosa explorando minha boca, achei até que era a Diana com o pé, mas logo percebi, que não tinha como, pela posição que nós estávamos. Mas pra minha surpresa, a Diana descola sua boca da minha e fala: –Nossa Mari… achei que você não vinha mais. Olhei perplexo, e vi a Mari de joelhos na cama, sorrindo pra gente com uma cara de safada e tesão; –Eu vi ele te fudendo tão gostoso que não quis interromper. Nesse momento ela se virou pra mim, e falou com uma voz mais gostosa do mundo, que eu teria que dar conta das duas. Ela usava um vestidinho no meio das coxas, semi transparente, dava pra ver o fio dental que ela estava usando, minúsculo, e sem sutiã, dava pra ver pela marca dos biquinhos dos seus seios quase furando o vestido, que ela estava louca de tesão. A Diana saiu de cima de mim, deitando ao lado, eu me aproximei da Mari, meu pau já estava duro novamente. Ela ficou parada, dei-lhe um beijo na boca e ela retribuiu, abracei ela de frente, pressionando meu pau contra sua bucetinha, por cima do vestidinho, apertei sua bunda, ela empinou, rebolando bem devagar, Diana estava deitada com as pernas abertas, com uma mão nos seios e outra alisando sua buceta e nos olhando. Mari pegou no meu pau, levantei seu vestido e vi sua calcinha minúscula, dei-lhe mais um beijo e comecei a chupar seus peitos, bem menor que os de Diana, ela gemia como uma putinha, coloquei minha mão por dentro de sua calcinha, senti sua buceta encharcada, ela continuava a gemer como uma puta. Fiz ela ficar em pé na cama e se apoiar na parede, fui descendo minha lingua pelo seu corpo, tirei sua calcinha e senti seu cherinho; nossa… que delicia… coloquei uma de suas pernas em meu ombro e comecei a chupar sua bucetinha, era depiladinha igual a da Diana, eu chupava forte, enfiando minha lingua bem fundo, ela gemia gostoso, dizendo que minha lingua era uma delicia, que queria gozar na minha boca; A Diana fica de joelhos na cama e fala que não ta aguentando de tanto tesão, que não vai ficar só olhando. A Mari olha pra ela, sorrindo, e diz, eu achei que você não ia vir, as duas riram. Eu me vire e deitei de barriga pra cima, com a cabeça no meio das pernas da Mari, e falei pra ela sentar com aquela buceta gostosa na minha boca. Mas que depressa, a Diana ficou de quatro com a bunda virada pra mim, abocanhou minha pica e começou a me chupar, fui ao delírio, eu devia estar sonhando, nunca podia imaginar que ia trepar com essas duas mulheres, e além de tudo, ao memso tempo. Continuei chupando a Mari, deixando ela louca, gritando e rebolando na minha lingua, enquanto a Diana se deliciava, colocando meu pau todinho dentro da sua boca quente e molhada. Mari estava muito molhada, com muito tesão, começou gritar, avisando que estava gozando e eu como adoro, chupei todo seu gozo. Ela saiu de cima de mim e foi chupar meu pau com a Diana; que delicia, as duas babando minha pica, eu quase explodindo de tesão; eu olhava minha duas clientes favoritas, nuas, suadas, gozadas, disputando meu pau e não acreditava; enquanto uma lambia a cabeça, a outra chupava minhas bolas, depois revezavam, subindo e descendo lambendo toda extensão, fazendo suas línguas se encontarem pelo meio. Depois de alguns minutos a Diana, subiu pela minha barriga, me beijando, me mordendo… até enfiar sua língua na minha boca; puxei ela mais pra cima e abocanhei seus seios, comecei a sugar forte, nesse momento, senti meu pau sendo engolido pela buceta quente e molhada da Mari, ela sentou de uma vez e começou a cavalgar; que buceta gostosa, eu sentia cada musculo abrindo e fechando no meu pau, nunca senti tanto tesão; Mari começou a rebolar mais rápido, e gritou dizendo que ia gozar, eu segurei suas coxas, e soquei mais forte, até sentir ela tremer toda em cima do meu pau e gritar que tinha gozado; ela saiu do meu pau e começou a me chupar; Diana, virou-se pra mim, enlouquecida de tesão, e falou que eu não iria embora sem comer seu cuzinho, eu rapidamente, dei um beijo melado, naquela boca safada, fiquei de joelhos, enquanto ela já se colocava de quatro na minha frente; a Mari se deitou ao nosso lado e enfiou dois dedos em sua buceta, começando uma masturbação lenta e gostosa; eu abri a bunda de Diana e enfiei a língua no seu cu, que delicia, uma mistura de suor e gozo, o verdadeiro cheiro de sexo; ela dizia loucuras de tesão; a Mari que continuava a se masturbar, dizia entre gemidos e respiração ofegante, que seu cuzinho também ia sentir o gosto do meu pau; eu devia estar sonhando, ainda mais quando vi a Diana puxar a Mari pelas coxas e enfiar a língua buceta a dentro, lambendo o restante da minha porra que ainda estava dentro dela. Me arrumei entre suas pernas, e enfiei meu pau na buceta da Diana, soquei algumas vezes, e tirei ele todo melado; coloquei bem na entradinha do seu cu e fui enfiando bem devagar, enquanto ela rebolava gostoso; ficamos assim por alguns minutos, uma gemeção só, eu forçando lentamente meu pau no cu da Diana, enquanto ela só faltava engolir a buceta da Mari, que por sua vez, não consegui se controlar, gemendo e gritando de tanto tesão; de repente a Diana deu um grito, dizendo que tava doendo, senti que a cabeça tinha entrado; fiquei parado um pouco, até sentir ela rebolando novamente, foi a deixa que eu esperava, comecei a enterrar minha pica naquele rabo, Diana gemia de dor e prazer, mas continuava a chupar a Mari, eu segurei forte sua cintura e comecei a socar, ela rebolava e gritava: –vai…fode meu cú… –me rasga toda… –meu cú é só seu de hoje em diante… –vc vai me comer sempre que vier aqui…, a Mari aproveitando a trégua que a lingua da Diana deu pra sua buceta, também falou, que eu também iria fude-la, sempre que tivesse oportunidade, pois ela estava adorando; nem preciso falar o tesão que já tinha tomado conta do meu corpo, fazendo com que eu socasse cada vez mais forte no cu da Diana, até ela gritar, me chamando de meu amor, falando que eu estava fazendo ela gozar pelo cu, ela gemeu, gritou rebolou, eu a segurei até o último espasmo; tirei meu pau do seu cuzinho, e ela caiu na cama ao lado da Mari, que lhe deu um beijo na boca e ficou me olhando; sem falar nada, fui até ela, coloquei suas pernas em meus ombros, e enfiei meu pau de uma vez na sua buceta, ela gemia e me pedia pra fuder seu cu, tirei meu pau, e na mesma posição, encostei no seu cuzinho e forcei sem parar, ela disse que tava doendo, mais não parei, a cabeça entrou de uma vez, e ela gritou enquanto me arranhava minhas costas toda, comecei um vai e vem devagar e ela começou a sentir tesão, gemia e falava: –mete gostoso… –mete forte… –me rasga toda… comecei a socar sem dó, com vontade, ela gemia e gritava e rebola sob meu corpo, até gozar muito; a Diana retribuindo o carinho que ela tinha recebido depois do gozo, caiu de boca no seios da Mari, chupando, lambendo e sugando os bicos duros como pedras, fazendo o gozo da amiga se prolongar; eu não aguentando mais, tirei meu pau do cu da Mari e avisei que ia gozar, elas se deitaram de frente pra mim e começaram a me chupar e me punhetar, até que gozei, enchendo a boca das duas de porra, elas lamberam até a ultima gota, e depois se beijaram loucamente, ficando com os rostos todo lambuzado da minha porra. Nos deitamos, e ficamos abraçados um tempo. Depois fomos tomar banho, trocamos algumas carícias, um ensaboando o outro. Nos despedimos com beijos ardentes, e fui embora. Depois desse dia já voltei duas vezes na casa de Diana pra resolver alguns probleminhas, dessas vezes só nos beijamos, porque seu filhinho não tinha ido pra escolinha. Mas elas estão combinando, pra eu fazer manutenção de novo, na próxima folga da Mari, pois ela trabalha fora.
Postarei outras aventuras em breve, espero que curtam.
Se quiserem deixar contato pra trocas de relatos. Email e Skype: souzalemos2016@hotmail.com