Adãozinho

Oi, sou Cesar. . . para lembrar, veja meus contos “Brincando de Mocinho e Bandido”, que mostra como foi minha primeira, segunda e terceira vez.
Nunca mais tive noticia do Gera que, cumpriu sua palavra e não contou para ninguém que tinha comido minha bunda. Portanto, ninguém na escola e na vizinhança sabia que eu era um veadinho.
Cresci, engordei um pouquinho e o marcante no meu corpo era a bundinha apetitosa e as tetinhas, que eram objetos de cobiça e piadinhas dos coleguinhas de aula, que teimavam em passar as mãos e davam encoxadas “sem querer”, na fila para entrar na sala de aula, no recreio, na aula de educação física ou sempre que tinham oportunidade.
Eu, tinha muita vontade de voltar a dar o cuzinho… lembrava-me da pica do Gera, entrando e saindo gostosamente da minha bunda… então, surgiu o Adãozinho.. garoto magrinho, loirinho, da sala de aula ao lado que, somente olhava as brincadeiras que os outros faziam comigo, olhava diretamente nos meu olhos, impassível, apenas olhando a zoeira dos garotos.
Na primeira oportunidade, veio falar comigo, fala mansa, tom baixinho, dizendo que não concordava com as brincadeiras, que morava perto de minha casa, que queria me acompanhar no trajeto de vinda e ida para casa. Tinha 13 anos também, pouco mais alto que eu e, o seu jeito de falar e olhar diretamente no fundo dos meus olhos, fez que eu sentisse aquele “friozinho” na barriga, o coração palpitar levemente e, meus olhos desceram até abaixo do seu ventre procurando ver o que eu queria sentir novamente e, lá estava, um volume discreto sob a malha do abrigo, pendendo para a direita que comecei a imaginar comprimento e grossura. Ele, não se fez de rogado, vendo para onde direcionei meus olhos, colocou a mão sobre seu pau, dando uma ajeitadinha e, entendi a mensagem tanto quanto ele: era esse o novo garoto que iria me comer!
Voltamos juntos para casa, falou que ficava sempre sozinho às tardes, seus pais trabalhavam fora e convidou-me para ir olhar revistinhas com ele – lembrem-se, eram os anos setenta nada de informática, jogos eletrônicos, etc.
Almocei correndo, nervoso, imaginando o que deveria acontecer mais tarde… agitado, juntei umas revistas também e fui para a casa dele. Já me esperava no portão, também agitado, entramos, sentamos um pouco na sala, mexeu na televisão, parecia não funcionar, olhou-me e disse: vem para o meu quarto. Estava apenas de calção, pediu-me que tirasse minha camiseta, que ficasse à vontade. Ele tomou a iniciativa, levantei meus braços, tirou minha camiseta aproveitando para passar as mãos em minhas costas, desceram a apalparam discretamente minha bunda, já arrebitada, quentinha, arrepiei-me, minhas tetinhas saltaram para frente e foram abraçadas pelo seu peito magro, forte, no mesmo abraço que dei, deslizei minhas mãos lateralmente e baixei seu calção até seus joelhos e, meu objeto de desejo saltou aos meus olhos, retinho, durinho, branquinho, a cabecinha escondida sob a pele, peguei-o firme, puxei a pele para trás, surgiu uma cabecinha rosa, levemente pontuda. Não media mais do que 10 cm, fino, as bolinhas pequenas, ainda sem pelos e, não resistindo pousei minha boca suavemente sobre a cabecinha, um gosto acre, um cheiro diferente, mas, ao passar a língua, chupar, salivar bastante, fui tentando abocanhar todo… Adãozinho tremia de prazer, com as duas mão puxou minha cabeça contra seu ventre, segurava forte começando um vai e vem que eu correspondia com todo o prazer.
Sentou em sua cama, acompanhei o movimento sem tirar seu pau da minha boca, dei mais umas chupadas fortes, levantei, Adãozinho colocou sua boca em minha tetinha direita começando a chupar e morder levemente, não aguentei mais, deitei-me de bruços em sua cama, rapidamente pulou em cima, praticamente arrancou meu calção e avidamente, sem jeito, foi tentando colocar seu pau em meu cuzinho, inexperiente não conseguiu na primeira tentativa, deitado em toda extensão sobre meu corpo, sentia seu pau subir e descer entre minhas coxas e minha bundinha, aberta, durinha, gordinha, com leves mexidas com meus quadris, senti que em dado momento a cabecinha encaixou em meu cuzinho, levei a mão, segurei seu pauzinho e disse quase gritando: para, é aqui…. Adãozinho incrivelmente parou e deixou que eu guiasse seu pau, a cabeça pontuda, encaixada bem no meio do meu cuzinho, levantei a bundinha o suficiente para melhorar a entrada, suada, lubrificada, ofegante, ele foi empurrando devagar, senti meu cuzinho abrir, uma leve ardência e, pela quarta vez após alguns meses, senti seu pau deslizar até o fundo, as bolas encostaram na bunda, meu gemido de prazer não foi maior do que ouvir baixinho no ouvido: Cezinha, sempre quis te comer! Realizei meu sonho após muitas punhetinhas pensando em tua bunda!
Começou o vai e vem, devagar, gemendo, eu ajudando, mexendo e empurrando a bundinha contra seu ventre, olhos fechados, boca aberta, desfrutando daquele pauzinho todo dentro de minha bunda, prazer que somente quem deu o cuzinho nessa idade pode sentir. O ritmo foi aumentando, eu fechava e abria as pernas alternadamente, como para não deixar seu pau fugir de minhas entranhas, não durou muito, senti seu pau inchar dentro de mim e seu gozo veio praticamente junto com o meu…. cansados, seu corpo sobre o meu, sentia sua gosma em minha bunda, meu pau doendo de roçar sobre a colcha… essa foi, minha quarta vez, a primeira de muitas que se seguiram com Adãozinho… que saudades, onde andas?