Amarrada e comida com 16 anos

Olá, meu nome é sabrina. sou leitora assídua desse site faz muito tempo, e finalmente criei coragem para contar as minhas histórias. uma breve descrição de mim: eu sou morena, pele clarinha, 1,65m de altura, tenho seios médios – não são pequenos e nem excessivamente grandes, faço academia 4 vezes por semana, minha mãe é nutricionista então não preciso dizer que sempre tive um corpo bem cuidado, especialmente minha bunda, parte que eu mais amo no meu corpo. essa história que vou contar é de quando eu tinha 16 anos. nessa época já não era mais virgem (comecei incrivelmente cedo, e esse conto fica pra outra hora), mas também não transava com qualquer um. e quando transava, era com alguém que passou por muito sufoco pra conseguir me comer, pois eu me faço de difícil. rs.
era final do semestre do 2o ano do ensino médio. a professora de física separou a sala em duplas afim de fazermos um trabalho sobre determinadas descobertas de alguns físicos conhecidos. afim de evitar as panelinhas tradicionais, a professora que escolheu as duplas randômicamente. eu acabei tendo que fazer meu trabalho com o roberto. não que fosse ruim, mas eu não conhecia ele muito bem (afinal de contas, nossa sala tinha 60 alunos e eu não era a garota mais pop e nem queria ser). roberto era moreno, olhos castanho-claros, um corpo não muito perfeito (não era gordo mas também não era excessivamente magro, nem era sarado) mas com uma bundinha que parecia bem firme. após um pouco de conversa na sala de aula, acabamos nos acertando para fazer o trabalho durante o final de semana na minha casa. como era ainda segunda-feira, ficamos nos falando durante a semana direto. ele se revelou um cara divertido e engraçado, embora quieto. chegando sábado, roberto veio até aqui em casa por volta das 3 da tarde. eu estava com um top de alcinha com umbigo á mostra e shorts de academia (apertada, que deixa minha bunda bem visível) e ele de bermuda e camiseta branca. ficamos na internet procurando por informações para colocar no trabalho até umas 5 horas, quando minha mãe (só estava eu e minha mãe em casa) avisou que iria sair pra fazer compras. assim que ela saiu, eu aproveitei pra acender um cigarro (fumava escondida). roberto não gostou do que eu fiz e tirou o cigarro da minha mão. eu tentei pegá-lo de volta, mas ele segurava acima da cabeça dele e eu não conseguia pegar (ele tinha 1,75 aproximadamente). fiquei grudada no corpo dele, olhando pra cima e tentando pegar o cigarro quando eu notei que ele olhava pra baixo, em direção aos meus seios. fingi que nem vi, me afastei dele e andei em direção a minha mesa e falei que iria pegar outro cigarro na última gaveta onde eu guardava mais. ele duvidou que eu tivesse mais, então virei de costas, e me abaixei, deixando minha bundinha empinada de propósito, apenas para judiar dele. só então que eu notei que tinha um maço de cigarro na mesa, bem acima da gaveta. ele no entanto notou na mesma hora, e veio em minha direção por trás quase me encoxando. quando vi que ele se aproximava, eu fui pra trás (ainda abaixada) e usei minha bunda pra deixar ele afastado da mesa. aquilo deve ter deixado ele com tezão, pois senti que o pau dele estava duro dentro da bermuda. mas logo cortei o clima, acendi outro cigarro e continuamos fazendo o trabalho. depois de terminar de fumar, falei que iria tomar um banho pra me livrar do cheiro (antes que minha mãe percebesse) e deixei ele fazendo o trabalho. tomei meu banho e quando saí, notei que não tinha levado nenhuma muda de roupa pro banheiro. enrolei a toalha em volta de mim, e ainda pingando fui pro meu quarto buscar roupas limpas. quando entrei, vi que o roberto não estava mais na frente do computador. na verdade, não vi ele nem na frente do computador nem em nenhum outro lugar do quarto. derrepente ouço alguém dizer um “bu!” atrás de mim. levei um susto; roberto estava atrás da porta, esperando pra me assustar. chamei ele de bobo, peguei minhas roupas no armário e quando eu tava saíndo (ele ainda estava na frente da porta), me esbarrei nele. mas não notei que o esbarrão foi de propósito, pois na verdade ele tinha segurado na parte de baixo da minha toalha. quando me afastei dele, a toalha derrepente “caiu”. instintivamente, me virei pra ele, e escondi meus seios abraçando as minhas roupas junto ao corpo. ele ficou olhando pra minha bucetinha com poucos pêlos claros (parecendo até que é depilada). eu fiquei congelada na hora e não sabia o que fazer, então rapidamente cubri minha bucetinha com as roupas. lógicamente, meus seios ficaram expostos! lugar para o qual ele rapidamente dirigiu o olhar. gritei com ele: “pára de olhar!”, ele respondeu um “tá bom” rápido, me segurou pela cintura, me puxou pra dentro do meu quarto e me prensou contra a parede. eu não tava acreditando no que tava acontecendo e falei pra ele parar. pus a mão no peito dele e empurrei ele pra trás. ele segurou meus dois braços, afastou eles e prendeu eles contra a parede e começou a me beijar no pescoço, tudo isso em questão de segundos. falei novamente pra ele parar, mas o corpo dele tava grudado no meu e ele era mais forte do que eu; não conseguia soltar dos braços dele. ele continuava a beijar meu pescoço e meus ombros enquanto ía roçando a pélvis dele na minha bucetinha. falei pra ele parar senão eu iria gritar então ele me olhou com uma cara muito maligna. podia jurar que ele tinha a intenção de me matar. ele juntou meus dois braços acima da minha cabeça e ficou segurando eles apenas com a mão esquerda dele. com a direita, ele começou a acariciar minha bucetinha. apesar do medo, estava amando a situação e ele percebeu isso, pois estava já bem molhadinha. ele começou a me masturbar e demonstrava que sabia como fazer isso bem. em poucos minutos meu corpo já estava mole e eu nem oferecia mais resistência. ele então me abraçou pela cintura e me levou em direção a cama, onde ele me deitou e rapidamente tirou toda a roupa dele. eu aproveitei que estava livre e tentei levantar da cama. no entanto ele foi mais rápido que eu, e quase pulou em cima de mim, me prensando agora deitada na cama. ele abriu minhas pernas e tentou enfiar o pau dele em mim, mas eu consegui apoiar meu pé no peito dele e afastar ele um pouco. então ele pegou na parte de trás dos meus joelhos, afastou eles e rapidamente enfiou o pau dele em mim. gemi logo na primeira enfiada, mas tentei afastar ele com as mãos mas (felizmente) sem sucesso, pois ele segurou minhas mãos e prensou eles contra a cama enquanto começava a bombar em mim. ele não perdeu tempo e começou a bombar rápido. eu ficava entre gemidos de prazer e gritinhos de “por favor, pare”. ele começou a falar sacanagens do tipo “você gosta de ser estuprada, né? faz essa carinha de santa mas no fundo fica esperando alguém te comer forçado. então eu vou te comer forçado mesmo, putinha”. após uns 20 minutos bombando rápido em mim, eu comecei a gemer mais alto anunciando meu gozo chegando. gozei e por um momento fiquei mole. ele rapidamente me soltou, tirou o pau de mim, pegou a camiseta dele no chão, me virou de costas, pegou meus braços e amarrou minhas mãos atrás de mim. quando notei o que ele tava fazendo, já era tarde demais pra reagir. o roberto me segurou pela cintura, puxando ela pra cima. como não tinha como me apoiar, minha cara ficou no travisseiro da cama e minha bundinha empinada. logo enfiou seu pau em minha bucetinha de novo e começou a me comer de quatro. comecei a pedir pra ele parar de novo, embora estivesse muito bom. ele enfiava o pau até o final, depois voltava até só deixar a cabecinha dentro da minha buceta (quase saíndo) e enfiava de uma vez aquela pica em mim até o final, em um movimento longo de vêm-e-vai. alternava entre isso e estocadas rápidas e curtas. ele ficou me fodendo assim por mais uns 15 minutos. então ele repentinamente parou, me virou para que eu pudesse ficar de frente pra ele, deitada na cama, colocou as duas mãos por debaixo de mim para segurar na minha bunda, me puxou até eu ficar com minhas pernas em volta do corpo dele e me levantou. com minhas pernas em volta da cintura dele, ele me apoiou de costas contra a parede, e ainda com uma mão me segurando pela bundinha, usou o a outra mão pra colocar seu pau na minha bucetinha, voltou a segurar na minha bunda e passou a me comer de pé, me erguendo e me soltando fazendo aquela pica dele bombar dentro de mim.. nessa hora eu já estava gemendo muito alto de prazer. estava sendo comida de pé, á força, de braços amarrados. tava bom demais. depois de uns 10 minutos, tive um orgasmo intenso. devo ter gozado por mais de dois minutos. só sei que senti meu corpo todo amolecer. roberto então me colocou na cama de quatro novamente e falou “só vou terminar de comer você e te deixo em paz”. ele enfiou aquele pau maravilhoso dentro da minha bucentinha de novo e começou a bombar muito rápido. creio que ele amou minha bunda, pois estava bombando mais rápido que antes. até aproveitou para lamber seu dedo do meio e enfiar no meu cuzinho enquanto me fodia. derrepente, ele tirou o pau dele da minha bucetinha, mirou no meu rosto (eu estava quase desmaiando já por causa do orgasmo) e gozou na minha cara. ainda bem que metade foi no travisseiro, pois não queria ter que tomar outro banho. ele então me desamarrou enquanto falava sacanagens ainda, se vestiu e ficou na frente do computador terminando o trabalho enquanto eu continuava núa, deitada na cama, dormindo. acordei uma hora depois quando o roberto estava se despedindo. falou que já tinha feito todo o trabalho e se eu quisesse que meu nome constasse no trabalho, eu teria que dar novamente pra ele. falei que era sacanagem e que eu já tinha dado. “eu te comi porque eu quis. agora eu quero te comer porque você quer”. marcamos de novo pra próxima semana. ele foi embora, e eu me vesti e fui lavar meu rosto. a única coisa que me passava pela cabeça era o quão bom era ser comida amarrada desse jeito.

espero que tenham gostado do conto. se eu receber vários votos, quem sabe eu conto mais das minhas histórias? não são poucas não. ainda preciso contar de como perdi a virgindade, como foi a semana seguinte com o roberto e da vez em que fui amarrada e comida por três amigos meus. se quiserem manter contato, meu e-mail é sabrina.coelinha@yahoo.com.br. beijos da sá.